Netflixing: Joias Brutas (Uncut Gems, 2019)

Vários realizadores tentaram ser Martin Scorcese em 2019. Todd Phillips, em seu Coringa (crítica do Razão aqui), copiou bonito inspirou-se fortemente em Taxi Driver e em O Rei da Comédia, tendo como resultado um filme que evoca os filmes de seu conterrâneo nova-iorquino.  O Scorcese original reuniu um elenco dos sonhos para seu O Irlandês (crítica aqui), grande aposta da Netflix. Curiosamente, ao mostrar o ocaso de um membro da mafia, Scorcese foi um pouquinho menos Scorcese que de costume. O melhor “filme de Scorcese” do ano passado acabou sendo Joias Brutas (Uncut Gems), escrito e dirigido pelos irmãos Benny e Josh Safdie (com a colaboração de Ronald Bronstein no roteiro). Não deixa de ser em parte verdade, porque Martin Scorcese é um dos produtores executivos do filme.

Joias Brutas centra-se na figura de Howard Ratner (Adam Sandler), negociante de jóias no Diamond District de Manhattan. Ratner é daquelas figuras meio picaretas, que deve dinheiro a alguns, engana a esposa (Idina Menzel), que quer o divórcio, tem uma amante,  faz qualquer negócio possível e improvisa seus dias, praticamente sem sair do celular. No inicio da trama, ele consegue uma amostra de opala africana (uma das razões do título do filme), a qual pretende vender em um leilão e ganhar muito dinheiro. Um astro de basquete (Kevin Garnett, no papel dele próprio) visita a loja de Ratner e fica obcecado pela pedra, e temos nossa premissa.

Ao contrário de Coringa, que transpira (talvez demais?) a estética de Scorcese, no caso de Joias Brutas os irmãos Safdie conseguiram capturar algo mais difícil, que é a energia dos primeiros filmes daquele diretor. Há um frenesi constant em volta de Ratner, que paga pelas escolhas estúpidas que seguidamente faz. Viciado em jogo e falastrão, ele perde dinheiro que não deveria ter apostado, enfurece credores, clientes e a família, mas segue tentando fazer as coisas darem certo. O filme é visualmente bonito na tela, sim, com cores às vezes lisérgicas, mas é agressivo e violento. É um raro caso em que o título em português acrescenta ainda mais significado à obra, uma vez que o adjetivo “bruto” pode ser usado para as pedras preciosas, para as pessoas e para o filme como um todo. Tudo isso embalado por uma trilha sonora com forte uso de sintetizadores de Daniel Lopatin, que merecia também ter sido mais reconhecida. E prepare-se para um final de deixar você calado.

Adam Sandler esteve cogitado para indicação ao Oscar de Melhor Ator até a reta final das apostas, mas acabou não tendo sucesso, como grande parte do catálogo da distribuidora A24 (a mesma de A Despedida,  Midsommar, O Farol e outros filmaços que pouco foram lembrados nas premiações, em grande medida por falta de poder financeiro da distribuidora para fazer frente a campanhas milionárias dos concorrentes). Não há dúvidas de que Sandler está muitíssimo bem no filme, mas a indicação em um ano tão concorrido talvez fosse exagerada. Ele apenas saiu do modulo de conforto, do Sandler-de-sempre, para um a atuação competente.

Embora se alongue um pouquinho na sequência final e tenha uma cena (na visita a um apartamento) que quase ameace o ritmo do meio do filme, Joias Brutas traz uma assinatura própria e um frescor que faltou a seus primos scorcerettes. Opção excelente na Netflix, o filme tem tudo para se tornar um dos cults a ser lembrado à margem das premiações.

por D.G.Ducci

Not rated yet!

Joias Brutas

20192 h 15 min
Overview

Howard Ratner (Adam Sandler) é um joelheiro nova-iorquino em busca do próximo grande negócio. No entanto, na Primavera de 2012, as dívidas são mais que muitas a única hipótese de Ratner é vender uma pedra não lapidada enviada directamente da Etiópia. Inicialmente Howard planeia vendê-la ao jogador da NBA Kevin Garnett, um de seus clientes mais assíduos, porém, apercebe-se que conseguirá facturar mais caso a peça vá a leilão, o que gera uma sucessão de confusões e atritos.

Metadata
Director Josh Safdie, Benny Safdie
Writer Josh Safdie, Benny Safdie, Ronald Bronstein
Author
Runtime 2 h 15 min
Release Date 14 novembro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 2    Média: 3/5]