Game Of Thrones – Oitava Temporada. Episódio 2: A Knight of the Seven Kingdoms – Com Spoilers!

A Knight of the Seven Kingdoms foi um episódio melancólico que fechou muito bem o processo de contextualização da derradeira temporada de Game of Thrones. Com o tom certo, pudemos nos despedir de vários personagens que acompanhamos há quase uma década. A Batalha de Winterfell nos reserva experiências brutais, com a morte de perssonagens centrais e, quem sabe, com a transformação de alguns deles em caminhantes brancos. No próximo domingo, a emoção estará a flor da pele.

A Knight of the Seven Kingdoms não é um episódio perfeito, mas acerta em cheio em algumas sequências. A principal delas é a “sociedade da lareira” (nome que eu mesmo cririe, nada oficial), que rende momentos engraçados, com Tormund, e o momento mais emocionante do episódio, quando Jamie nomeia Brienne uma cavaleira. A sequência da “sociedade da lareira” é engraçada e melancólica, ao dar o tom de despedida para pelo menos metade dos personagens presentes naquela sala. O julgamento de Jamie, o encontro de Sansa e Daenerys, o reecontro de do Jon, Sam e de Eddie Doloroso, a conversa de Jamie e Tyrion, a despedida de Arya e e do Cão de Caça, a noite de sexo entre Arya e Gendry,  e, por último, mas não menos importante, a revelação de Jon para Danerys nas criptas fecham as boas sequências des episódio, com excelentes cenas e excelentes diálogos.

A Knight of the Seven Kingdoms pode ser tratado como a continuação direta do primeiro episódio da temporada, não apenas em termos de trama, mas também, e principalmente, em termos de tom e de objetivo. Winterfell teve ênfase nos reencontros,  enquanto A Knight of the Seven Kingdoms teve ênfase nas resoluções, ainda que parciais, e nas despedidas entre os personagens e entre os personagens e o público – abordagens complementares de uma narrativa complexa. Além disso, o segundo episódio da temporada manteve o paralelismo com a primeira temporada, ao destacar, às vezes de forma sutil, às vezes de forma mais óbvia, o desenvolvimento dos arcos de alguns dos principais personagens, suas transformações e sua jornada. Esta complexidade na construção de diferentes camadas faz de Game of Thrones uma obra ímpar, que subverte todas as convenções de gênero, ao mesmo tempo em que reforça a estrutura narrativa da jornada do herói e a de construção do anti-herói.

Pensemos no ponto de partida de Sansa Stark – uma dolescente deslumbrada com a ideia de viver na corte – até sua transformação na Lady de Winterfell, competente, fria e obstinada; em Arya, que se transforma de uma menina deslocada e prejudica pelo sexo de nascimento em uma assassina treinada, cuja sede de vingança a manteve viva; em Jamie, o anti-herói mais bem construído de toda a série, de Golden Lion a comandado de Brienne; em Tyrion, de filho renegado e beberrão a uma figura influente no destino dos Sete Reinos; em Bran, na sua jornada de transformação no Corvo de Três Olhos; em Daenerys, da adolescente vendida pelo irmão à guerreira implacável em busca de justiça (às vezes); e, finalmente, em Jon Snow, o personagem com camadas menos complexas – já que sempre foi nobre e correto, sem sede pelo poder, o verdadeiro sucessor de ned Stark -, de filho bastardo a líder da batalha contra do Rei da Noite, após sobreviver a traições inomináveis, ou melhor, após ressuscitar. Cada um desses personagens representa uma faceta diferente do que é ser humano, dos sentimentos mais nobres aos mais abjetos, do sofrimento mais visceral ao amor mais pronfudo, da nobreza inata à ambição desmedida. Alguns desses heróis e anti-heróis morrerão no próximo episódio e, com eles, morrerão jornadas inesquecíveis de evolução, as quais abrirão caminho para um futuro incerto.

No próximo episódio, teremos algumas teorias confirmadas, outras descartadas. Ainda acredito que Jon Snow seja Azor Ahai, mas tenho consciência de que esta não é a única possibilidade.  Não acredito que Daenerys deverá assumir o trono de ferro. Se Game of Thrones se respeitar, um dos dois morrerá antes do final da temporada, para desespero dos espectadores e dos fãs. Saberemos no próximo domingo.

Um minuto de silêncio.

 

 

 

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 3    Média: 5/5]
Posts relacionados
  • 27 dez 2017
  • 1
2017 está chegando ao fim, e chegou o período mais divertido – ou não, há controvérsias – do ano: a publicação das listas dos melhores...
  • 22 set 2017
  • 1
No 7º dia do Festival de Brasília o Razão de Aspecto acompanhou novamente a Mostra Competitiva e a Mostra Brasília, chegamos, portanto, aos 40 filmes...
  • 1 maio 2015
  • 0
Caros leitores, continuo firme no desafio de 400 filmes em 2015. Em abril, foram 41 filmes 30 dias (contra 41 filmes em 31 dias, em...