A Sereia: Lago dos Mortos (Rusalka: Ozero myortvykh, 2018) – Crítica
A Sereia: Lago dos Mortos

Tales de Mileto é considerado o primeiro filósofo ocidental. Para ele “tudo era água”. Mas ao contrário do sábio grego, que vislumbrava a água como o absoluto, o diretor russo Svyatoslav Podgaevskiy faz absolutamente nada de relevante com a substância. Apesar dela estar presente o tempo todo em A Sereia: Lago dos Mortos. E isso se deve justamente por faltar substância ao fazer cinematográfico de Podgaevskiy.

Quem não está associando o nome a pessoa (e não te culpo), ele foi o diretor do famigerado A Noiva. Longa que esteve no nosso pódio (e no meu topo) dos piores filmes de 2017. E uma coisa é inegável: há um estilo que ele segue, uma marca. Vemos muita semelhança entre os dois filmes: desde a narração inicial para explicar o universo, passando pela mitologia jogada fora, ideias estúpidas, a atriz Victoria Agalakova (“musa” do diretor), a montagem amadora (e digo que melhorou em relação ao anterior) e um terror calcado em penumbra e jumpscare.

A Sereia: Lago dos Mortos

A história aqui é um pretexto para qualquer coisa. A mitologia da “sereia” – que soa quase genérico usar a entidade, fui até no tradutor verificar se o título original era sereia mesmo, e era… O casal aborrecido e coadjuvantes sem viço embarcam nesse mundo nada convidativo. Há um esforço dos atores para se levar a sério, mas a tarefa é árdua.

E aqui vale um à parte, a análise das atuações fica completamente comprometida – e o filme como um todo – por conta da dublagem. Tal qual no A Noiva e no colega russo Os Guardiões, alguém teve a brilhante ideia de dubla o filme em inglês… Ou seja, os atores mexendo a boca no idioma original, o som em inglês e as legendas em português. Para piorar, o trabalho é, com a licença da palavra: porco. Falta sincronia, interpretação e qualidade do som.

A repetição do slogan da entidade “você me ama”, a repetição das visões, a repetição da correria pra lá e pra cá sem motivo, a repetição das tentativas de sacrifício, a repetição da repetição neste texto não dá o tom do quão ruim é.

A despeito de algum valor de produção em um ou dois momentos, Svyatoslav Podgaevskiy realmente viu vários filmes do gênero e algumas referências ficam claras, mas o famigerado bordão intenético de “viu errado” se aplica aqui….

Infelizmente eu só vi A Sereia: Lago dos Mortos esta semana, caso contrário seria favoritaço a entrar na nossa lista dos piores filmes de janeiro de 2019. O poster, que está na capa deste texto, é disparado a melhor coisa….

 

Not rated yet!

The Mermaid: Lake of the Dead

20181 h 30 min
Overview

Uma sereia malvada se apaixona por Roman, noivo de Marina, e tenta mantê-lo longe dela em seu Reino submerso. Marina terá apenas uma semana para superar o medo do oceano, lutar com monstros e se manter viva e na forma humana.

Metadata
Director Svyatoslav Podgaevsky
Writer
Author
Runtime 1 h 30 min
Country  Russia
Release Date 12 julho 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 0    Média: 0/5]