GAME OF THRONES – SEXTA TEMPORADA – EPISÓDIO 7: THE BROKEN MAN (COM SPOILERS!)
ALERTAEsta crítica contém spoilers. Proceda à leitura por própria conta e risco.
Confira a ficha técnica do episódio aqui
 
 
 
——————————————————————————————————————-
Lyanna Mormont e Peixe Negro são os meus novos personagens favoritos em Game Of Thrones. Ponto, novo parágrafo.
O episódio 7 da temporada nos reservou grandes surpresas, ainda que essas surpresas confirmem algumas teorias em voga nas redes sociais, especialmente o retorno do Cão de Caça. Mais uma vez, tivemos desenvolvimentos na Jornada de Arya, a presença dos Greyjoy em Volantis, a caminho de Meeren, a chegada de Jamie Lannister a Correrio e a preparação da “fuga” de Lady Olena. Particularmente, considerei o este o melhor episódio da temporada tanto por aquilo que mostrou quanto por aquilo que deixou implícito. Vamos tratar de uma coisa de cada vez.
Primeiro, as coisas, digamos, menos importantes do episódio: como todos já imaginávamos, Margaery tem um plano. A passagem de Yara em Volantis rendeu uma cena tragicômica com seu irmão Theon e nos explicou o óbvio: Os Greyjoy buscarão um acordo com Daenerys. Uma coisa me ocorreu: haverá algum envolvimento amoroso e/ou sexual entre Yara e a Filha da Tormenta?
A jornada de Jon, Sansa e Sir Davos pelas casas do Norte fracassou. Azor Aha…, digo, Jon Snow, conseguiu apenas o apoio de poucas casas com poucos homens, embora o surgimento de Lyanna Mormont e seus 62 homens tenha rendido a introdução de um personsagem interessante e uma das melhores cenas de toda a série, tanto pela capacidade da atriz mirim quanto pelo humor negro dos roteiristas. Nossa nova heroína, de dez anos de idade, deverá ter um grande papel reservado nos próximos episódios. Será que Geroge Martin e a equipe da HBO teriam coragem de transformá-la em um nova versão de Oberyn Martell, ao nos fazer apaixonar pela personagem para, em seguida, matá-lo em prol da narrativa dramática? Espero sinceramente que não, mas não duvido de nada em GoT. Eu gostaria de ver Lyanna ganhando espaço e desenvolvimento nos próximos episódios e nas próximas temporadas. Além disso, mais uma vez, o Starks terão de confiar em Lorde Baelish. Sansa vai pedir a ajuda de seu “amado”, finalmente, com o exército dos Lorde do Vale.
Em Correrio, Peixe Negro deu uma demonstração de força de e personalidade, a recusar o acordo proposto do Jamie Lannister. Este núcleo promete grandes desenvolvimentos, porque as Terras Fluviais são o cenário para um dos personagens mais esperados de toda a saga: Lady Stoneheart. Para os leitores das Crônicas de Gelo e Fogo, todos os ingredientes estão colocados- Brienne estará nas Terras Fluviais e Jamie Lannister também. Além disso, temos o desenvolvimento do novo núcleo de Sandor Clegane, o Cão de Caça, “convertido” à fé militante.
O núcleo do Cão de Caça foi o que mais teve tempo de tela neste episódio, e, mais uma vez, não foi incidental. O retorno desse personagem está diretamente vinculado ao desenvolvimento de três núcleos distintos, com base em diferentes teorias e com as indicações do próprio episódio:
a) Neste episódio, o acampamento da fé militante foi dizimado pela Irmandade Sem Bandeiras, cujos três representantes aparecem e reconhecem Sandor, que, convenientemente ou milagrosamente, escapa do massacre. Quem lidera a Irmandade Sem Bandeiras? Lady Stoneheart, nossa querida Catelyn Stark ressuscitada por Thorus de Myr, sedenta de sangue  e de vingança. Temos, então, Terras Fluviais, o septão enforcado, no melhor estilo da Lady, Jamie Lannister e Brienne e a Irmandade… Bem, Lady Stoneheart vem por aí!
