Círculo de Fogo: A Revolta (Pacific Rim: Uprising, 2018) – Crítica
Posters para "Batalha do Pacífico: A Revolta"

Círculo de Fogo: A Revolta chega, cinco anos depois, para dar continuação ao divertido, eficiente original filme criado, escrito e dirigido por Guillermo del Toro, em 2013. Escrito por Del Toro, John Spauhts e Travis Beacham e dirigido por Steven S. DeKnight. essa produção sofre do problema de todas as continuações que pretendem ampliar o universo de uma obra anterior, criada por um grande diretor que não retornou para a segunda versão. Ainda que Del Toro tenha participado como co-roteirista e produtor, Círculo de Fogo: A Revolta tem menos viço cinematográfico, menos consistência narrativa, personagens menos envolventes, mas, ao mesmo tempo, consegue divertir e engajar o público naquele instigante universo de Jaegers, Kaijus e do apocalipse cancelado.

Quer mais críticas de filmes de ação? Leia também:

Transformers: O Último Cavaleiro

Planeta dos Macacos: A Guerra

Kong: A Ilha da Caveira

O principal ponto fraco de Círculo de Fogo: A Revolta está no roteiro, cujos diálogos expositivos, clichês de filmes de ação e superficialidade no desenvolvimento dos personagens prejudica não somente o desenvolvimento da história, mas também as atuações. John Boyega e Cailee Spaeny conseguem tirar leite de pedra como protagonistas, muito mais pelo carisma de suas personalidades do que pela qualidade do texto. Burne Gorman e Charlie Day, por sua vez, deveriam ser o alívio cômico no papel dos cientistas, mas, desta vez, não provocaram nem alívio nem foram cômicos como se pretendia, o que nos leva ao próximo problema do roteiro… as piadas quase nunca encaixam, as punch lines não funcionam e a comicidade se perde na falta de timing. Por outro lado, o roteiro não tem somente defeitos: a trama tem um plot twist  inteligente (não se preocupem, não darei spoilers) que liga esta continuação à narrativa original.

Neste ponto, você deve estar pensando: ‘este filme é uma bomba!”. Chegou a hora do plot twist da crítica.

Com todos os defeitos e com a visível perda de qualidade em relação ao primeiro filme, Steven S. DeKnight é muito competente na direção das cenas de ação, e as lutas dos robôs gigantes contra monstros gigantes e de robôs contra robôs são muito bem filmadas. Ainda que se tenha aumentado a velocidade da montagem, Círculo de Fogo: A Revolta  não se torna um Transformerso espectador consegue acompanhar cada golpe, ter senso de orientação espacial, sentir cada golpe e se integrar, metaforicamente, claro, aos Jaegers em cada duelo. Com uma fotografia mais clara do que o original, resultado de muitas cenas filmadas à luz do dia, e um jogo de câmeras ágil – incluindo movimentos circulares, travellings e contra plongés que dão a dimensão do gigantismo dos robôs e monstros-, associados a efeitos visuais de qualidade (nada digno de Oscar), Círculo de Fogo: A Revolta supera as expectativas e envolve, intensamente, o espectador. Não foram poucas as vezes que me peguei apoiado na cadeira da frente (estava vazia, não fui mal educado), de olhos arregalados, engajado e quase dando socos no ar, como se estivesse vendo a luta de Rocky Balboa contra Apollo Creed.  Trata-se, portanto, de uma filme claramente despretensioso narrativamente, mas que cumpre seu objetivo de divertir.

Se você está buscando uma reflexão profunda sobre o fim do mundo, Círculo de Fogo: A Revolta não é o filme para você. Por outro lado, se você quer ver um bom filme de ação de ROBÔS GIGANTES CONTRA MONSTROS GIGANTES, então Círculo de Fogo: A Revolta é a escolha certa para sair do cinema satisfeito, alegre, após um filme leve, que ganha seus contornos de Independence Day como um blockbuster B, mas muito divertido.

 

Not rated yet!

Circulo de Fogo: A Revolta

20181 h 51 min
Overview

O conflito global entre os monstros de outro mundo, apelidados de Kaiju, e os Jaegers, as super-máquinas pilotadas por humanos, construídas para os eliminar, foi apenas o prelúdio para o assalto final à humanidade. Em "Batalha do Pacífico: A Revolta", John Boyega ("Star Wars: O Despertar da Força") é o rebelde Jake Pentecost, um outrora promissor piloto de Jaegers que viu o pai dar a vida para garantir a vitória contra os Kaiju. Jake abandonou o treino e foi apanhado pelo submundo do crime. Quando uma ameaça ainda mais imparável começa a destruir as cidades e coloca o mundo a seus pés, a sua irmã Mako Mori (Rinko Kikuchi) dá-lhe mais uma oportunidade para seguir o legado do pai. Mako lidera uma nova geração de pilotos que cresceu durante a guerra. Enquanto procuram justiça para os que morreram, a sua única esperança consiste em permanecerem unidos numa resistência global contra as forças que pretendem eliminá-los.

Metadata
Writer
Author
Runtime 1 h 51 min
Release Date 21 março 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 1    Média: 2/5]