Os Farofeiros (2018) – Cinema nacional não é só isso! – Crítica
Os Farofeiros

Há uma cena em Os Farofeiros onde os personagens vão ao cinema ver um filme nacional e um deles  afirma que filme nacional só tem besteira, só fala de sexo e que os personagens não agem assim no mundo real (crítica que muitos erroneamente fazem). Imediatamente o filme dentro do filme reproduz exatamente aquela fala. O objetivo? Além da piada ruim… é a auto-indulgência. Depois de usar com abundância toda a sorte (pra nosso azar) de gags sexuais, palavrões e sim, diálogos é artificiais (até para um filme de comédia), esta linha meio que tenta lavar as mãos e dizer que filmes brasileiros são isso só mesmo.

Mas o ponto principal é: não, não cinema nacional não é só isso. O filme na tentativa de se justificar mostrou um desconhecimento (ou no mínimo uma piada muito fraca) sobre o resto do nosso cinema – esse “resto” é justamente tudo aquilo que Os Farofeiros não é. Há muita qualidade em diversas produções. Se você duvida veja a nossa lista com os 10 melhores filmes nacionais de 2017. E muitos outros poderiam compor aquele ranking. Para os “irmãos” de Os Farofeiros veja a nossa dos piores nacionais de 2017 e entenda a que filmes este se assemelha.

Os Farofeiros

Crítica não é guia de consumo. Mas vamos lá: se você quer rir e o teu tipo de humor coincide com os longas citados na lista de piores e/ou no trailer de Os Farofeiros, então você vai se divertir. Agora se você quer um FILME de comédia, onde os elementos cinematográficos tem valor, então esta não é uma obra para você.

O foco aqui é uma história pífia com desculpas esparradas para movimentar a trama. É uma ligação que muda tudo, alguém que ouve uma conversa na hora certa ou pior: uma narração sem sentido na redação de “como foram as minha férias”. Esses elementos estão ali para juntar 4 casais com uma penca de crianças em uma casa caindo aos pedaços. Os personagens gritam, batem-se e se xingam a cada momento. Eles têm profundidade zero, são apenas uma representação tosca de um esteriótipo banal.

O nível das piadas passam por um homem urinando em outro, a sexualização de uma menina de 15 anos e genais tropeções com pessoas caindo em piscinas. Sem contar que muitas dessas piadas “morrem” na cena seguinte, onde as consequência do que aconteceu somem. Ou seja, vira a piada pela piada, com zero sentido narrativo.

Os Farofeiros

Aliás, sentido é uma palavra que passa longe aqui. Como uma criança pode narrar acontecimentos que não estava presente? Por mais que ele tenha mudado algumas coisas, não são falas que ela pensaria. Que grupo ante a chegada em uma casa caindo aos pedaços simplesmente resolve reformar o local (pintando paredes, por exemplo) sendo que só vão ficar duas noites? Ou ainda personagens (inclusive os principais) que entram e saem conforme o roteiro precisa para a mais básica conveniência.

Sem contar com a “hilária” cena onde dois mosquitos conversam entre si. É sério, isto está no filme e até serve como metonímia para o todo: sim, Os Farofeiros pode ser visto como algo que incomoda pelo barulho, suga tudo que pode de uma bunda e te faz se sentir um tonto correndo de um lado para outro.

Not rated yet!

Os Farofeiros

Overview

Ao decidirem alugar uma casa de praia para passar algum tempo, quatro famílias brasileiras consideradas da classe média baixa acabam se metendo em uma cilada.

Metadata
Director Roberto Santucci
Writer
Author
Runtime
Country  Brazil
Release Date 8 março 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 8    Média: 3/5]