Sundance 2019 #31 – Blinded by the Light

A música da minha vida. Sem medo de ser feliz, Maurício Costa se apaixonou por Blinded by the Light. “Que musical maravilhoso”. Primeiro, porque é o tipo de musical que ele consegue gostar: com músicas que já existem, como Escola de Rock, Mamma Mia e Rock of Ages.

O filme conta a história de Jay, menino paquistanês, na Inglaterra, em 1987, com o pano de fundo da crise econômica no governo da Margaret Thatcher, e do surgimento de um grande movimento de xenofobia contra os paquistaneses no país. No contexto, ele descobre as músicas do Bruce Springsteen, que falam diretamente com ele, apesar de do contexto totalmente diferente.

Quer mais musicais? Confira:

Yesterday

O Rei do Show

Em termos de enredo, A Música da Minha Vida não tem o que inventar: é um roteiro convencional. O garoto é um imigrante de primeira geração com conflito cultural com os pais, por exemplo. Ele se envolve com uma garota que não é paquistanesa, passa por vários percalços, até a sua redenção. Nada muito diferente do que se viu em The Big Sick, por exemplo. O desenvolvimento da trama, entretanto, é muito bom, recontextualizando a obra do cantor,  quando Springsteen já era quase fora de moda.

O uso das músicas constrói a narrativa: em alguns momentos, a letra da música aparece na tela, para expressar os sentimentos e pensamentos do personagem. A forma como eles fazem os números musicais também foi pouco convencional: em vez de todos pararem para dançar e cantar maravilhosamente bem, encenam de forma meio desconexa e desconcertada, como se fossem pessoas comuns que estão cantando juntas na rua. Algo, ao mesmo tempo, realista e ridiculamente engraçado.

É uma fábula baseada na história verdadeira de um jornalista paquistanês, que resulta em um filme muito bom, porque faz rir, faz chorar, e deixa ansioso, como um musical tem que fazer.

 

Blinded by the light / United Kingdom (Director: Gurinder Chadha; Screenwriters: Sarfraz Manzoor, Gurinder Chadha, Paul Mayeda Berges;
Producers: Gurinder Chadha, Jane Barclay, Jamal Daniel; Principal Cast: Viveik Kalra, Hayley Atwell, Rob Brydon, Kulvinder Ghir, Nell Williams, Aaron Phagura). 1987, Margaret Thatcher’s England. Javed, a 16-year-old British Pakistani boy, lives in the town of Luton. His father’s recent job termination and the neighborhood skinheads are a daily reminder of the difficult times he’s living in. What young Javed really wants is to be a writer—something his father doesn’t approve of or understand—and when a new friend loans him a few Bruce Springsteen cassettes, Javed is changed forever. The Boss’s working-class anthems and affirming lyrics seem to speak directly to Javed, emboldening him to find his own voice as a writer, stand up to the racism around him, and challenge his father’s rigid ideals. World Premiere.

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]
Posts relacionados
  • 19 nov 2019
  • 0
Contato Visceral. Depois de três anos, o diretor do excelente Sob a Sombra (2016), Babaq Anvari, retorna ao Festival de Sundance com seu segundo filme,...
  • 18 jan 2017
  • 0
  A Conexão Sundance está a todo vapor. A reunião do Razão de Aspecto com vários veículos rendeu uma matéria no maior jornal Distrito Federal,...
  • 24 out 2016
  • 0
ESTA CRÍTICA CONTÉM SPOILERS DO QUARTO EPISÓDIO DE WESTWORLD. Leia a ficha técnica aqui Nota do Razão de Aspecto:  O quarto episódio de Westworld (“Dissonance Theory”), se...