Meus 15 Anos (2017) – Crítica

Sabe aquela história do adolescente com poucos amigos no colégio e por algum motivo passa a andar com a turma popular e após uma decepção, temos uma lição de moral sobre o importante é ser você mesmo? Pois bem, pegue esse plot manjado, acrescente a atriz Larissa Manoela – que desde Carrossel atrai uma legião de fãs – e temos Meus 15 Anos….

Bia (Larissa Manoela) entre os mais populares é tímida, mas conta com alguns poucos amigos fiéis: Bruno (Daniel Botelho) e o pai interpretado pelo ótimo Rafael Infante. A inscrição em um concurso que ela inicialmente não queria participar, mas que acabou vencendo, fez com que ela ganhasse uma super, hiper, mega festa de debutante (sonho de várias meninas, mas que não era o de Bia…). Tal evento faz surgir diversas “amizades”. E o longa é basicamente a preparação para a festa, com as tradicionais picuinhas entre adolescentes, e a festa em si, com direito a uma apresentação da cantora Anita.

Vamos as (poucas) coisas boas: Rafael Infante é disparado quem entrega as melhores cenas. Toda vez que está em tela é um desafogo para a traminha besta, mesmo que as coisas que ele faça sejam bestas, mas é de um humor simples e caricatural que funciona e vem como um oásis de carisma em meio a mesmice do resto. Infante dá vida a um pai dedicado e delicado. Os momentos iniciais e um abraço na festa justificam os adjetivos. Outro mérito de Meus 15 Anos é que a festa tem o tempo preciso, suficiente para ocorrer confusões e emoções (mesmo que rasas). Diferente de um A Bailarina, onde a dança final tem segundos…

Se a duração do terceiro ato é elogiável, o mesmo não se aplica ao primeiro e principalmente o segundo. A coisa se arrasta por muito mais tempo que o necessário e tem uns 20 minutos de sobra (o total do filme é 1h40, mas parece ser mais…). Muitos personagens entram e saem com o objetivo de criar mais arcos – alguns um tanto desnecessários e tirando tempo das melhores relações, como a de Bia e o pai e dela com o amigo Bruno.

Este longa conta com dois públicos principais, que na maioria devem formar um só: fãs da atriz Larissa Manoela e pré-adolescentes. Isso importa, pois o filme não se preocupa em momento algum em fazer algo além daquele foco. Se algum familiar mais velho acompanhar a sessão pode se sentir um pouco entediado. Os jovens entre 10-15 podem se identificar e relevar os problemas.

Dentre as falhas contamos com a síndrome de Malhação (comum também em filmes americanos do gênero) : atores mais velhos interpretando adolescentes. Bruno Peixoto, que faz o galã Thiago, tem 22 anos. O contraste especialmente dele com a protagonista é tão absurdo que tem uma hora que ela parece o Simba sendo levantado, na clássica cena do Rei Leão. A sensação de pequenez, de que a personagem é miúda ante o mundo dos pops, soa artificial. O jeito arrastado de andar, os óculos e livros na mão são apenas clichês baratos.

Todo o arco dos personagens é muito previsível, chuto que até para os mais jovens – a cena inicial revelar o que acontece no final é a prova que até os responsáveis pelo filme estavam admitindo isso (tal recurso de flashback é sem função aqui). Eu Fico Loko, biografia do youtuber Christian Figueiredo, é bem melhor realizado estruturalmente, só para citar um filme voltado para uma faixa etária parecida. Caroline Okoshi Fioratti dirige o primeiro longa da carreira, ela tinha experiência com curtas e seriados. Aqui o trabalho dela é pouco proveitoso e não dá conta de ir além do material original, que imagino ser bem pobre.

A participação da Anita tem até mais importância na história do que eu previra, apesar da aparição dela ser curta. Mas no fim é só para chamar o público da cantora do momento..E Meus 15 Anos é isto: um grande fan service para os fãs da Larissa Manoela, Anita e cia…renderá adjetivos de “maravilhoso”, “emocionante” e coisas como “o filme da minha vida”. Para uma geração até pode ser, mas como cinema é muito simplório…

Not rated yet!

Meus 15 Anos

Overview

Aos quatorze anos de idade, Bia (Larissa Manoela) descobre que vai ganhar uma grande festa de quinze anos. Mas tem um problema: a garota sonhadora e apaixonada por música não tem muitos amigos para convidar ao evento, por ser pouco popular na escola. Ela conta com a ajuda do único grande amigo, Bruno, e do pai Edu, para consertar a situação.

Metadata
Writer
Author
Runtime
Country  Brazil
Release Date 22 junho 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 17    Média: 2.8/5]
  • Maurício Costa

    Deixa os filmes para pré-adolescentes serem pré-adolescentes Lucas! kkk

    • Lucas Albuquerque

      E onde eu disse que não podem ser? Porém acho que “pré” não se encaixa aqui, já que boa parte do elenco são atores de vinte anos fazendo personagens do terceiro ano (17-18 anos). Basicamente só a Larissa Manoela e um amigo dela são do primeiro ano, 15 anos…