Um Lindo Dia na Vizinhança (2019) – Crítica
Um Lindo Dia na Vizinhança

Um Lindo Dia na Vizinhança tem como chamariz o apresentador Fred Rogers, um ícone da TV norte-americana. Contudo o combo com o interprete escolhido é que dá, mais que a cereja do bolo, o próprio receio: o astro Tom Hanks. Inclusive Hanks foi indicado para Melhor Ator Coadjuvante no Oscar 2020.

CONFIRA AS NOSSAS CRÍTICAS DOS INDICADOS AO OSCAR 2020

Rogers apresentou um programa infantil por décadas e é uma das figuras mais conhecidas do público da terra do Tio Sam. No Brasil, mesmo ele sendo desconhecido para a maioria (eu inclusive) com poucos minutos de projeção já entendemos que estamos diante de um ser diferenciado. Alguém que é o exemplo de bondade, respeito e empatia. O histórico de Tom Hanks de papéis de bom moço/herói contribui para essa fácil associação.

O longa, contudo, não é um estudo sobre a vida do apresentador (o documentário Won’t You Be My Neighbor? cumpre este papel), mas sim o jornalista Lloyd Vogel (Matthew Rhys) tentando investigar o personagem para entender se esse caráter é real mesmo, sendo inclusive o protagonista de Um Lindo Dia na Vizinhança, daí Hanks estar indicado para coadjuvante e não na categoria principal. Lloyd tem tendência a ser descrente em relação às pessoas, então cria-se um conflito de valores, um quase choque cultural. Choque este natural, eu diria. Qualquer ser humano “normal” acharia estranho essa receita de Meninas Superpoderosas (a saber: açúcar, tempero e tudo que há de bom, para os que não acompanharam as aventuras de Lindinha, Docinho e Florzinha).

Um Lindo Dia na Vizinhança

Para narrar essa história temos Rogers/Hanks apresentando aquele universo, tal qual um programa infantil. Essa sacada permite o uso de momentos lúdicos, tais como maquetes, canções e até um nível de exposição e didatismo, típicos desses shows – vale a nota que é algo pertinente justamente por ter sentido narrativo. Isso dá uma camada a mais e tira um viés totalmente tradicional do filme. Nesse ponto a Diretora Marielle Heller (de Poderia Me Perdoar? e O Diário de uma Adolescente) acerta em cheio.

Porém, por vezes, o filme deixa-se contaminar por essa inocência e alguns diálogos soam como aqueles filmes religiosos onde temos um “debate” entre cristãos e ateus. Onde um é o suprassumo da bondade e o outro um quase vilão cartunesco. Isso é agravado por conta dos arcos familiares de LLoyd serem um tanto superficiais e apelarem para resoluções fáceis em personagens quase unidimensionais.

Basicamente: quando Um Lindo Dia na Vizinhança foca no apresentador o filme ganha viço – vide duas ótimas cenas: a pausa para respirar e refletir e o momento da cantoria no metrô. Ali temos dois aspectos de Rogers: o quanto ele é querido e o ar paternal/que sabe o que falar na hora certa – o convite para pensar sobre se estende ao público e conseguimos ser penetrados por aquela reflexão. Todavia, não há momentos que sejam uma contraparte à altura no lado do jornalista. Esse desequilíbrio torna o filme sonolento e redundante.

Hanks foi muito bem, mas eu não o indicaria, pois é duro não pensar em nomes como Song Kang-ho e Willem Dafoe em trabalhos mais exigentes como Parasita e O Farol. Foi um ano realmente especial para as atuações masculinas. Ele está lá por ser um nice guy e por tudo que o personagem representa, além é claro de ter levado o filme nas costas, pois sem ele seria um filme edificante quase que banal.

Confira as nossas outras críticas dos lançamentos de 2020 no Brasil:

Frozen 2
O Caso Richard Jewell
O Farol
Ameaça Profunda
Adoráveis Mulheres
Kursk – A Última Missão
Retrato de uma Jovem em Chamas
Os Miseráveis
O Escândalo
Um Espião Animal
1917
A Divisão
A Possessão de Mary
O Melhor Verão das Nossas Vidas

Not rated yet!

A Beautiful Day in the Neighborhood

20191 h 49 min
Overview

Fred Rogers (Tom Hanks) foi o criador do Mister Rogers' Neighborhood, um programa infantil de TV muito popular na década de 1960, nos Estados Unidos. Em 1998, Tom Junod (Matthew Rhys), até então um cínico jornalista investigativo, aceitou escrever o perfil de Rogers para a revista Esquire. Durante as entrevistas para a materia, Junod mudou não só sua visão em relação ao seu entrevistado como também sua visão de mundo, iniciando uma inspiradora amizade com o apresentador.

Metadata
Director Marielle Heller
Writer
Author
Runtime 1 h 49 min
Release Date 22 novembro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]