Detroit em Rebelião (Detroit, 2017)

Detroit em Rebelião, novo filme da  oscarizada diretora Kathryn Bigelow, conta a história dos cinco dias de intensos protestos e violência em Detroit, em 1967, resultado de ataque policial à população negra. Trata-se de um dos maiores tumultos na história dos Estados Unidos, levando à federalização da Guarda Nacional de Michigan e ao envolvimento de duas divisões aéreas do Exército americano. A tensão racial explodiu em um nível poucas vezes registrado.

Detroit em Rebelião tem uma linguagem visual interessante, que mistura animação, imagens de arquivo dos eventos da época (filmagens, fotos e reportagens de TV) e a dramatização da vida dos personagens envolvidos no principal evento a ser contado: o assassinato de três negros cometido pela polícia, no Motel Algiers. Assim, Detroit em Rebelião ganha um tom documental que torna toda a narrativa crua e realista.

Ao privilegiar planos fechados, Kathryn Bigelow coloca o espectador na mesma situação angustiante e sufocante daqueles personagens, imersos em um contexto violento, confuso e perturbador. Além disso, o uso frequente de câmera na mão, especialmente nas cenas da delegacia, dão ao filme tom semelhante ao de episódios clássicos de Law and Order, nos anos 1990 – e não faço essa comparação de forma jocosa, pelo contrário, trata-se de um recurso para lá de inteligente para os objetivos de Detroit em Rebelião. Além disso, apesar de se inspirar na linguagem televisiva, Detroit em Rebelião é uma obra de qualidade cinematográfica ímpar. A sequência principal, dentro do Motel Algiers, que ocupa dura cerca de uma hora, é uma aula de construção de tensão, de interpretação e de enquadramento.

Detroit em Rebelião tem como pontos fracos, ou, melhor dizendo, menos bem desenvolvidos, o roteiro e a montagem. Na tentativa de seguir e apresentar os diversos personagens que estarão envolvidos na invasão ao Motel Algiers, o roteiro acaba dedicando mais tempo a personagens que teriam menos relevância na trama e menos tempo a personagens que cumpririam papel mais importante para os desdobramentos daquele evento. Além disso, o filme se alonga no terceiro ato, ao optar por cenas que, em certa medida, comprometem a dramaticidade dos eventos históricos. A mesma história de 2h23min de duração poderia ter sido mais bem contada com cinte minutos a menos, com uma montagem mais dinâmica e econômica.

 

O elenco de Detroit em Rebelião tem um desempenho acima da média, com destaque para Will Pouter,  no papel do policial racista, John Boyega, no papel o guarda de segurança negro Melvin Dismukes e, principalmente, Algee Smith, no papel do cantor Larry Cleveland – quem descobrimos, tardiamente, ser o protagonista da trama. Cada um deles faz uma construção de personagem impecável, jamais unidimensional, mesmo quando se trata dos policiais que cometeram os crimes.

 Detroit em Rebelião é mais uma obra de qualidade sobre os conflitos raciais nos Estados Unidos, na esteira dos excelentes documentários Eu Não Sou seu Negro e a 13ª Emenda e, claro, de diversas obras clássicas do cinema estadunidense sobre o tema. Trata-se de um filme feito nos Estados Unidos e para o público dos Estados Unidos, o que explica, em grande medida, as escolhas de roteiro e montagem. Detroit em Rebelião não é um novo Mississipi em Chamas, mas tem seu valor como obra cinematográfica e como crítica social.

Posters para "Detroit"

© 2017 Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) − All right reserved.

 

 

Not rated yet!

Detroit em Rebelião.

20172 h 23 min
Overview

Duas noites após o início dos motins de Detroit, o relato de um tiroteio nas proximidades de uma zona controlada pela Guarda Nacional fez com que o Departamento de Polícia de Detroit, a Polícia Estadual do Michigan, a Guarda Nacional do Michigan e um segurança privado invadissem e controlassem um anexo do vizinho Motel Algiers. Desrespeitando as regras em termos de procedimentos, vários polícias interrogaram de forma enérgica e perversa hóspedes do motel, levando a cabo um “jogo de morte”, numa tentativa de intimidar e levar alguém, fosse quem fosse, a confessar.

Metadata
Director Kathryn Bigelow
Writer
Author
Runtime 2 h 23 min
Release Date 28 julho 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]