Brightburn: O Filho das Trevas (Brightburn, 2019) – Cinema em um Parágrafo

Brightburn: O Filho das Trevas — péssimo subtítulo incluído no nome do filme no Brasil – nada mais é do que um distopia do universo do Super-Homem, que procura responder à pergunta “e se o Super-Homem fosse do mal?”.  A premissa é inteligente e abre espaço para as mais diferentes possibilidades, que são bem aproveitadas, em alguns momentos, e desperdiçadas, em outros. No geral, Brightburn: O Filho das Trevas oscila: se, por um lado o roteiro não se utiliza de muitos recursos narrativos originais, por outro lado, consegue manter o público engajado na história de origem de um super-vilão. Além disso, Brightburn também oscila na transição entre gêneros, ao misturar os filmes de super-herói com suspense e terror: há altos em baixos em cada uma das tentativas, e o resultado é apenas regular, ainda que haja algumas cenas fortes no gore e algumas sequências tensas. Apesar do baixo orçamento, Brightburn tem soluções técnicas criativas e eficientes – somente em uma cena se pode afirmar que a tela verde ficou toscamente evidente. O elenco, por sua vez, tem atuação regular, com mais destaque para a frieza de Jackson Dunn, no papel do protagonista. Produzido por James Gunn, diretor de Guardiões da Galáxia, e dirigido por David Yarovesk, Brightburn: O Filho das Trevas pode ser um bom entretenimento, se não houver grandes expectativas.

Sinopse: Quando uma criança alienígena cai no terreno de um casal da parte rural dos Estados Unidos, eles decidem criar o menino como seu filho. Ao começar a descobrir seus poderes, ao invés de se tornar um herói para a humanidade, ele passa a aterrorizar a pequena cidade onde vive, se tornando uma força obscura na Terra.

Leia a ficha técnica aqui.

OBS: Depois de muito tempo, resolvemos ressuscitar o Cinema em um Parágrafo. Há muito filmes para comentar, mas não conseguimos escrever críticas completas sobre todos eles. Ainda assim, consideramos que vale a pena registrar nossa avaliação sobre alguns filmes, para que você, nosso ou nossa (único ou única) leitor ou leitora conheça a opinião do Razão de Aspecto. Por isso, teremos mais textos no Cinema em um Parágrafo e, consequentemente,  mais publicações no site. Ajude-nos, compartilhando os textos, divulgando e recomendando para os seus amigos! 

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]
Posts relacionados
  • 5 mar 2018
  • 0
FILMES SUÍÇO E NORUEGUÊS ESCOLHIDOS PARA REPRESENTAR OS PAÍSES NO OSCAR ESTREIAM NO STREAMING “MULHERES DIVINAS” e “THELMA” chegam às plataformas no dia 8 de...
  • 2 jul 2017
  • 1
Em Junho, além de canjica, quadrilha e quentão, quais são as melhores coisas do mês? Pelo menos no cinema pudemos ver três obras excelentes e...
  • 15 jul 2016
  • 0
    Gênero: Documentário Direção: Amy Berg Roteiro: Amy Berg Produção: Alex Gibney, Jeff Jampol, Katherine LeBlond Fotografia: Francesco Carrozzini, Jenna Rosher Montador: Billy McMillin, Brendan Walsh, Garret Price, Mark Harrison,...