Netflixing: Blue Jay (2016) – Cinema em um parágrafo
Blue Jay é uma pérola de sensibilidade e sutileza como narrativa de um romance fracassado. Mark Duplass e Sarah Paulson têm a química perfeita como casal e nos entregam interpretações comoventes, capazes de nos fazerem sentir como se estivéssemos presenciando aquela conversa. E não se trata de um elogio vazio, já que o filme se baseia quase exclusivamente na interação dos dois personagens. Tudo no filme funciona perfeitamente; a fotografia em preto e branco cria a atmosfera de nostalgia que caracteriza aquele reencontro fortuito, a trilha sonora não é invasiva e se destaca tanto diegética quanto não diegeticamente, e a direção é sutil, mas atenta à simbologia nos mínimos detalhes. O primeiro instinto nos leva a comparar Blue Jay com a série de filmes de Richard Linklater ( Antes do Amanhecer, Antes do Pôr-do-Sol e Antes da Meia-Noite), mas o filme tem muito mais ecos da obra de Woody Allen, não o Allen dos últimos 20 anos, mas aquele de seus primeiros trabalhos, capaz de realizar obras primas como Annie Hall e Manhattan. Não se trata da emulação da técnica, mas, sim, da mesma capacidade de refletir um espirito de época sobre relacionamentos, nos moldes  de 2016. Nota 5/5

Quer mais críticas sobre romances?

O BEBÊ DE BRIDGET JONES – CINEMA EM UM PARÁGRAFO

UM NAMORADO PARA A MINHA MULHER (2016) – CINEMA EM UM PARÁGRAFO

A ROSA PÚRPURA DO CAIRO

Posts relacionados
  • 17 out 2016
  • 0
Terra Estranha, primeiro longa da diretora australiana Kim Farrant, teve sua estreia mundial na mostra competitiva do Festival de Sundance 2015. Estrelado por Nicole Kidman...
  • 31 jan 2020
  • 0
  Softie / Kenya (Director and Screenwriter: Sam Soko) Boniface “Softie” Mwangi has long fought injustices in his country as a political activist. Now he’s...
51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
  • 16 set 2018
  • 0
O Razão de Aspecto começa mais uma cobertura do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, agora na 51ª edição. No primeiro dia gravamos comentando sobre...