Ma (2019) – Crítica
Posters para "Ma"

Ma provoca sensações contraditórias. A narrativa é oscilante, com altos e baixos em quase todos os níveis. A primeira boa notícia (ou nem tanto) é a de que a história de Ma se desenvolve de uma forma um pouco diferente do que o trailer indica, ou seja, o filme tem muitas supresas.

Octavia Spencer é o ponto alto de Ma. Admito que, quando vi o trailer pela primeira vez, tive dúvidas sobre o perfil da para o papel de vilã em um filme de suspense e terror, mas, felizmente, eu estava completamente errado. A construção da personagem fracassada, humilhada e desrespeitada por todos em público, mas cruel e dominadora na vida privada é muito bem feita. Aquela certa desconexão entre a atriz e a personagem acaba funcionando perfeitamente bem, uma vez que retrata o deslocamento de Ma em relação aos adolescentes com quem se relaciona. Ma tenta compensar, quase duas décadas depois, a falta de popularidade na escola e se recuperar — ou não — de um evento traumático de sua adolescência, e os adolescentes, por sua vez, se consideram mais espertos do que realmente são e tentam tirar proveito daquela senhora tão “aberta a ajudar”.

O roteiro tem muitos problemas, especialmente no desenvolvimento dos personagens coadjuvantes dos pais, que são, em última instância, os causadores do seu trauma. Apesar do uso recorrente dos flashbacks para mostrar os eventos que levaram Ma a se tornar quem é, não existe um desenvolvimento mais profundo dos personagens entre a sua adolescência e o tempo presente, o que torna a narrativa um pouco truncada, e os personagens, estereotipados. Há alguns arcos que sobram, ou melhor, que são desnecessários para o desenvolvimento da trama e acrescentam algumas características à personalidade de Ma irrelevantes para o arco principal, especialmente o que envolve (SPOILER LEVE) sua filha. Além disso, há um erro grotesco de roteiro incluindo no destino de uma personagem coadjuvante que existia apenas para ser um alívio cômico mal colocado, mas que desaparece no momento decisivo sem explicação.

A fotografia de Ma remete aos filmes de terror dos anos 1980, apoiada por uma montagem que tenta emular, de certa forma, a linguagem da época, mas que, para o público atual, pode parecer apenas brusca e difícil de compreender. Não se trata de a história remeter àquela época, mas, sim, de Ma ter sido filmado como se fosse um filme dos anos 1980, algo que o diretor Tate Taylor deve ter feito propositalmente. Em alguns momentos, Ma lembra o tom e a linguagem do excelente O Padrasto, de 1987.

Felizmente, Ma tem pontos altos como suspense e terror, e melhora muito no terceiro ato, quando Octavia Spencer dá um verdadeiro show de interpretação, encarnando uma vilã inesperada para uma atriz tão simpática e carismática (imginem co contrate com A Forma da Água, por exemplo). Na sequência final, a violência e o gore fazem grande parte do público tapar os olhos e reagir aso gritos de desespero em alguns trechos. O desfecho, por sua vez, é controverso, já que a tentativa de encerrar a narrativa no ápice da tragédia também priva os espectadores de compreenderem completamente as decisões tomadas na sequência final.

Ao tentar abordar muito temas ao mesmo tempo, tais como bullying, estupro, vingança, baixa autoestima, drogas e até síndrome de Münchhausen por procuração, Ma acaba se perdendo e tropeçando nas próprias pretensões. O filme desperdiça grande parte do potencial como filme de terror ao desenvolver mal os personagens e seus dramas.

Not rated yet!

Ma

20191 h 39 min
Overview

Maggie (Diana Silvers) e seus amigos, todos menores de idade, estão tentando descolar bebidas alcóolicas em um mercado quando conhecem Sue Ann (Octavia Spencer), uma mulher adulta que usa sua identidade para ajudá-los. Além de comprar as bebidas, ela decide oferecer sua casa para que eles organizem uma festa com o pessoal do colégio. Os eventos acabam se tornando uma rotina do grupo, até que os jovens começam a identificar um comportamento estranho da dona da casa, que se torna cada vez mais controladora e obsessiva.

Metadata
Director Tate Taylor
Writer
Author
Runtime 1 h 39 min
Release Date 29 maio 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]