Os Dez Melhores Filmes Nacionais de 2019

Melhores Filmes Nacionais de 2019. O público brasileiro tem muito preconceito com filmes nacionais. Considerando a média das produções dos últimos anos, esse preconceito decorre, quase totalmente, do desconhecimento dos grandes filmes. Infelizmente, as melhores produções, com poucas exceções, têm pouco espaço de distribuição e pouca verba de marketing, enquanto as superproduções de comédias pastelão – a maioria de baixíssima qualidade – têm espaço de sobra. Por isso, o Razão de Aspecto faz a sua lista  do cinema brasileiro, para mostrar a importância e o valor que essa produção tem para a nossa formação como cinéfilos.

Somente em 2010 o Brasil teve dezenas de produções nos mais importantes festivais internacionais do mundo, com mais de dez representantes, incluindo filmes premiados em Cannes e na reta final para a indicação ao Osscar de documentário. O reconhecimento internacional da nossa produção cinematográfica tem crescido, entretanto, é necessário que o público brasileiro também a reconheça. O Razão de Aspecto faz a sua parte, escolhendo as melhores produções do ano e, de certa forma, levando ao conhecimento do grande público obras que possam ter passado despercebidas.

Na nossa lista, temos filmes sobre temas diversos, de linguagem mais poética ou mais comercial, documentários e ficção. O ponto em comum: todos são filmes de grande qualidade.

Confira a lista dos dez melhores filmes nacionais de 2016

Confira a lista dos dez melhores filmes nacionais de 2017

Confira a lista dos dez melhores filmes nacionais de 2018

Opinem, comentem, discordem, indiquem a sua lista dos melhores filmes de 2018. Depois de publicada, a lista é de vocês, leitores, e esperamos que seja útil!

PARA LER AS CRÍTICAS, CLIQUE NO TÍTULO DO FILME!

10- Minha Fama de Mau

MinhFama de Mau tem uma missão que é surpreendente que ninguém tenha feito antes: um filme sobre um dos maiores nomes da nossa música, o Tremendão Erasmo Carlos. Mas o que surpreende mesmo é como o filme conta a história, saindo da fórmula de uma cinebiografia quadradinha. Dirigido por Lui Farias e escrito por ele em parceria com Letícia Mey, baseado em um livro do próprio Erasmo, Minha Fama de Mau tem vários elementos que escapam do convencional e tornam tudo mais interessante.

 

9- Mormaço

Mormaçodirigido por Marina Meliande e coescrito por ela e Felipe Bragança — dupla que já trabalhou junta no ótimo Não Devore Meu coração —, mistura drama, política e fantasia no desenvolvimento de uma narrativa poderosa sobre o Rio de Janeiro, na camada mais evidente, e o Brasil, na camada mais profunda, tanto no que tem de literal quanto no que tem de alegórico ao longo dos seus quase noventa minutos. Com excelente atuação de Mariana Provenzzano no papel de Ana, uma defensora pública, Mormaço coloca em evidência os conflitos latentes da sociedade brasileira: o descaso com a vida das pessoas, a prevalência dos interesses econômicos sobre os humanos e a gradual perda de identidade, provocada pelo desenraizamento forçado. Essa perda gradual reflete-se nos personagens – e não posso falar mais do que isso, para não prejudicar a experiência. Ao escolher como contexto a realização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Mormaço consegue chamar a atenção para problemas que atingem as populações mais vulneráveis até hoje, com uma abordagem original para o cinema brasileiro, apostando no realismo fantástico como linguagem de representação. Trata-se de um dos melhores filmes nacionais lançados até o momento, em 2019.

8- Aspirantes

únior (Ariclenes Barroso) é um jovem que tem o sonho de ser um jogador de futebol profissional. Além de ser membro de um pequeno clube de uma cidadezinha no estado do Rio de Janeiro, ele é empregado em outro lugar, para ajudar na renda da família. Mas o rapaz não é tão talentoso ou dedicado quanto seu amigo Bento (Sérgio Malheiros), a estrela do time, e por isso, o inveja. Júnior fica cada vez mais desmotivado de perseguir seu sonho quando sua namorada engravida.

Com muita sensibilidade, Aspirantes mostra o Brasil real, o futebol real, aquela da vida da maioria do jogadores, muito longe da fama e da riqueza. Uma grande obra cinematográfica.Se você gosta de futebol e gosta de cinema, é um filme imperdível.

 

7- Greta

Pedro (Marco Nanini) é um enfermeiro de 70 anos que trabalha em um hospital público de Fortaleza. Sua melhor amiga é Daniela (Denise Weinberg), artista transexual que enfrenta graves problemas de saúde. Quando ela precisa ser internada, mas não encontra leito disponível, Pedro sequestra um paciente recém-chegado, Jean (Démick Lopes), e o abriga em sua casa. Inicialmente, o enfermeiro tem medo do rapaz agressivo, que se esconde da polícia por ter assassinado um homem a facadas. Depois, nasce entre eles uma relação de cumplicidade e afeto.

