Obsessão (Greta, 2018) – Crítica
Obsessão

Greta no Brasil ficou com glorioso título de Obsessão – e aí já vai o comentário inicial de que esta é uma decisão puramente comercial para atrair mais público do que o título original, contudo artisticamente não faz sentido algum e essa bizarrice só não é maior do que a bizarrice do próprio filme. Um suspense completamente genérico, cheio de erros e que força a emoção a cada segundo… quase um exemplo atrás do outro do que não fazer.

Sem dar spoiler (ao contrário do trailer revela praticamente o filme inteiro, mas um sinal de tentativa desesperada de vender um vazio), na história temos Frances McCullen (Chloë Grace Moretz), uma jovem que encontra uma bolsa solta no metrô e cruza a cidade para entregá-la para a dona. Ao encontrar Greta Hideg (Isabelle Huppert), proprietária do objeto, elas passam a desenvolver uma relação baseada na solidão de ambas. Porém [pausa para frase clichê], nem tudo é o que parece.

Obsessão confunde reviravoltas e revelações com desenvolvimento de personagem. Quando você entende a dinâmica, seja com cinco minutos de filme ou um minuto do trailer, a dupla principal vai do nada a lugar algum. Praticamente não temos informações para além dos caracteres principais, com isso fica complicado se identificar com aquelas personas para além da tensão. Se as duas estão assim, o que falar dos personagens secundários? Dois deles entram e sai da história de modo tão abrupto que parecem ter sido inseridos depois.

Obsessão

O roteiro é um misto de exposição, e a analogia do chiclete é o ápice disso, principalmente as 400 vezes que aquilo é repetido, com uma falsa tentativa de complexidade, aí entra a questão da perda, provavelmente um dos piores filme a tratar do tema.

O longa também falha na parte técnica. Não sabe que uma cena de suspense não fica mais tensa com uma trilha gritando “suspense, suspeeeeeeense, SUSPENSE” o tempo inteiro. A trilha não pode querer falar mais alto que o que está sendo mostrado, ela não está ali para forçar um sentimento.

Isabelle Huppert até tenta compor uma personagem dentro daquela confusão, mesmo eu achando que ela está um tom a cima em alguns momentos, no geral ela vai bem e tira o filme da nota mínima. Já Chloë não atrapalha, mas também não vale aqui algo digno de elogios.

A montagem é outro problema. Várias cenas parecem terminar sem um sentido claro (e alegar que as personagens estavam perturbadas não me parece cabível aqui). Certos elementos praticamente brotam na tela e não tem desenvolvimento algum. O emprego do pai, a terapeuta, as investigações…

Se você já viu algum suspense no Intecine da Globo em uma noite insone, então já viu Obsessão. Mas sempre recomendo que vá assistir para tirar as próprias conclusões e mais: dá para se divertir caçando os furos de roteiro, a cena final é um poço deles…

Not rated yet!

Obsessão

20191 h 38 min
Overview

Greta é uma viúva solitária, até ao dia em que conhece uma jovem rapariga de quem se torna amiga, no entanto algo de terrível acontece.

Metadata
Director Neil Jordan
Writer
Author
Runtime 1 h 38 min
Release Date 28 fevereiro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 1    Média: 5/5]