Dolittle ficou muito famoso na pele de Eddie Murphy em 1998. Mas o que nem todos se lembram é que a adaptação literária já tinha uma versão na década de 60 e que a franquia de 98 se seguiu por mais 4 filmes até 2009. Agora em 2020, com possivelmente o melhor elenco e uma boa quantidade de dinheiro, estreia uma nova versão. Sou contra já crucifixar o filme com a pergunta: “precisava?”, penso que se for feito com qualidade uma história pode ter tantas versões quantos os criadores quiserem… O problema aqui é a palavra qualidade….

Temos um claro ar fabulesco com uma narração de conto de fadas e um prólogo em animação, além é claro de animais falantes. Pois caso você tenha caído aqui de paraquedas, a premissa da história é um médico que tem a peculiaridade de falar com os bichos. O problema é que os realizadores confundem liberdades poéticas do gênero com bagunça nas mais variadas frentes.

Dolittle não sabe qual história quer contar. A de um garoto (Harry Collett) que vem de uma família de caçadores, mas ama os animais. A do Dolittle (Robert Downey Jr.) vivendo o drama interno pós-morte da esposa. A de salvar a rainha (Jessie Buckley) cuja vida só pode ser salva com algo milagroso. Isso sem falar nos inúmeros coadjuvantes, animais e humanos – um elenco que realmente vale a visita ao IMDB ou de imaginar os atores como os bichinhos. Em um filme mais coeso tal opção seria elogiosa, pois teríamos um universo cheio de vida. Contudo, o que vemos aqui é só uma tentativa atropelada de abraçar o mundo, talvez por não confiar no próprio material.

Dolittle

O primeiro ato temos a apresentação dos bichos (e por consequência das vozes, veja sempre a versão original), cada um com uma pequena peculiaridade, um traço distintivo da personalidade. Melhor que zero, porém as piadas ficam bem limitadas e repetitiva. Quantas vezes o gorila Chee-Chee (Rami Malek) não se apresenta como sem confiança? Mas com certeza eles são melhores que os antagonistas encabeçados pelo Michael Sheen, completamente genérico. E o bichos são muito melhores que o Downey Jr. em um trabalho que se pauta em um sotaque inglês afetado e uma interpretação preguiçosa e destoante. Esses bichinhos não serão lembrados como os melhores amigos do homem (de Ferro). Imagino que o astro Robert Downey Jr. precisaria das joias do infinito para este filme ficar bom…

A montagem prejudica bastante o filme. Soa como se tudo passou em uma tarde e a noção geográfica também dá a entender que algo distante era logo ali. Como se não bastasse, temos um misto de um ritmo frenético em cenas que não dão pausa para respirar, com diversos arcos bem descartáveis. O do Antônio Bandeiras e a ilha dele poderia ser totalmente suprimido. Os desafios não empolgam, talvez nem uma criança, vide o momento final que é resolvido de forma banal. Se a ação é esquecível, o humor de Dolittle consegue estar no tom para o público-alvo e me arrancou uns 3 risinhos de canto de boca, mas poderiam imprimir uma pegada mais cômica e explorar mais as possibilidades do lúdico universo. O drama, se é que há um, é raso e dispensável.

Na parte técnica temos um CGI claudicante. Em alguns momentos você consegue esquecer que os humanos estão interagindo com um fundo verde e que animais falantes não existem. Mas se a palavra qualidade foi um problema antes, ela (ou falta dela) volta a dar as caras aqui. Em muitas cenas fica nítido que não houve um carinho neste quesito. A cena da perseguição na girafa me tirou muito do filme e as cenas marítimas também não agradam.

Definitivamente não temos uma bomba à la Cats, contudo o que poderia ser uma aposta nostálgica e encantadora acaba sendo apenas esquecível.

 

Confira as nossas outras críticas dos lançamentos de 2020 no Brasil:

FILMES DE FEVEREIRO:

As Invisíveis
Cicatrizes
Antologia da Cidade Fantasma
Dilili em Paris
Maria e João – O Conto das Bruxas
O Preço da Verdade – Dark Waters
Sonic
O Grito
Quem me Ama, me Segue!
Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
A Chance de Fahim
Jojo Rabbit

FILMES DE JANEIRO:
Açúcar
E Agora? Mamãe Saiu de Férias!
Com Amor Van Gogh – Um Sonho Impossível
Testemunha Invisível
Bad Boys Para Sempre
Os Órfãos
Judy: Muito Além do Arco-íris
Adoniran, Meu Nome é João Rubinato
Frozen 2
O Caso Richard Jewell
O Farol
Ameaça Profunda
Adoráveis Mulheres
Kursk – A Última Missão
Retrato de uma Jovem em Chamas
Os Miseráveis
O Escândalo
Um Espião Animal
1917
A Divisão
A Possessão de Mary
O Melhor Verão das Nossas Vidas
Um Lindo Dia na Vizinhança

Not rated yet!

As Aventuras do Dr Dolittle

Ele não é pessoa de pessoas

20201 h 41 min
Overview

Sete anos após ter perdido a esposa, o excêntrico Dr. John Dolittle (Robert Downey Jr.), famoso médico e veterinário da Inglaterra vitoriana, esconde-se atrás dos muros altos da mansão Dolittle, contando apenas com a companhia dos seus animais. Mas quando a jovem rainha (Jessie Buckley) fica gravemente doente, Dolittle é forçado a viajar até uma mítica ilha em busca da cura, recuperando a sua perspicácia e coragem enquanto reencontra velhos adversários e descobre criaturas maravilhosas. Na aventura, o médico é acompanhado por um jovem que se intitula seu aprendiz (Harry Collett) e por um grupo estridente de animais, incluindo um gorila ansioso (voz de Rami Malek), um pato entusiasmado (voz de Octavia Spencer), uma dupla de cinícas avestruzes (Kumail Nanjiani), um urso polar otimista (John Cena) e um papagaio teimoso (Emma Thompson), o mais fiável consultor e confidente de Dolittle.

Metadata
Director Stephen Gaghan
Writer
Author
Runtime 1 h 41 min
Release Date 1 janeiro 2020

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]