A Chance de Fahim (Fahim, 2019) – Crítica
A Chance de Fahim

A Chance de Fahim tem quase uma check list clichê de filmes baseados em uma história de superação. Aqui o foco é no menino Fahim Mohammad (Assad Ahmed), um jovem enxadrista que é obrigado a sair de Bangladesh com o pai (Mizanur Rahaman) para tentar um futuro melhor na França, além de se livrar da atual situação instável do país de origem. Lá eles enfrentam os choques culturais, fazem novos amigos e tem que lidar alguns dramas. Trama mais quadrada impossível. O longa dirigido por Pierre-François Martin-Laval conta no elenco com Isabelle Nanty e Gérard Depardieu.

O filme tem um certo ar de Sessão da Tarde ruim, mas com potencial para fazer chorar e rir os mais sensíveis, porém com base em truques fáceis, simplificações e movimentos batidos – um filme de xadrez ter movimentos batidos é um contra senso. Além disso, A Chance de Fahim é mais um na conta daqueles que subestimam o público ao colocar letreiros marcando a temporalidade, só que aqui ele vai além desiste de mostrar algo importante no meio do filme e resolve só contar. Bastava uma cena de 5 segundo para inserir isso organicamente na trama. E no final ele também se supera: não só coloca aquelas típicas frases explicando o que aconteceu no fato real depois como praticamente junto mostra a cena do que narrou. Ou seja, é duplamente redundante.

Há vários momentos que são utilizados situações para recuperar no final do filme. O que poderia ser algo coerente ou um callback bem-vindo, aqui satura e torna banal. As relações entre os personagens são funcionais ao extremo (e entenda aqui como algo negativo). Os personagens não parecem reais mas um adjetivo apenas. Quando se tenta algo mais como no caso do professor ou do pai de Fahim, a coisa fica solta e continua enveredando por caminhos fáceis. A fotografia é chapada e a direção sem um pingo de inventividade. É o apelo à emoção pelo apelo à emoção…

Se boa parte de A Chance de Fahim é atropelada, nada barra os momentos finais, onde tudo se resolve da maneira mais tacanha possível. Pelo menos é uma síntese… mas uma síntese de todos os problemas. O jeito como o torneio termina e o que acontece no pós é a total falta de criatividade.

 

Confira as nossas outras críticas dos lançamentos de 2020 no Brasil:

Frozen 2
O Caso Richard Jewell
O Farol
Ameaça Profunda
Adoráveis Mulheres
Kursk – A Última Missão
Retrato de uma Jovem em Chamas
Os Miseráveis
O Escândalo
Um Espião Animal
1917
A Divisão
A Possessão de Mary
O Melhor Verão das Nossas Vidas
Um Lindo Dia na Vizinhança
Adoniran, Meu Nome é João Rubinato
Judy: Muito Além do Arco-íris
Os Órfãos
Bad Boys Para Sempre
Testemunha Invisível
Com Amor Van Gogh – Um Sonho Impossível
E Agora? Mamãe Saiu de Férias!
Açúcar

 

Not rated yet!

Fahim

Overview

Forçado a fugir de Bangladesh, sua terra natal, o jovem Fahim (Assad Ahmed) e seu pai deixam o resto da família e partem para Paris. Após a sua chegada à França, eles começam uma verdadeira maratona de obstáculos para obter asilo político. Graças ao seu talento com xadrez, Fahim conhece Sylvain (Gérard Depardieu), um dos melhores treinadores da França. Quando o campeonato francês começa, a ameaça de deportação pressiona Fahim e seu pai. O jovem enxadrista tem apenas uma opção para continuar no país: Ser campeão

Metadata
Writer
Author
Runtime
Country  France
Release Date 16 outubro 2019

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]