As Invisíveis (Les invisibles, 2019) – Crítica
Invisíveis

As Invisíveis tem como foco dar visibilidade para um grupo de assistentes sociais e para mulheres moradoras de rua. Nesse sentido, temos um trabalho de sororidade, carisma, diversidade e, claro, a saturada palavra, empatia. O longa tem um tom documental, seja pelos planos mais fechados, seja por parte do elenco não ser composto de atrizes profissionais, realçando assim uma vivência mais crua e autêntica, mas claro prejudicando um pouco as nuances interpretativas.

A trama segue um grupo de mulheres sem-teto cujo abrigo onde vivem corre o risco de ser fechado por conta de uma decisão judicial. Então, elas e as assistentes sociais (com protagonismo de Audrey) terão que se reinventar para conseguir sobreviver aos percalços do dia a dia, além de serem reintegradas à sociedades através da busca por um trabalho. Em uma pegada de dramédia, temos momentos de uma alegria espontânea e, claro, momentos mais complicados e tristes.

Invisíveis

Falta, contudo, um maior viço, um peso dramático. Talvez a proposta foque mais em uma homenagem do que uma denúncia, opção que é também válida, mas fica um ar de muita simplificação. Por exemplo, há uma clara preocupação em ser representativo étnica e culturalmente, ainda mais na França tão múltipla, e contemplando mulheres de várias idades. Esse protagonismo variado é obviamente muito bem-vindo, mas As Invisíveis não explora o potencial desse recorte. Por vezes soa simplesmente que não havia muito o que ser contado (quando claramente havia) e são inseridos momentos clipescos subtramas quase avulsas.

Os nomes que as personagens assumem, Brigitte Bardot, Selma Hayek, Lady Di, mostram uma abertura ao sonho, identidade e vontade de ser o que quiser, transmitem um olhar afetuoso e potente. Outro momento de destaque é quando uma das personagens tem um arco que envolve o passado dela na cadeia e como a sociedade, mesmo a dela, vê tal fato, também mostra esse trabalho de desconstrução-construção, sempre sob a ótima cômica, ela deve ou não mentir sobre o fato? O trailer mostra esse momento, trailer aliás que dá bem o tom do filme, apesar de revelar os melhores momentos um pouco além da conta, algo costumeiro em filmes de comédia.

A cena final é uma síntese do todo. Luta contra o sistema, as coisas nem sempre saindo perfeitinhas (o mundo real não é um conto de fadas) e um certo desfile debochado que era a cara daquelas mulheres. As Invisíveis poderá render reflexões e até trazer para a cabeça do espectador uma realidade que não está acostumado. Mas ao mesmo tempo, ele tenta se equilibrar em uma proposta calorosa e leve. Não sendo plenamente efetivo em nenhum dos dois lados.

Confira as nossas outras críticas dos lançamentos de 2020 no Brasil:

FILMES DE FEVEREIRO:

Cicatrizes
Antologia da Cidade Fantasma
Dilili em Paris
Maria e João – O Conto das Bruxas
O Preço da Verdade – Dark Waters
Sonic
O Grito
Quem me Ama, me Segue!
Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
A Chance de Fahim
Jojo Rabbit

FILMES DE JANEIRO:
Açúcar
E Agora? Mamãe Saiu de Férias!
Com Amor Van Gogh – Um Sonho Impossível
Testemunha Invisível
Bad Boys Para Sempre
Os Órfãos
Judy: Muito Além do Arco-íris
Adoniran, Meu Nome é João Rubinato
Frozen 2
O Caso Richard Jewell
O Farol
Ameaça Profunda
Adoráveis Mulheres
Kursk – A Última Missão
Retrato de uma Jovem em Chamas
Os Miseráveis
O Escândalo
Um Espião Animal
1917
A Divisão
A Possessão de Mary
O Melhor Verão das Nossas Vidas
Um Lindo Dia na Vizinhança

Not rated yet!

Les Invisibles

20191 h 42 min
Overview

Após uma decisão da prefeitura, o abrigo feminino Envol é obrigado a fechar as portas. Com apenas três meses em funcionamento, as assistentes sociais fazem de tudo para conseguir reintegrar estas mulheres na sociedade, incluindo crimes como falsificação, roubos e mentiras.

Metadata
Writer Louis-Julien Petit
Author
Runtime 1 h 42 min
Country  France
Release Date 9 janeiro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]