O Estado das Coisas (Brad’s Status, 2017) – Crítica

O Estado das Coisas (essa tradução…) é o típico exemplar de uma dramédia. Com um claro lado humorístico, exemplificado na figura do protagonista Ben Stiller (que apesar de ter filmes mais sérios, tem como marca o humor), o longa também é calcado em reflexões sobre a crise dos 50 anos (ou 47, como ele mesmo frisa) e na relação pai e filho.

A trama acompanha Brad (Stiller) que está atrás de uma universidade para o filho. Nessa busca ele acaba tendo que interagir com antigos amigos de faculdade que estão mais bem-sucedidos. Vale a ressalva que a vida de Brad não é das piores, o que gera um riso do público, dá para classificar como o tal do white people problem (problema de gente branca).

Basicamente todo humor e drama são tirados dessa situação. Seja no absurdo de uma reclamação sem fundamento, seja na simples falta de trato em como lidar com o filho. Com uma dose aceitável de esteriótipos e clichês, O Estado das Coisas consegue cativar já nas primeiras cenas. Há uma opção, corajosa, em colocar muita narração. Normalmente não gosto do recurso, mas aqui ele se presta a uma boa expressão dos pensamentos de Brad que não faria sentido expor de outra forma…

Na parte técnica, a trilha quase sempre acompanha o texto e dá um ar fluido e sacaninha bem condizente com a proposta. A montagem consegue se equilibrar entre o ágil sem descambar para o caótico. A fotografia não tem grande destaque, não vemos aqui grandes arroubos, mas sabe usar bem a mise-en-scène de forma simples e eficaz. Em filmes dessa natureza, por vezes, é importante não atrapalhar. Uma invenção aqui ou acolá poderia romper com o engajamento.

Os dilemas levantados não são revolucionários ou grandes filosofias, mas até surpreendem considerando a proposta despretensiosa do filme. Sem ficar pedante ou com ares de auto-ajuda, o Estado das Coisas consegue ir nessa linha sem perder o fio narrativo ou mesmo a pegada mais leve. Parte do mérito está na atuação do Stiller junto com o jovem Austin Abrams, que faz o filho dele. A dupla vende carisma e entrega a tal da verdade que muito se procura nas atuações. A cena na lanchonete onde o filho revela os interesses acadêmicos mais ousados ou mesmo as cenas no hotel à noite são belos exemplos.

O elenco de apoio também está digno:  Michael Sheen, Luke Wilson e Mike White trazem um bom humor e canastrice aos amigos, enquanto Shazi Raja faz o filme respirar com jovialidade e confrontando o personagem de Stiller.

Entenda: não espere um grande cinema, mas uma sessão bacaninha (perdão pelo adjetivo genérico). Se você tiver filhos ou na idade do protagonista poderá se ver na tela e ter uma boa identificação secundária. Seria uma versão mais velha e masculina do De Volta Para Casa, também em cartaz.

Not rated yet!

Brad's Status

Overview

Brad (Ben Stiller) possui uma carreira lucrativa e uma vida familiar feliz, mas isso não é o bastante. Ele está obcecado em ser o mais bem-sucedido entre os seus ex-colegas de escola, mas, durante um reencontro com um velho amigo, ele é forçado a ignorar seu sentimento de inferioridade e rever seus conceitos.

Metadata
Director Mike White
Writer Mike White
Author
Runtime
Release Date 15 setembro 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]
  • Maurício Costa

    To a fim de ver esse filme. 🙂