Os 3 Melhores Filmes de Junho de 2019

Melhores filmes de junho. Grandes filmes chegaram aos cinemas brasileiros em junho de 2019, das mais variadas origens, línguas e gêneros. Neste mês, temos um drama de diretor consagrado, uma distopia brasileira e uma comédia independente como filme de estreia.

Confira as listas dos meses anteriores:

Os 3 Melhores Filmes de janeiro de 2019

Os 3 Melhores Filmes de Fevereiro de 2019

Os 3 Melhores Filmes de Março de 2019

Os 3 Melhores Filmes de Abril de 2019

Os 3 melhores Filmes de Maio de 2019.

E agora vamos ao pódio do mês:

3- Dor e Glória

O diretor Pedro Almodóvar (A Pele que Habito, Tudo Sobre Minha Mãe, Julieta) é daqueles que tem uma marca muito própria. Aqui em Dor e Glória, o espanhol faz uma obra bem introspectiva. A partir de um personagem interpretado por Antonio Banderas, Salvador Mallo, persona essa quase um alter-ego do próprio diretor, vemos, de modo não linear, toda uma jornada reflexiva. Acompanhamos paixões, derrotas, vícios, dores e mais do que isso: uma autodescoberta, ao revisitarmos o passado, sempre presente. Por mais que, em um momento ou outro, a coisa quase descambe para o melodrama, no todo é possível relevar exatamente pela construção e também porque sem uma dosezinha de melodrama não seria Pedro Almodóvar.

Dor e Glória

 

2- Divino Amor

Segundo as palavras do próprio diretor, Divino Amor é um filme sobre a linha tênue que separa o prazer da violência nos dias de hoje e sobre como o conservadorismo crescente, no Brasil e no mundo, baseia-se na escolha do indivíduo do que fazer com o próprio corpo. Ao criar a distopia futurista de um Estado evangélico, o espectador desavisado pode esperar uma abordagem radical. Gabriel Mascaro, sempre com profunda sensibilidade e com muito talento, faz o contrário: apresenta uma narrativa equilibrada, respeitosa e questionadora, sem ser panfletária.

Depois de Ventos de Agosto e Boi Neon, Gabriel Mascaro mostra que tem muito a dizer e muito talento a ser explorado.

1- Fora de Série

Uma raridade nas nossas listas de melhores do mês, em junho, o topo da lista é ocupado por uma comédia. A estreia de Olivia Wilde na direção resultou em um grande filme, que merecia mais atenção da audiência brasileira do que tem recebido.  

Fora de Série é divertido como uma comédia deve ser, bem dirigido, bem escrito e bem executado. Ao subverter os clichês e estereótipos, assim como a expectativa do público, o filme se destaca no mar de mediocridade que povoa os cinemas e os catálogos de streaming. Fica a pergunta: Fora de Série, quem te autorizou a ser tão lindo?

Posters para ""

© − All right reserved.

Posts relacionados
  • 13 jun 2014
  • 0
Em sua primeira aula sobre teoria, linguagem e crítica cinematográficas, o mestre Pablo Villaça pergunta aos alunos o que os motivou a procurar o curso....
  • 26 abr 2016
  • 0
  ALERTA: Esta crítica contém spoilers. Proceda à leitura por própria conta e risco. Confira a ficha técnica do episódio aqui.     Nota do Razão de Aspecto:  ...
  • 28 set 2016
  • 3
Júri, crítica e público encerraram o 49º Festival de Brasília divorciados. Maurício Costa Os prêmios para “Rifle”, em especial o prêmio da critica, foi justo. “Rifle” é um filme...