Bad Boys Para Sempre (2020) – Crítica
Bad Boys

Bad Boys é uma trilogia que se iniciou em 1995 e teve a sequência em 2003, três nomes eram a cara do produto: os protagonistas Will Smith e Martin Lawrence, fazendo, com muito carisma, uma dupla de policiais e o diretor Michael Bay, no primeiro longa da carreia. O filme de 95 é até palatável, contudo o segundo é Michael Bay sendo Michael Bay e entregando tudo de ruim que que ele tem a oferecer. Felizmente ele saiu de cena (ou foi tirado, sinceramente não sei) para este terceiro e Adil El Arbi e Bilall Fallah assumiram o posto. Por mais que eles emulem o jeitão do antecessor mais famoso, entregam um filme mais consistente em todas as frentes.

O longa sabe usar o fato de a dupla Lawrence e Smith ter passado dos 50 anos e não esconde isso, pelo contrário. Tanto que família, conflito de gerações e aposentadoria são temas centrais e até uma visível maior lentidão vem à tona, em pelo menos dois momentos, um para cada, temos esse fator como elemento. Contudo, tendo o Will com bem mais vigor que Martin, até devido aos problemas que este teve.

A história não tem nada mirabolante e os antagonistas se pautam em uma típica trama de vingança, onde o Mike (personagem do Will Smith) é o principal alvo. Há uma camada a mais que mesmo tempo dá um peso maior às ações, mas deixa um certo furo. Porém o objetivo aqui é centrar na relação da dupla nas novas configurações pessoais e das carreiras de ambos. Há um rol de coadjuvantes que tem um uso apenas funcional, mas pelo menos são distinguíveis um dos outros com pelo menos uma característica marcante.

Bad Boys

O humor tem aquela batida conhecida de piadas físicas e tiradas rápidas que comba bem com a ação. Contudo, o primeiro funciona melhor que o segundo elemento. Já que a ação é bem clichê: coisas que surgem de última hora, o famoso deus ex-machina, o falso senso de urgência e uma movimentação picotada para dar intensidade e esconder as atuações. Já na parte cômica há um bom potencial para risadas, atendendo bem que já curtia o estilo nos filmes anteriores.

Bad Boys Para Sempre se apoia bastante na nostalgia e sabe que muito tempo se passou desde o último encontro, vide a repetição e desconstrução da música tema. É uma muleta fácil, mas que tem eficácia. E esse é um resumo do todo: ele jogam no easy, com a certeza de zerar o jogo (ou seja, garantir um filme ok e agradar o público).

 

Confira as nossas outras críticas dos lançamentos de 2020 no Brasil:

Frozen 2
O Caso Richard Jewell
O Farol
Ameaça Profunda
Adoráveis Mulheres
Kursk – A Última Missão
Retrato de uma Jovem em Chamas
Os Miseráveis
O Escândalo
Um Espião Animal
1917
A Divisão
A Possessão de Mary
O Melhor Verão das Nossas Vidas
Um Lindo Dia na Vizinhança
Adoniran, Meu Nome é João Rubinato
Judy: Muito Além do Arco-íris
Os Órfãos

Not rated yet!

Bad Boys Para Sempre

Começamos Juntos. Terminamos Juntos.

Overview

Will Smith e Martin Lawrence estão de regresso às ruas de Miami, a dar corpo aos detectives Mike Lowrey e Marcus Burnett, do Departamento de Narcóticos. Agora, ao mesmo tempo que lidam com problemas a nível pessoal – que incluem mudanças de carreira, envelhecimento e crises de meia-idade –, vão ter de enfrentar Armando Armas, o líder do mais perigoso cartel de drogas a actuar em todo o estado da Flórida.

Metadata
Director Adil El Arbi, Bilall Fallah
Writer
Author
Runtime
Release Date 15 janeiro 2020

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]