6- Morto Não Fala

Plantonista de um necrotério, Stênio (Daniel de Oliveira) possui um dom paranormal de se comunicar com os mortos. Trabalhando a noite, ele já está acostumado a ouvir relatos do além. Porém, quando essas conversas revelam segredos sobre sua própria vida, o homem ativa uma maldição perigosa para si e todos a sua volta.

Um grande filme de gênero, coma cara do Brasil.

5- A Sombra do Pai

Dalva (Nina Medeiros), uma menina de 9 anos, se torna responsável por sua casa quando seu pai, o pedreiro Jorge (Julio Machado), fica doente. Órfã de mãe, ela precisa deixar de lado a infância para cuidar do pai, que por sua vez, tem que lidar com a frustração de perder aspectos de sua paternidade.

Mais um grande filme de terro brasileiro em 2019.

4- A Vida Invisível de Eurídice Gusmão

Com 90% de aprovação no Rotten Tomatoes, chega à temporada de premiações indicado ao Spirit Awards e com grandes chances de indicação ao Oscar de Mlehor Filme Internacional.

No filme, Eurídice é uma jovem talentosa, mas bastante introvertida. Guida é sua irmã mais velha, e o oposto de seu temperamento em relação ao convívio social. Ambas vivem em um rígido regime patriarcal, o que faz com que trilhem caminhos distintos: Guida decide fugir de casa com o namorado, enquanto Eurídice se esforça para se tornar uma musicista, ao mesmo tempo em que precisa lidar com as responsabilidades da vida adulta e um casamento sem amor com Antenor.

3- Divino Amor

Segundo as palavras do próprio diretor, Divino Amor é um filme sobre a linha tênue que separa o prazer da violência nos dias de hoje e sobre como o conservadorismo crescente, no Brasil e no mundo, baseia-se na escolha do indivíduo do que fazer com o próprio corpo. Ao criar a distopia futurista de um Estado evangélico, o espectador desavisado pode esperar uma abordagem radical. Gabriel Mascaro, sempre com profunda sensibilidade e com muito talento, faz o contrário: apresenta uma narrativa equilibrada, respeitosa e questionadora, sem ser panfletária.

Depois de Ventos de Agosto e Boi Neon, Gabriel Mascaro mostra que tem muito a dizer e muito talento a ser explorado.

2- Democracia em Vertigem

Não se trata de um filme imparcial, nem se pretende imparcial. Desde o princípio, assume sua posição, mas é um filme honesto. Não há dissimulações, não há invenções, não há distorções. Há apenas a análise sincera e propositalmente subjetiva, que joga nova luz sobre a história recente do Brasil. Como filme. Democracia em vertigem é envolvente e poderoso – pode despertar paixão e ódio, mas jamais deixará o público indiferente. Considerando a boa reação e o envolvimento do público, bem como o investimento da Netflix, Democracia em vertigem estreia como grande candidato às temporadas de premiação. Os 100% de avaliação no Rotten Tomatoes falam por si.

 

1- Bacurau

Pouco após a morte de dona Carmelita, aos 94 anos, os moradores de um pequeno povoado localizado no sertão brasileiro, chamado Bacurau, descobrem que a comunidade não consta mais em qualquer mapa. Aos poucos, percebem algo estranho na região: enquanto drones passeiam pelos céus, estrangeiros chegam à cidade pela primeira vez. Quando carros se tornam vítimas de tiros e cadáveres começam a aparecer, Teresa (Bárbara Colen), Domingas (Sônia Braga), Acácio (Thomas Aquino), Plínio (Wilson Rabelo), Lunga (Silvero Pereira) e outros habitantes chegam à conclusão de que estão sendo atacados. Falta identificar o inimigo e criar coletivamente um meio de defesa.

Vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2019, Bacurau mostra a potência do cinema brasileiro e dá uma verdadeira aula de linguagem cinematográfica.

Qual a sua lista dos melhores filmes nacionais de2019? Publique nos comentários!

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 3    Média: 2.3/5]
Posts relacionados
  • 14 jun 2019
  • 0
Chernobyl. A equipe do Razão de Aspecto debateu Chernobyl a fundo. Confira! Quer mais séries? Leia também: As Melhores Séries de 2018 As Melhores Séries...
Sundance
  • 20 jan 2018
  • 1
Seguindo a nossa cobertura do Festival de Sundance, diretamente do interior do Library Center Theatre – Park City, em Utah, EUA, o nosso correspondente Maurício...
  • 16 nov 2016
  • 0
Sennentuntschi é um complexo e apavorante conto folclórico, onde uma excelente interpretação e um roteiro criativo vão te deixar na ponta da cadeira até o fim...