Em Pedaços (Aus dem Nichts/In the Fade, 2017) – Crítica
Em Pedaços

Em Pedaços esteve na pré-lista dos 9 indicados para Melhor Filme Estrangeiro – uma espécie de semi final (estiveram na lista e também não chegaram lá: Foxtrot, Felicité e Os Iniciados). Além disso, o longa ganhou o Globo de Ouro e passou pelo Festival de Cannes também com sucesso. Mas será que era pra isso tudo mesmo? Eu adoraria fazer um trocadilho com o título e dizer “em pedaços”, mas ao comparar com os concorrentes, não consigo entender esse clamor todo – até consigo, típico caso onde o tema atrai mais olhares que as qualidades cinematográficas em si.

Diane Kruger está na pele de Katja Sekerci, uma mulher que após uma tragédia familiar vai ao tribunal em busca de tentar entender o que ocorreu e de justiça. O primeiro ato basicamente serve para colocar as repercussões do luto além de plantar uma sementinha sobre os possíveis criminosos. A virada funciona, mas esse primeiro momento já traz algumas cenas e personagens além da conta. Esticando, portanto, mais do que precisava.

Em Pedaços

No segundo ato, Em Pedaços vira de fato um filme de tribunal. Curioso que na lista final do Oscar tivemos O Insulto que também vai nessa linha, mas é bem melhor realizado, talvez isso tenha pesado contra aqui. A vantagem do filme libanês é que lá os lados são melhor desenvolvidos e a tensão é crescente e recheada de reviravoltas (você simpatiza por todos, até pelos advogados). Aqui é tudo muito esquemático, a voz dos algozes não é ouvida e a própria relação advogado cliente sobra na trama.

Já no trecho final, sem dar spoiler, a coisa muda de modo brusco. Não vou dizer exatamente o que acontece, mas parece outro filme. Se o começo já tinha me perdido, o final rompeu de vez. Há algumas soluções que soam novelescas (no pior sentido) e melodramáticas (idem). Há um momento final que acaba boicotado por uma decisão anterior e por uma movimentação de câmera posterior – que reforça os tons novelescos e melodramáticos a que eu me referi. Para ligar os arcos, Em Pedaços traz ainda uma divisão capitular que não acrescenta em nada.

Em Pedaços

O subtexto da questão das drogas funciona bem. Gera alguns dilemas, movimenta a trama, especialmente nos dois terços inciais, além de dar uma camada a mais para os envolvidos. Isso acrescenta bem mais que o próprio tema central que fica muito carregado na questão. Já os personagens secundários se relacionam de modo muito caricatural com ambos os assuntos.

A montagem usa de trechos de filmagens familiares para reforçar o vínculo, como se a motivação principal não fosse suficiente. As sequências além de redundantes tentam apelar para um sentimentalismo barato. Por exemplo, a fotografia, explorando o claro e escuro, são bem mais produtivas nesse sentido.

Outro elemento positivo é a atuação de Diane Kruger. Premiada em Cannes, a atriz compõe o drama da personagem com presença, fluidez e potência. Quando o momento depende só dela, o filme cresce. Mesmo com as decisões do roteiro não a beneficiando, nota-se a transformação da personagem com um vigor fundamental aqui.

Not rated yet!

In the Fade

20171 h 40 min
Overview

Após cumprir pena por tráfico de drogas, o turco Nuri Sekerci (Numan Acar) leva uma vida amorosa e tranquila com a esposa Katja Sekerci (Diane Kruger) e o filho Rocco na Alemanha. Certo dia ele e o menino estão no escritório e morrem vítimas de uma explosão criminosa, tragédia que deixa Katja sem chão. Ela batalha na justiça pela punição dos culpados, um casal neonazista, e, insatisfeita com o desenrolar do caso, decide pela vingança com as próprias mãos.

Metadata
Director Fatih Akin
Writer Fatih Akin
Author
Runtime 1 h 40 min
Country  France Germany
Release Date 23 novembro 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]