Diário de um Banana: Caindo na Estrada (2017) – Crítica

A franquia cinematográfica Diário de um Banana, originada em uma série de livros de muito sucesso, nunca foi um exemplo de qualidade. Piadas muito simples, previsíveis, personagens estereotipados e quase sem o charme dos rabiscos presentes no livro marcam os filmes. A trama (pré e) adolescente é muito menos do que poderia, não chega a ofender, porém acaba esquecível.

No quarto longa, a razão desta crítica, a série é rebootada. O protagonista original Zachary Gordon, sete anos após o primeiro filme, já está velho para o papel de Greg Heffley. Então natural que essa decisão fosse tomada, a priori problema algum. Toda a estrutura familiar, com pai, mãe e três filhos, é mantida. A grande diferença é que o amigo certinho Rowley perdeu muito espaço.

O que restou foram easter eggs estranhos, que em nada acrescentam a nova narrativa e soam esquisitos para quem está tendo contato pela primeira vez. O bordão “epa, nenem”, a banda do irmão ou o queijo do primeiro filme dão as caras. Aliás, dá para colocar o próprio amigo como um easter egg de luxo. Sendo que uma das coisas que salvavam nos filmes anteriores era a dinâmica entre ele e Greg.

A trama agora se volta para um road movie familiar focado nos 5 integrantes da família. Greg continua tentando se provar e se tornar reconhecido. O irmão mais velho, o incrivelmente estúpido e chato, Rodrick. O pequeno e safo Manny (que parece ser o único com mais de três neurônios naquela família). O pai, Frank, que está fugindo do trabalho, mas não consegue se desligar totalmente. E a mãe Susan (interpretado pela antiga Batgirl, Alicia Silverstone), que não tem a mínima noção de como se comunicar com outras gerações.

Infelizmente a sessão para jornalistas foi dublada, então não posso avaliar as atuações devidamente. Dublagem que por sinal deixou bem a desejar. A mixagem de som foi gravemente afetada e em muitos momentos a falta de sincronia labial foi muito mais evidente que o normal. E há uma cena que os personagens estão gritando que vaza o áudio original – que, claro, destoa horrores do resto.

Voltando aos problemas originais, a montagem foi outra questão que deixou muito a desejar. Cortes bruscos, mudança de dia para noite sem o devido cuidado, callbacks que não tem um retorno prévio (vide os créditos finais). Ou ainda ideias colocadas para nunca mais serem usadas, como a do rodízio na primeira cena.

Narrativamente, há um esforço zero para tentar surpreender. As piadas chegam de longe e o texto que já não era bom soa a todo instante como repetido (ainda que dentro daquele universo esteja aparecendo pela primeira vez). Flatulências, lama, tropeções e personagens estúpidos dão o tom do duvidoso humor.

Vale um comentário à parte sobre duas referências que eram divertidíssimas… pelo menos na cabeça dos responsáveis por Diário de um Banana: Caindo na Estrada… Wannabe, canção mais famosa do grupo Spice Girls, é posta no rádio do carro e causa reações exageradas das crianças. O término da piada, cenas depois, é tão sem sentido quanto… Agora o pior, de longe, é a reprodução da cena do chuveiro de Psicose. Tudo errado ali, vergonha alheia define.

Apesar de todos esses pontos negativos, e de ser pouco além de um Férias Frustadas genérico, Diário de um Banana 4 cumpre o que pretendia (sim, ele pretendia ser quase nada…). Lamento, contudo, que os rabiscos, em alusão aos livros, não sejam mais utilizados e de uma forma até que modificasse a narrativa e não só fizesse uma caricatura dela. Mas seria esperar muito do diretor David Bowers, que tem como grande sucesso exatamente esta franquia…

Not rated yet!

Diário de um Banana: Caindo na Estrada

Overview

Greg (Jason Drucker) convence sua família a embarcar numa viagem para ir ao aniversário de 90 anos de sua avó. Mas, na verdade, o que ele realmente quer é assistir a uma convenção de gamers. Sem surpresas, as coisas não vão de acordo com o planejado e as palhaçadas da família Heffley começam a acontecer.

Metadata
Director David Bowers
Writer Adam Sztykiel
Author
Runtime
Country
Release Date 19 maio 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?