b) Segundo algumas teorias, o Cão de Caça “convertido” seria o representante da fé militante no julgamento por combate de Cersei, quando buscaria a vingança de seu irmão, o Montanha, agora na versão zumbi. Se essa teorias se confirmar  e se virmos o julgamento por combate ocorrer nesta temporada, possivelmente veremos a morte do Cão de Caça sem a sua vingança ou, mais improvável, a queda de Cersei. Avaliando narrativa e dramaticamente, a morte do Cão de Caça seria dramática e permitiria o andamento da história de Cersei, mas a vitória da fé militante no julgamento levaria a uma virada incrível na trama: Tommen manteria sua convicção de união da fé e da coroa, colocando em risco sua mãe?
c) Teremos um possível reencontro de Arya com o Cão de Caça? Não creio que tenha sido mera coincidência que este episódio se tenha concentrado nesse núcleos, inclusive alternando diretamente as cenas em algumas passagens. O destino de ambos os personagens podem e parecem estar ligados, e a narrativa dá indícios dessa ligação.
Por fim, chegamos novamente a Braavos e o destino de Arya Stark. O ataque sofrido pela menina que tem um nome foi, paradoxalmente, surpreendente e imprevisível. Surpreendente, pela forma como ocorreu: Arya parecia estar subestimando o fato de que era perseguida por uma assassina treinada; previsível, porque esse confronto será inevitável. O destino de Arya suscitou duas teorias. Vamos a elas.
A primeira teoria acredita que Arya colocou-se em risco propositalmente, auxiliada pela trupe do teatro. Assim, a menina que tem um nome criou uma falsa ida a Westeros e , sabendo que estava sendo seguida, preparou-se para se atacada com uma bola cenográfica de sangue de porco. O fato de estar na ponte, em uma altura cujo salto não seria fatal, teria sido proposital, de forma a acreditarem que elas estaria morta. O rastro de sangue não deixaria dúvidas sobre o seu destino. Não que Arya tenha escapado ilesa, mas, graças à preparação, os ferimentos não teriam sido fatais, e ela fugirá com a trupe de teatro. Particularmente, esta é a minha teoria favorita, porque atribuem à personagem a força e a inteligência necessárias para a sua jornada de vingança.
A segunda teoria pode ser chamada de teoria “Clube da Luta”. Segundo seus defensores, Waif seria… a própria Arya! Assim, a pequena Stark sofreria de um transtorno dissociativo, e estaria ocorrendo uma luta para a eliminação de uma das identidades. Waif querendo dominar o terreno e Arya resistindo. Essa teoria se baseia em alguns indícios, como o fato de que o o homem sem rosto sempre pede que Waif saia do recinto para falar com Arya e que somente Arya e o Homem Sem Rosto a veem. Nunca há outra pessoa no ambiente. Além disso, se pensarmos bem, ambas têm semelhanças físicas… Sinceramente, espero que esta não seja a resposta para o destinode Arya Stark. Se, no filme de David Fincher, esse recurso introduziu uma grande novidade, em GoT, significaria um recurso pouco orgânico, que tiraria toda a força do sofrimento e da superação da personagem. Porém, Em GoT tudo pode acontecer.
Feliz ou infelizmente, com a demora da publicação de Ventos do Inverno, GoT tornou-se apenas um excelente seriado de TV, cuja narrativa e seus desdobramentos se estão tornando mais previsíveis, em função do pensamento coletivo de milhões de fãs. George Martin dificilmente conseguirá dar um desfecho que não tenha sido previsto nas redes sociais. E, sim, haverá quem fique indignado, mas este é o preço de alcançar um público de dezenas de milhões de pessoas.
Posts relacionados
  • 20 fev 2017
  • 2
A 13ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos diz, em sua primeira Seção: “Não haverá, nos Estados Unidos ou em qualquer lugar sujeito a sua jurisdição,...
  • 4 jun 2018
  • 1
AVISO !!! ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS DO  SÉTIMO EPISÓDIO DA SEGUNDA TEMPORADA DE WESTWORLD  ——— xxx ———- As análises dos episódios anteriores podem ser encontradas aqui....
  • 2 fev 2017
  • 1
Armas na Mesa vale mesmo pela protagonista otimamente encarnada por Jessica Chastain.   Ficha técnica: Gênero: Drama Direção: John Madden Roteiro: Jonathan Perera Elenco: Alexandra Castillo,...