A Noiva (Nevesta, 2017) – O “Se beber Não Case” dos Infernos – Crítica
  • 01
  • 11

A Noiva é uma produção russa de terror. Confesso não conheço a fundo a cena local no gênero. Mas não consigo crer que esse é um exemplar que reflita a qualidade média do país – e aqui será a última vez que usarei a palavra qualidade. Apesar de que, vale lembramos, o outro longa da Rússia que esteve em cartaz no Brasil em 2017 foi Os Guardiões – uma espécie de Vingadores, mas com todos os clichês mal colocados, sendo completamente pífio em todos os aspectos. O resultado em A Noiva é no mesmo baixo nível.

A abertura tem uma narração para explicar o universo da história. Como se não bastasse, somos convidados a um prólogo que torna a explicar. E todo e qualquer diálogo entre os personagens é nessa linha. Para arrematar, brota uma cena com um vídeo em um youtube genérico destrinchando mais uma vez. Fica a questão: eles fazem isso por não acreditar no próprio material e precisarem se auto convencer ou é apenas preguiça/incompetência? Arrisco que um pouco dos dois.

Há uma moral, bizarra, que evoca os ritos de casamento de forma análoga à tortura. Basicamente todo o filme é calcado nisso. A premissa, contudo, gera risos que uma comédia não daria conta. E sim, há elementos de se beber não case e não só refletindo a fama alcoólica do maior país do mundo…

A trama, pautada na tradição de fotografar pessoas queridas que morreram no intuito conservar o espírito delas, basicamente segue Nastya (Victoria Agalakova), uma jovem que vai conhecer a casa do futuro marido Vanya (Vyacheslav Chepurchenko). O local e a família são repletos de sombrios mistérios (uhuhuh).

É apresentado toda a forma de clichês: vultos que passam e quando se olha mais atentamente nada aparece, uma casa com várias passagens “secretas”, uma maldição com regras bizarras, crianças que dão aquele toque a mais em um misto de inocência e horror. Até aí, tudo ok. Annabelle 2 tem tudo isso e cumpre muito bem (para saber os motivos clique aqui).

A organização desses elementos e a harmonia com todo o resto é que pega… Primeiro comentário, um tanto alheio ao filme, mas que afeta até a minha percepção: a sessão para a imprensa foi dublada em inglês com legendas em português. Ou seja, ao invés de termos o áudio original em russo, com as interpretações devidas, tivemos uma coisa…

Sou contra qualquer tipo de dublagem. Ela mata a interpretação e afeta quesitos como a mixagem de som. Contudo, ressalva feita, digo que os dubladores brasileiros são competentes no que fazem (isso não torna a dublagem uma opção para mim). Já os dubladores americanos que eu vi aqui fizeram um trabalho aqui, com o perdão da má palavra, porco. Total falta de sincronicidade, interpretação chula e escolha ridícula de palavras. O áudio do noivo parecia que o cabo P2 estava mal conectado, havia um ruído constante…. Pareciam amadores. O mesmo problema foi verificado em os Guardiões, já citado aqui. Os responsáveis pelo filmes acham menos ridículo isso do que colocar os atores falando a língua deles?

Outro ponto, este já no intrínseco ao longa, cai na conta da revisão final da pós-produção. Se A Noiva merece uma nota zero, a montagem ganha uma cotação negativa. Erros primários de continuidade, movimentação e ritmo. Eu nunca coloquei a mão na massa para editar um filme, mas sabe a premissa errada do “não gostou faz melhor”? Neste caso digo sem medo: faço. Como ninguém da produção percebeu que em um plano o personagem está em um local e no corte seguinte ele está grosseiros passos atrás? Ou que a personagem cai e aparece em outro cômodo? Ou ainda atitudes que talvez tivesse sentido no roteiro, mas que o resultado é estapafúrdio….

A direção de arte imagina que só ter uma casa na penumbra, meio esfumaçada e lençóis no varal (é sério!) são suficientes para ter um clima de qualquer coisa. Além de tudo, tais elementos são mal aproveitados pela direção. Prestem atenção: a escada em filme de terror serve para derrubar alguém. Em A Noiva, a cena em questão é tão ridícula e mal montada que gera risos.

O que também faz rir é a trilha. Tem um momento no carro que era para ser romântico. Apela-se para uma câmera lenta e atuações completamente fora do tom, a canção que toca na hora remete a uma propaganda de absorvente. A trilha também é usada para o jumpscare mais ralo e que sequer consegue servir para dar o sustinho mais pueril.

A parte investigativa (momento para o kkkkkkkk) se resume a protagonista a ouvir conversas atrás da porta. Já as incorporações lembram, do modo patético, O Exorcista. Tem uma coisa, quase interessante, que envolve duplicação. Mas o recurso é desperdiçado e pouco explorado.

Um número considerável de filmes de terror possuem personagens com atitudes idiotas. Apesar de condenável, tal prática normalmente é aceita. Aqui não dá. A ideia central é infame. As atitudes correlatas, idem – mesmo o filme sendo débil, vou poupá-los de spoiler, contudo, prestem atenção nas cenas com o negativo da foto ou que tratem da virgindade ou ainda envolvendo o anel, todas têm erros graves de sentido e que poderiam ser resolvidos se os personagens não tivessem QI abaixo de zero.

Mas o erro deve ser meu. Buscar sentido, coesão, o mínimo de lógica ou construção em algo assim é esperar demais. Na lista dos piores do ano, surpresa, terão dois filmes russos. Espero que a Copa do Mundo nos entregue show melhor ano que vem…

OBS: há um epilogo que as falas dos personagens foge do aceitável… A relação deles com a casa é algo tão fora do razoável… seria o mesmo que você está em um esgoto e elogiar o cheiro… mas olha eu aqui querendo sentido novamente…

OBS²: à semelhança do ano passado, o filme de terro que é lançado aqui perto do Halloween é um dos piores do ano. Se A Noiva tem todos esses problemas, ela não fica muito atrás de Satânico, que chegou aqui no final de outubro de 2016.

Not rated yet!

Невеста

Overview

Nastya (Victoria Agalakova) é uma jovem mulher que viaja com seu futuro marido para a casa da família dele. Logo após chegar, ela percebe que a visita pode ter sido um erro terrível. Rodeada por pessoas estranhas, ela passa a ter visões horríveis à medida que a família do seu futuro esposo a prepara para uma tradicional cerimônia de casamento eslava.

Metadata
Writer Svyatoslav Podgayevskiy
Author
Runtime
Country  Russia
Release Date 19 janeiro 2017

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 6    Média: 2.3/5]
  • Maurício Costa

    Eu morro de rir das suas críticas exasperadas. Esta cabia num #sarcasmo! hauahauahaua

    • Lucas Albuquerque

      Eu sabia que tu ia se divertir, por isso perguntei se já tinha lido. Ela quase foi um #sarcasmo, ficou no meio termo hehe