Gaby Estrella – O Filme (2018) – Crítica
Gaby Estrella

Gaby Estrella foi um seriado voltado para o público infanto-juvenil e teve três temporadas na TV. Dado o sucesso, nada mais do que justo ter uma adaptação para o cinema. O foco deste texto, contudo, é apenas a expressão cinematográfica.

Veja também as nossas críticas de Fala Sério, Mãe! e Meus 15 Anos

Vale desde já deixar claro um ponto: um filme tem que funcionar sozinho. Mesmo que boa parte do público já venha do seriado, não se pode ignorar quem vai “seco” ver o filme, são expressões diferentes.

Infelizmente Gaby Estrella – O Filme não tem essa preocupação. A introdução da personagem se restringe a uma cena dela bebê. O conflito com a prima (um dos motes centrais da trama) não é explicado. Personagens, possivelmente conhecidos do público, entram e saem de cena sem pudor. Fica difícil criar um vínculo a partir do que o filme se propõe.

Gaby Estrella

Mas esse é apenas um dos defeitos (e nem o mais grave) de Gaby Estrella. A narrativa é dispersa. Toda hora abrindo uma frente nova. Começa com Estrella tendo que superar uma nova rival, depois vai para a avó doente, aí entra a prima (também rival), um reality show com amigos antigos, interesse amoroso, uma festa da cidade, um festival maior…

Tudo é posto de forma atropelada e sem desenvolvimento. É uma sequência de desafios atrás da outra para deixar o filme frenético. Além disso, parte desses momentos tem falhas de verossimilhança. O dono da gravadora negociando diretamente com a menina. As visualizações dos vídeos crescendo de maneira bizarra. A falta de repercussão de certos atos/redenção porque sim. E um famigerado helicóptero em um recurso de deus ex machina.

Os personagens são extremamente rasos. A vilã é vilã apenas. O galã é galã apenas. O desastrado é desastrado apenas… A mãe aparece e some da história do nada. A avó está lá para ficar doente e passar “missões” para as netas. O núcleo infantil para ter gags vazias e sem sentido, além de tentar criar uma identificação capenga com quem tem menos de 10 anos.

A caricatura também incomoda. A vilã veste preto e tem uma maquiagem pesada. A cena dela ao pé do ouvido de outro personagem é vergonhosa. O empresário tem roupas exageradas e a personalidade dele não acrescenta em nada.

O arco da protagonista também é vazio. Por mais que ela tenha variações são mudanças dentro de um espectro completamente marcado e, portanto, previsível. Mas a atriz Maitê Padilha também não ajuda. A jovem faz praticamente a mesma cara o filme inteiro. A alegação de pouca idade não é válida, vide  Valentina Herszage no filme, também nacional, Mate-me Por Favor (entregando uma das grandes atuações daquele ano). Ou então tantos e tantos exemplos estrangeiros… Para Maitê, falta expressão, direcionamento e conseguir tornar os diálogos naturais.

Gaby Estrella

Por falar em naturalidade, na parte musical, logo na primeira aparição temos um playback fora de sincronia e com efeitos vocais artificiais. Curioso que o longa brinca com esse fato para dar uma lição em uma personagem, mas ele mesmo usa esse artifício (no final -e não há spoiler aqui – vemos as vozes com menos efeitos e o resultado é muito mais positivo).

A montagem, além de atropelada, é inconsistente. Tem hora que parece que faltou cena e em outros momentos sobra. Tire o momento na feira ou então o personagem do interesse amoroso. A ausência não prejudica em nada a história. Enquanto essas cenas sobram, os pontos que ajudariam em um contexto/vínculo que mencionei no começo desta crítica ficam sem resposta.

Mas de fato a coisa mais pobre aqui é o texto. Frases como “Sejam vocês mesmas” ou “as coisas acontecem quando tem que acontecer” compõe um rol de filosofia barata. Ou então a avó falar umas 4 vezes: “todos têm que ajudar na fazenda”. Por essas e outras parece que Gaby Estrella duvida da inteligência do próprio público (ou seja, não fique com raiva de mim por falar mal de alguém que você goste, fique com raiva do filme por te tratar daquele jeito).

Novamente: a desculpa de que se trata de um filme infantil não cabe. Touro Ferdinando, uma animação para uma idade inferior ou equivalente a de Gaby Estrella, acredita muito mais em quem está assistindo ao não explicar cada movimento.

Talvez no formato televisivo, as recorrentes explicações, mais episódios para ajudar no desenvolvimento e com outras pretensões, possa funcionar. Sem desmerecer o sucesso prévio, fato é que Gaby Estrella – O Filme é pobre e nada estrelar.

Not rated yet!

Gaby Estrella

Overview

Depois do grande sucesso no mundo da música, a adolescente Gaby Estrella começa a sofrer com a concorrência de um novo ídolo teen, Natasha. Para voltar às paradas de sucesso, ela precisa voltar as suas origens, na cidade do interior Vale Mirim.

Metadata
Director Cláudio Boeckel
Writer
Author
Runtime
Country
Release Date 18 janeiro 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 5    Média: 2.6/5]
  • Maurício Costa

    Teremos treta na nossa página no facebook! hahahaha

    • Lucas Albuquerque

      possivelmente, mas não faço de propósito… não tenho culpa que o filme foi isso hehe