608 Filmes por Diogo Almeida – Filme 3: Esposas Ingênuas (1922)

Se quiser conhecer como nasceu esta coluna, leia aqui.

Para mim, aquele sujeito esquisito de monóculo, cabelo raspado à militar e com jeitão de chefe de final de fase não passava de um character actor, destinado a fazer tipos arrogantes como em Crepúsculo dos Deuses (1950) e A Grande Ilusão (1937). Só depois soube que Erich von Stroheim (1885-1957) foi um dos mais maiores (e mais polêmicos) diretores do cinema mudo, capaz de torrar milhões de dólares em excentricidades. E só agora inventei de ver um dos filmes que dirigiu.

Hoje meio esquecido, von Stroheim foi um dos rostos mais reconhecíveis da “Era de Ouro” hollywoodiana. Nascido em Viena, seu perfil e modos aristocráticos logo o tornaram um ator calcado para papéis de vilão alemão durante a Primeira Guerra Mundial. Logo, porém, migrou para a cadeira de diretor: ficou conhecido por realizar produções luxuosas e excessivamente detalhistas, como o lendário Ouro e Cobiça (“Greed”, 1924), quando quase matou sua equipe ao filmar por semanas no deserto do Mojave. Acabou com um filme de 7 horas de duração, retalhado posteriormente pelo estúdio para uma versão com um terço da metragem.

Em Esposas Ingênuas, von Stroheim escreve, dirige e atua numa espécie de “alta comédia”. Três vigaristas se passam por nobres russos em Monte Carlo, tentando passar a perna num casal americano. O orçamento teria estourado cinco vezes seu valor original, e cada centavo aparece na tela: nos “sets” que reproduzem a capital de Mônaco, seus cassinos e suas luxuosas mansões.

Ressalte-se a habilidade natural que von Stroheim tinha com a câmera. A decupagem das cenas está à frente do seu tempo, com a sucessão de planos médios e closes narrando eficientemente a história com pouca necessidade de cartelas. O roteiro é enxuto, apesar da duração (2h20). Infelizmente, com a exceção do personagem central, o resto do elenco é de personagens caricatos e menos brilhantes que seu protagonista. Fica a dúvida se o filme seguraria o público caso tivesse a extensão desejada por seu diretor: entre seis e dez (!) horas.

Von Stroheim era megalomaníaco ou visionário? Fico com a segunda opção.

 

O colunista convidado:

   Diogo Almeida nasceu em Natal em 1980. Ainda gosta de cinema.

 

Posts relacionados
  • 9 mar 2018
  • 0
#EraDosGigantes No dia 7 de março, chegou ao Amazon Prime Brasil o documentário Brasileiro #EradosGigantes. Dirigido por Maurício Costa,  este documentário independente abre as portas...
  • 2 jan 2018
  • 1
Prosseguindo nossa jornada das listas de melhores do ano, chegou a hora de discutir quais foram as dez melhores séries de 2017! Esta lista foi...
  • 13 abr 2017
  • 0
Martírio tem importância inquestionável como registro histórico diacrônico e sincrônico sobre a questão indígena no Brasil. Do ponto de vista documental, a combinação entre a...