A PROMESSA (The Promise, 2016) – Crítica – Razão : de : Aspecto
Posters para "The Promise"

Em 1915, enquanto o mundo voltava suas atenções para os conflitos da I Guerra Mundial, acontecia no Império Otomano (que, grosso modo, viria a se tornar a Turquia) uma onda de perseguições sistemáticas, prisões, deportações e assassinato do povo armênio, etnia minoritária na região. Em A promessa, filme dirigido pelo norte-irlandês Terry George (o mesmo de Hotel Rwanda e Traídos pelo destino) o genocídio armênio serve de cenário para um triângulo amoroso formado pelo estudante de medicina armênio Mikael (Oscar Isaac), a encantadora Ana (Charlotte Le Bon) e jornalista norte-americano Chris Meyers (Christian Bale).

Vindo de uma pequena cidade do interior, Mikael usa o dote de seu noivado com Maral (Angela Sarafyan, de Westworld) para estudar medicina em Constantinopla, então capital turco-otomana. Na casa de seu tio, onde passa a morar, Mikael conhece Ana, uma jovem armênia criada em Paris, namorada de Chris, que se percorre o país em busca de registrar e denunciar a situação armênia. Na faculdade de medicina, Mikael se torna o melhor amigo de Emre, filho de uma alta autoridade turca. Mikael se apaixona por Ana, mas, em meio à crescente perseguição aos armênios, acaba ele mesmo enviado para um campo de trabalhos forçados.

A partir daí temos um grandioso romance proibido que procura resistir à tragédia da guerra. É um tema recorrente no cinema. Substitua aqui o palco europeu pela Turquia, os nazistas pelos turcos e os judeus pelos armênios. Os clichês (aqui, no bom sentido) estão todos lá: encontros e desencontros de Guerra, coragem e virtude em face da catástrofe, barbaridades contra uma minoria oprimida  às vésperas do extermínio, algumas pessoas esclarecidas que dão apoio aos fugitivos…  a receita está toda lá.

O elenco está afiadíssimo. A química entre Isaac e Le Bon convence (e até os dentes irregulares da atriz dão ar me mais realismo e simpatia ao filme), e é muito bom ver Christian Bale em um papel mais contido.  Com direito a pontas do nível de Tom Hollander, Jean Reno e Rode Serbedzija, A promessa transmite ares de filme clássico. Financiado pelo bilionário de origem armênia Kirk Kerkorian (cuja família passou por eventos análogos aos do filme), a obra tem uma produção primorosa, uma reconstituição de época e valores de produção incomuns para filmes não hollywoodianos.

O filme peca um pouco pela duração|montagem. Mesmo não sendo tão longo, há claramente cenas que poderiam ser editadas em favor do ritmo do filme. Uma outro traço que poderia incomodar, um certo super-heroismo dos Estados Unidos, desta vez corresponde a realidade dos fatos – uma determinada cena envolvendo o Embaixador norte-americano, mais próxima do fim do filme, é real. Embora flerte com o pieguismo em alguns momentos, o filme não se deixa escorregar de vez – mas leve seu lenço por precaução.

O governo da Turquia recusa a palavra “genocídio” para descrever o massacre iniciado em 1915. O tema ainda é controverso na comunidade internacional, em especial dada a importância da Turquia no tabuleiro de xadrez do Oriente Médio. Geopolítica à parte, A promessa é um filme necessário, muito bem feito e traz à cena uma passagem da história bem menos conhecida e discutida do que o caso judeu. O massacre de armênios na década de 1910 ganha agora seu filme de maior destaque.

 

Not rated yet!

The Promise

20172 h 13 min
Overview

Michael (Oscar Isaac) é um jovem armênio que sonha em estudar medicina, mas não tem dinheiro para arcar com os estudos. Por isso, ele promete se casar com uma garota de seu vilarejo, na intenção de receber o dote. Com o dinheiro em mãos, Michael viaja à Turquia e faz seus estudos durante os meses finais do Império Otomano. Neste contexto, conhece a armênia Ana (Charlotte Le Bon) e se apaixona, embora a professora namore o fotógrafo americano Chris (Christian Bale), enviado à Turquia para registrar o genocídio dos turcos contra a minoria armênia. Um triângulo amoroso se instaura em meio à guerra.

Metadata
Director Terry George
Writer Terry George, Robin Swicord
Author
Runtime 2 h 13 min
Release Date 21 abril 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 1    Média: 4/5]