Coming Home in the Dark – Ótimo Suspense na Netflix

A Netflix trouxe ao Brasil o excelente suspense psicológico com elementos de terror Coming Home in the Dark. O filme teve sua estreia mundial no Festival de Sundance 2021 e fez parte da cobertura do #ConexãoSundance. 

O filme Coming Home in the Dark, da Nova Zelândia, pode ser definido em uma palavra: brutal. Ele não dá sossego, com cinco minutos já começa a desgraça. Isso não significa que a violência física seja onipresente na narrativa: há uma densidade psicológica muito grande, desde a primeira cena até o desfecho.

O mais importante desse filme é que ele não trata de “violência gratuita”, mas, sim, da motivação brutal e pesada que leva a vários desdobramentos no decorrer da história. Ao longo do tempo, os predadores e presas do filme acabam desenvolvendo um vínculo muito diferente do que imaginamos. Assim, o filme acaba subvertendo as expectativas.

Ao mesmo tempo, o filme faz algumas coisas que são impressionantes, como os personagens ficarem em silêncio e, sem falar nada, somente com as expressões no olhar, você sente o peso da situação como consequência do evento que está acontecendo, tudo com a trilha sonora. É um filme que dá pouco alívio e deixa o espectador com a guarda alta. Quem gosta de terror psicológico com gore e “body horror”, vai gostar.

O tom dele lembra bastante semelhante ao de Bad Day for the Cut, que é um filme pequeno, mas muito bem feito, também disponível na Netflix.

 

Confira a crítica em vídeo:

 

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]
Posts relacionados
  • 4 mar 2017
  • 0
Tom Hardy e Mark Rylance integram o elenco do longa com estreia prevista para julho de 2017 no Brasil              A Warner Bros. Pictures divulga...
  • 1 abr 2020
  • 0
AVISO !!! ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS DO TERCEIRO EPISÓDIO DA TERCEIRA DE WESTWORLD Se você quiser relembrar cada um dos episódios das temporadas anteriores, bem...
Venom
  • 30 dez 2018
  • 0
Piores filmes de 2018. 2018 está chegando ao fim, e chegou o período mais divertido – ou não, há controvérsias – do ano: a publicação...