A DESPEDIDA(2014) – CINEMA EM UM PARÁGRAFO
No mundo perfeito, A Despedida teria sido sucesso de público e crítica, seria considerado um clássico, e Nelson Xavier teria vencido o Oscar. Infelizmente, este filme doce, sensível e melancólico passou em branco pelas salas de cinema, após esperar mais de dois anos pela distribuição. O mercado é injusto, mas a vida também é injusta, não é mesmo? Tudo no filme funciona: a fotografia privilegia os enquadramentos fechados nos ambientes internos, para destacar como pequenas rotinas podem ser dolorosas na velhice, com planos gerais nos ambientes abertos, para destacar o contraste entre o velho e a juventude da cidade que não para; o uso do som na construção do personagem foi surpreendente; Nelson Xavier e Juliana Paes formam um casal que, apesar do contraste de idade e de viço, nos convence de seu amor e de seu respeito mútuo; o diretor e roteirista Marcelo Galvão mostra total controle da narrativa e conduz o público a uma jornada sobre vida e morte, amor e decadência, memória e realidade. Um filme imprescindível para quem ama o cinema, a vida e, em certa medida, a nostalgia e a melancolia. Nota 5/5.
Leia a ficha técnica aqui
Posts relacionados
  • 14 out 2017
  • 1
Ontem a noite a temperatura em Brasília estava em torno de 1645234 graus, com sensação térmica de inferno derretido. Meus ventiladores de teto estavam ligados...
  • 7 jan 2016
  • 1
E com Star Wars – O Despertar da Força alcancei a meta de 400 filmes em 2015, no dia 19 de dezembro! QUATROCENTOS FILMES. Nunca...
51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
  • 17 set 2018
  • 0
No terceiro dia do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foram exibidos, na Mostra Competitiva, 3 filmes: dois curtas (Liberdade e Sempre Verei Cores...