SUBURBICON (2017) – Crítica
Posters para ""

Suburbicon tem uma narrativa refinada, baseada no sarcasmo e na crítica social ao american way of life. Esse refinamento resulta em um filme pouco convencional (ou esquisito, para ser mais direto), perturbador e que divide opiniões. Nos EUA, Suburbicon teve péssima recepção de público e crítica, talvez pela expectativa provocada por um filme dirigido por George Clooney e escrito pelos geniais e premiadíssimos irmãos Coen, talvez pela crueza da narrativa, combinada com uma linguagem visual idílica. Desta vez, coloco-me no polo oposto á opinião geral, porque vejo em Suburbicon um toque de genialidade que, possivelmente, será reconhecido daqui a alguns anos – como já ocorreu com tantos outros fracassos de público e crítica nos cinemas que se tornaram clássicos.

Em Suburbicon, temos duas tramas paralelas, ambientadas no condomínio paradisíaco da classe média suburbana branca. De um lado, o assassinato da esposa de Gardner Lodge (Matt Damon) e a suposta relação do crime com a máfia; de outro lado -literalmente, porque são vizinhos -, os efeitos da chegada dos Meyers, a primeira família negra de Suburbicon. O elo entre as duas tramas é a amizade entre os dois jovens de doze anos, que ignoram, até certo ponto, as implicações dos eventos que os cercam.

Se, em um primeiro momento, as tramas parecem não se relacionar diretamente, ao se analisar mais profundamente, percebemos a crítica mordaz à hipocrisia e aos valores que fundamentam a sociedade estadunidense. O que chama mais a atenção: a chegada de uma família negra ou uma série de crimes cometidos da porta pra dentro da casa de uma família tradicional? Quais são os segredos que essa suposta família feliz, típica de comercial de margarina dos anos 1950, guarda no armário -ou, neste caso, no porão? Suburbicon brinca com essas perguntas, ao oferecer respostas indiretas e sarcásticas, porém contundentes.

As atuações de Matt Damon, como protagonista, e Juliane Moore – que interpreta duas personagens – são caricatas no tom certo da mordacidade que Suburbicon demanda, enquanto o excelente Noah Jupe (o Jack will, de Extraordinário) consegue transmitir a perda da inocência do jovem adolescente naquele “paraíso” atingido, pela primeira vez, pela criminalidade. “Nada disso acontecia antes da chegada dos Meyers”, diz uma moradora em certo ponto do filme, porque, em Suburbicon, a aparência de vida perfeita -nos padrões da sociedade americana branca dos anos 1950- era o que dava segurança aos moradores.

Se a crítica dos EUA detestou esse filme perspicaz – como era de se esperar dos criadores -, a causa é a sutileza narrativa e a proposital exploração de estereótipos no desenvolvimento dos personagens. Não me rendo à críticas negativas a Suburbicon: um filme perturbador e cômico na dose certa.

 

Not rated yet!

Suburbicon

Overview

Suburbicon, 1959. Quando uma invasão de domícilio se torna mortal, a família aparentemente perfeita de Gardner Lodge (Matt Damon) se submete à chantagem, vingança e traição, gerando um rastro de sangue que mancha o suposto paraíso.

Metadata
Director George Clooney
Writer Ethan Coen, Joel Coen, George Clooney, Grant Heslov
Author
Runtime
Release Date 26 outubro 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]