Alfa (2018) – A história de origem da amizade homem e “cão” – Crítica
Alfa

Você já viram diversas histórias de origem. E possivelmente já assistiram, também, várias outras envolvendo o homem e o bichinho de estimação, notadamente cães. Alfa une os dois universos, a saber: como poderia ter iniciado a tão falada amizade dos humanos com caninos. O foco aqui se dá no encontro de Keda (Kodi Smit-McPhee) e o lobo Alfa.

A relação começa com Keda sendo iniciado pelo pai na caça, detalhe importante: a trama se passa há 20 mil anos. Não tarda para uma matilha ocasionar a separação do nosso protagonista do resto da tribo, o que faz com que ele, após ser dado como morto, ter que se virar. E como vocês devem imaginar, logo é desenvolvida o tão famoso laço entre antigos inimigos.

A premissa, infantil, não é problema algum a priori. Agora tudo ao redor dela é extremamente problemático. Vamos começar do começo. Uma narração que se pauta em frases clichês – algo que vai se perpetuar nos diálogos ao longo da obra – acho que na realidade o filme não é o origem da relação homem-bicho, mas a origem dos famigerados processos de Coaching/auto-ajuda.

alfa

Embalado nesse discurso batido, tão saturado quanto é o visual. A proposta escolhida de artificializar cria um ambiente que destoa e fica uma “beleza” vazia. Por vezes o filme se pega na tentativa de explorar mais as paisagens do que o desenvolvimento em si. E isso ocorre fundamentalmente, pois o roteiro é fraquíssimo.

A aventura é condizente com a narração, abusando-se dos já mencionados clichês. Calcado na jornada do herói, temos aquele velho check list de situações que o protagonista vai passar. A recusa, o aliado, os obstáculos e o amadurecimento. Apesar de o personagem flutuar e terminar a jornada diferente do que começou, tudo ocorre dentro de um espectro previsível e nada desafiador para o público.

Exige-se ainda uma gigante suspensão de descrença. Tal crítica cabe a ressalva do gênero, contudo, alguns momentos são difíceis de engolir e soam mais como um artifício conveniente para puxar uma emoção forçada do que algo inerente do tipo de filme. Evito aqui comentar de modo detalhado para preservar a experiência de vocês – não é porque achei horrível que darei spoilers gratuitos e não quero privá-los de ir reparando nos possíveis furos, a única diversão ali pra mim.

alfa

Outro ponto negativo é a montagem. No primeiro ato já temos a história travada por um flashback que pretende segurar a atenção do público, mas seria tão de graça (ou sem graça, no caso) quanto os spoilers que eu evitei dizer no parágrafo anterior. No decorrer de Alfa os acontecimento também se acavalam e tiram até a pouca força que o filme poderia ter. Apesar de correr em alguns momentos, há um fenômeno curioso: o filme consegue se incrivelmente arrastado para apenas 1h30. O ritmo se assemelha mais a um programa de TV do que propriamente um filme em si.

Contudo, não será difícil este filme encontrar adeptos que irão se emocionar (mas aí entra na linha de um Beleza Oculta ou Tudo e Todas as Coisas). Como agravante, a sessão para jornalistas e até onde eu sei TODAS as sessões no Brasil, serão dubladas, o que torna o ruim ainda pior. Por falar em pior, a lista dos piores do ano estará mais disputada que a de 2017….

 

Not rated yet!

Alpha

20181 h 36 min
Overview

Uma aventura épica passada na Idade do Gelo, que nos conta uma história fascinante e visualmente deslumbrante, e ilumina as origens do melhor amigo do homem. Durante a sua primeira caçada com o grupo de elite da sua tribo, um jovem é ferido, devendo então aprender a sobreviver sozinho no deserto. Nesse caminho confronta-se com um lobo solitário abandonado pela sua alcateia que acaba por tornar-se um aliado improvável. No processo de domação do lobo pela sua alcateia, o par aprende a confiar um no outro, ultrapassando inúmeros perigos e adversidades, a fim de encontrar o caminho de volta para casa.

Metadata
Director Albert Hughes
Writer
Author
Runtime 1 h 36 min
Release Date 17 agosto 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 1    Média: 2/5]