Eu Sou Mais Eu (2019) – Novo Filme da Kéfera – Crítica
Eu Sou Mais Eu Kéfera

Eu Sou Mais Eu é estrelado pela atriz e youtuber Kéfera Buchmann. Recentemente ela se envolveu em polêmicas em um programa de auditório. A única referência a tal acontecimento será esta, pois o nosso foco aqui é apenas o trabalho cinematográfico. Falando nele, ela já fez filmes como Amor de Catarina e É Fada! que não são exatamente primorosos (Gosto se Discute, eu não vi então não vou opinar). Contudo, o atual projeto é o mais problemático. Parece que temos um check list de como ser clichê.

O longa abre com o único intuito de odiarmos a personagem Camila (Kéfera), uma popstar arrogante e que pisa em todos ao redor dela. Por mais que existam pessoas assim no mundo real, o retrato é completamente forçado e repetitivo. Tais características vão, de outras maneiras, aparecer ao longo da trama como um todo.

Eu Sou Mais Eu Kéfera

Um certo dia ela é visitada por uma fã misteriosa e por se recusar a tirar uma selfie, a cantora é teletransportada para o próprio passado, onde sofrera com as zoações no colégio. Ela agora terá que, com a cabeça de hoje, lidar com aquele universo. De modo algum quero desencorajar alguém a ver um filme, defendo que todos os longas devem ser vistos e que crítica não é guia de consumo, mas depois dessa premissa vou te parabenizar se ainda tiver vontade…

A coisa piora, pois a personagem no passado era originalmente tão exagerada e forçada (eu falei que os adjetivos retornariam), mas para o outro lado – a caracterização da atriz não ajuda, ficar de boca aberta, como recurso dramático para demonstrar o quão bizarro ela era, tira a possibilidade de defender. E não sabemos como foi a transição da figura grotesca 1 para a figura grotesca 2. Simplesmente ela era rejeitada e do nada se tornou uma cantora pop de sucesso…. Acho que até a novela Betty, faz um trabalho melhor nesse sentido.

Eu Sou Mais Eu Kéfera

Na linha temporal que o filme roda boa parte da história, a série de clichês continua. As “inimigas” patricinhas. O galã popular. Doenças na família. Show de calouros. Síndrome de Malhação (atores bem mais velhos em papeis para adolescentes). E o pior deles: a lição de moral.

Flertando com um  A Christmas Carol (um conto de Natal) livro de Charles Dickens, cuja história traz um homem avarento que é visitado pelos espíritos do passado. Eu Sou Mais Eu telegrafa o tempo inteiro o que vai acontecer. E a evolução da personagem é completamente antecipável e sem vigor.

Na parte musical temos uma salada. Mamonas Assassinas, menções à Anitta, Vinny, Ludmilla e Pitty (em uma canção pra lá óbvia). Além disso, a personagem cantora nos entrega performances toscas (até para os padrões pretendidos na narrativa). O velho hábito de usar um tratamento para a voz quase irreconhecível de estúdio em meros ensaios de fundo de quintal me tiram completamente da imersão da obra.

O humor é pobre. É possível rir em alguns momentos (e novamente “parabenizo” quem o fizer), mas no geral tudo é quadradinho e entediante. No É Fada!, que é bem mais problemático em termos de montagem, a dupla Kéfera e Clara Castanho funcionou bem. Aqui tudo é artificial. Repare nos figurantes como eles estão completamente soltos. E mesmo o núcleo central está torto. Giovanna Lancellotti está se especializando em personagens assim, vide o também péssimo Tudo por um Popstar.

O drama segue na mesma linha. Os personagens tem praticamente zero aprofundamento. E servem para o mais reles esteriótipo. E as cenas… as idas dos ponto A ao B não fazem sentido. Parece que os cenários são abandonados e o filme desiste. E tal qual em vários do gênero tem alguém se jogando em uma piscina de uma altura elevada, como se isso fosse interessante de alguma forma. Cadê a criatividade dos roteiristas? Quando lembramos que Eu Sou Mais Eu foi escrito pelo mesmo pessoal que escreveu Duas de Mim, O Doutrinador, Até Que a Sorte nos Separe, então fica tudo explicado….

Antes que falem que cinema nacional só tem porcaria, vejam a nossa lista dos 10 Melhores Filmes Nacionais de 2018. Nela vocês encontrarão obras muito mais consistentes que Eu Sou Mais Eu.

 

Not rated yet!

Eu Sou Mais Eu

Overview

Camila Mendes (Kéfera Buchmann) é uma popstar arrogante, que busca o sucesso a todo custo. Prestes a lançar uma nova música, ela é surpreendida em casa pela visita de sua fã número 1 (Marcella Rica), que insiste em tirar uma selfie com ela. O que Camila não esperava era que tal situação a levasse de volta à adolescência, quando sofria bullying de praticamente todos no colégio. Seu único amigo é Cabeça (João Côrtes), que tenta ajudá-la a encontrar seu verdadeiro eu, já que só assim conseguirá voltar à sua realidade.

Metadata
Director Pedro Amorim
Writer L.G. Bayão, Angélica Lopes
Author
Runtime
Country  Brazil
Release Date 24 janeiro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 8    Média: 2.3/5]