Tudo por um Popstar (2018) – Crítica
Tudo por um Popstar

Tudo por um Popstar tem uma proposta teen. Problema nenhum nisso. Ainda mais que o livro que se baseia o filme é escrito pela Thalita Rebouças. Ela tem um olhar carinhoso para essa faixa etária e já teve várias adaptações para o cinema (as mais famosas É Fada! e Fala Sério, Mãe!). Ou seja, o longa possui um público-alvo bem marcado. O possível sucesso de bilheteria, contudo, não mede qualidade cinematográfica. E neste ponto, infelizmente, há diversas falhas.

O mote é simples, até ingênuo, três meninas, Gabi (Maísa Silva), Manu (Klara Castanho) e Ritinha (Mel Maia) querem ir no show da banda que elas são fãs, a Slavabody Disco Disco Boys. Para isso irão se meter em altas encrencas, junto com a prima de uma delas, a Babette (Giovanna Lancellotti) e o Vlogueiro Bily Bold (Felipe Neto).

Três problemas centrais permeiam Tudo por um Popstar, questões que de certo modo estão interligadas: excesso de clichês, facilitações e situações sem sentido (ou que forçam muito a suspensão da descrença). Em suma, o grande problema aqui é o roteiro, sim mesmo sendo um filme infanto-juvenil temos que exigir um mínimo de coerência neste quesito, afinal antes de ser um filme teen é um filme.

Por exemplo, a solução que supostamente sana todos os problemas e faz com que as meninas viagem é frágil e não resolve de fato – a história simplesmente ignora os poréns postos pelo próprio filme. Quando vemos as meninas circulando ao bel prazer no hotel lembra um que de farofa dos filmes dos trapalhões. Já a parte do show e o que vem depois é um completo erro. A atuação da segurança não faz sentido, o deslocamento (ou falta dele) não faz sentido, o epílogo não faz sentido…

Tudo por um Popstar

E por falar em não faz sentido, um dos chamarizes do filme é o Youtuber Felipe Neto (não faz sentido é o nome de um quadro que tinha no canal dele). Aqui ele parece se divertir no papel e faz uma versão afetada dele mesmo. Como atuação o papel não o desafia, já que de certo modo está na zona de conforto, mas ainda assim ele cumpre bem esta quase paródia. O personagem, apesar de viradas simples (aí a justificativa de ser infantil cabe) é uma das melhores coisas do filme.

Neste quesito, e agora falando do núcleo principal, quem também vai bem e a atriz Klara Castanho. A jovem já tinha feito um bom trabalho em É Fada!  Do time adolescente é a que imprime maior naturalidade. Coisa que infelizmente não vemos nas outras atrizes. Já os adultos estão fora de tom. É fato que o texto ajuda em nada e a falta de direcionamento tampouco, mas não dá para isentar o elenco. E algo que me desagrada demais são os números musicais. Como há necessidade de um tratamento grande em estúdio as vozes são tão distorcidas que quase não se reconhece. Se quer fazer um filme com essa pegada ou coloca quem dá conta de cantar ou confia em quem contratou.

Tudo por um Popstar é muito quadrado. Há uma brincadeirinha envolvendo os três pais no começo, mas nada além. Tudo por um Clichê seria um título mais honesto. Da bombinha de ar da personagem mais nerd, passando pelo show final e até a queda na piscina (há uma máxima que diz que se uma arma é mostrada no primeiro ato, ela será usada no filme. O mesmo dá para dizer de piscinas em filmes do gênero).

Reitero o que falei no começo: há vários elementos que vão conquistar a criançada e até alguns mais velhos. Uma pena faltar cinema, já que temos exemplos de filmes com esse foco, mas que pensam além.

O trailer, veja clicando aqui, dá exatamente o tom proposto no filme, mas revela alguns detalhes da trama

Not rated yet!

Tudo por um Popstar

Overview

A banda pop masculina Slavabody Disco Disco Boys, febre entre as mocinhas de todo o Brasil, anuncia que irá tocar no Rio de Janeiro. Fãs de carteirinha do grupo, as adolescentes e melhores amigas Gabi (Maísa Silva), Manu (Klara Castanho) e Ritinha (Mel Maia) farão de tudo para que seus pais deixem que elas saiam da cidade em que moram e vão assistir ao show do grupo.

Metadata
Director Bruno Garotti
Writer
Author
Runtime
Country  Brazil
Release Date 11 outubro 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 6    Média: 2.8/5]