O Sacrifício do Cervo Sagrado (The Killing Of a Sacred Deer, 2017) – Crítica
Posters para ""

O Sacrifício do Cervo Sagrado dividiu o público e a crítica quando do lançamento, no Festival de Cannes 2017. Assim como Mãe!, o novo filme do talentoso diretor grego Yorgos Lanthimos tem faz uma abordagem provocadora, amparada no crescente senso de tensão, que culmina em uma narrativa aterrorizante sobre as nossas responsabilidades e as consequências dos nossos atos. Co-escrito por Lanthimos e pelo roteirista Efthymis Filippou – repetindo a parceria que recebeu a indicação ao Oscar de melhor Roteiro original por O Lagosta -, O Sacrifício do Cervo Sagrado conta uma história de vingança.

Assim como em O Lagosta e no mais recente filme escrito por Efthymis Filippou – Pity, que comentei na cobertura do Festival de Sundance 2018 – O Sacrifício do Cervo Sagrado aposta em interpretações robóticas, sem a expressão de emoções, com falas quase taquigrafadas, mas que, ao mesmo tempo, expressam sentimentos e emoções profundas como se fossem informações banais. Medo, angústia, coragem, covardia, amor, ódio, dor e indecisão são expressados de forma monotônica, resultando em um estranhamento incômodo para o espectador, tão incômodo que pode perder o interesse do público em função da necessidade de aceitação do absurdo – em tese – da postura daqueles personagens. Tudo parece depender, falsamente, de cálculos meramente racionais.

Em contraste com a inexpressividade monotônica proposital das interpretações, os personagens são bem desenvolvidos e aprofundados em suas motivações. Colin Farrel interpreta o Dr. Steven Murphy com a mesma intensidade (ou falta dela) de O Lagosta, homem que está diante de uma escolha impossível; Nicole Kidman entrega uma Anna Murphy roboticamente desesperada (sim, isso é possível); Raffey Cassidy interpreta Kim Murphy com a dissimulação necessária para tentar sobreviver; e Sunny Suljic interpreta o caçula Bob Murphy com a fragilidade e a sensibilidade na medida certa para um personagem, digamos, fundamental para a trama. O maior destaque do elenco, porém, é o jovem Barry Keoghan, que interpreta Martin, o protegido de Steven Murphy – ainda que por razões inexplicáveis, até o fim do segundo ato. Keoghan entrega um personagem meigo e louco, frio e intenso, racional e emotivo, violento e covarde- sim, um personagem paradoxal – em busca da sua vingança pessoal.

Como suspense, O Sacrifício do Cervo Sagrado segura a tensão  com base no estranhamento, até alcançar o terror psicológico, quando a narrativa atinge o ápice da sua capacidade de perturbar o espectador. Não duvido que muitas pessoas não consigam suportar – no sentido de lidar com ela, não no de desgostar – o que veem na tela e deixem a sala de sinema. Porém, se você gosta de histórias perturbadoras, este é o filme certo para você.

Se tivesse sido lançado no Brasil em 2017, O Sacrifício do Cervo Sagrado teria sido o melhor filme do ano lançado no Brasil, na minha lista pessoal, e certamente figuraria entre os dez melhores filmes do ano na lista do Razão de Aspecto. Claro, não se trata de um filme fácil, muito menos de um filme comercial, mas tem grandes méritos narrativos e temáticos. Um grande filme capaz de gerar grandes polêmicas.

Not rated yet!

O Sacrifício de Um Cervo Sagrado

20172 h 01 min
Overview

O Dr. Steven Murphy (Colin Farrell) é um renomado cirurgião cardiovascular que habita uma imaculada casa com a sua esposa oftalmologista, Anna (Nicole Kidman), e os seus dois filhos exemplares: Bob, de 12 anos (Sunny Suljic), e Kim, de 14 (Raffey Cassidy). Nas margens desta idílica existência suburbana vive Martin (Barry Keoghan), um adolescente orfão de que Steve cuida em segredo. Quando o jovem começa a insinuar-se na vida pessoal do médico, em ocasiões progressivamente mais inquietantes, tornam-se claras a suas intenções e Steven é confrontado com uma transgressão há muito esquecida que destroi para sempre a felicidade doméstica dos Murphy.

Metadata
Director Yorgos Lanthimos
Writer Yorgos Lanthimos, Efthymis Filippou
Author
Runtime 2 h 01 min
Release Date 20 outubro 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 1    Média: 5/5]