Rainha de Katwe (2016) – Cinema em um Parágrafo
Rainha de Katwe usa o Xadrez para contar uma bela história de pertencimento e superação.

A Rainha de Katwe, para o bem ou para o mal, tem um claro verniz Disney. Aqui, a mensagem engrandecedora se sobrepõe à história clichê e a alguns movimentos óbvios. O filme traz elementos tão incríveis que só podem ser reais. A vida de Phiona gera uma boa metáfora com o xadrez, esporte que a consagrou: o pequeno (peão) se torna grande (a rainha).  O jeito lúdico como ela aprende o jogo emociona. Alguns momentos ficam acelerados, e a direção, por vezes, não dá conta de acalmar. Isso fornece um bom ritmo, mas a trama acaba prejudicada. Contudo, não diminui o carisma e a empatia com a protagonista. Sem dúvidas, torcemos e nos importamos com ela. O subtexto da prostituição gera situações tensas, porém aliviadas pelo já citado fator Disney. O foco, todavia, é o pertencimento, especialmente em como ela se relaciona de modo ambíguo com a cidade natal. Se está precisando de um longa feel good, esta é uma boa pedida. Nota 4/5.

Quer mais Cinema em um Parágrafo e cinebiografias? Confira:

Michelle e Obama

Raça

Amanda Knox

Posts relacionados
  • 5 jul 2019
  • 0
Melhores filmes de junho. Grandes filmes chegaram aos cinemas brasileiros em junho de 2019, das mais variadas origens, línguas e gêneros. Neste mês, temos um drama...
  • 31 jan 2019
  • 0
Honeyland / Macedonia. In a deserted Macedonian village, Hatidze, a fiftysomething woman in a bright yellow blouse and green headscarf, trudges up a hillside to...
Sundance
  • 24 jan 2018
  • 1
Com um pouquinho de atraso colocamos no ar o 4 dia do Festival de Sundance 2018. O nosso enviado especial Maurício Costa viu 4 filmes:...