10 Segundos para Vencer (2018) – A história de Eder Jofre – Crítica
10 Segundos para Vencer

O principal mérito de 10 Segundos para Vencer é apresentar o boxeador Eder Jofre (Daniel de Oliveira) para as novas gerações. Mas este é um valor histórico/esportivo e não cinematográfico. Infelizmente neste, o filme se perde em vários sentidos. Tanto que os momentos mais valorosos são quando vemos imagens de arquivo.

A necessidade de fazer uma espécie de check list da vida de Jofre, aqui representada da infância à disputa pelo segundo cinturão, tornam muitas passagens desnecessárias, principalmente no primeiro ato. Abraçado a este fato, temos diálogos sofríveis. Com generosas pitadas de auto-ajuda, o texto fica ainda mais fraco ao ser repetido a exaustão. Várias conversas são facilmente antecipáveis e cai em clichês absurdos. Quando lembramos que o roteirista é o mesmo do fraquíssimo Polícia Federal – A Lei é Para Todos

Outro problema em 10 Segundos para Vencer é a montagem, principalmente nas cenas de boxe, carro chefe aqui. Só para citar dois exemplos recentes, o longa Nocaute ou mesmo o nacional Mais Forte que o Mundo – A história do José Aldo, já nos mostraram o quão empolgante podem ser as lutas quando bem filmadas. Aqui a natural vontade de sair e dar uns socos não vem e isso ocorre pela falta de traquejo em como as lutas são filmadas e editadas. Muita câmera próxima e cortes em demasia (inclusive em tentativas de mostrar o público ou pai/técnico de uma forma que só ajuda ainda mais a quebrar o ritmo das trocações).

10 Segundos para Vencer

Mas as opções ruins não se limitam às cenas esportivas. Há várias inserções de flashbacks que acrescentam em nada (limitando-se a mostrar o menino Eder sorrindo). Ou então o velho truque de abrir com uma cena final de forma a fisgar o público, quando o efeito é só dar um spoiler para aqueles que não conhecem a história real. Graças aquele trecho o público ocasional sabe que aos 37 anos Jofre estará de volta aos ringues e disputando um cinturão.

Nos primeiro minutos de 10 Segundos para Vencer somos apresentados a vários personagens e o filme nos convida a nos engajarmos por eles. Mas logo os joga fora e ficamos com a sensação de tempo mal utilizado – e não só personagens, o fato dele desenhar míngua por completo. Se não era algo relevante por qual motivo dar tanto destaque? A relação com o empresário (com um alívio cômico incômodo) é outro momento que perde uns bons minutos.

A vida dupla de Eder vem mais como um obstáculo do que como camadas do personagem. O arco com a esposa é enjoadíssimo, o do irmão piegas e a relação com o pai/treinador é batida. As idas e vindas de Jofre cansam. É a velha dúvida de ficar mais tempo com a família ou pensar na carreira? Sem contar o velho hábito de tentar emocionar envolvendo criança e câncer.

10 Segundos para Vencer

Vale o destaque, agora positivo, para a fotografia de Lula Carvalho (que tem diversos trabalhos, inclusive internacionais, mas ressalto o nacional Bingo: O Rei das Manhãs). A iluminação variada sabe extrair o melhor de cada ambiente, em especial o lado de fora da casa de Cida (Keli Freitas), esposa do Eder Jofre, ou nos momentos que o protagonista se afasta dos ringues e a tristeza é vista mais pela fotografia (em uma paleta fria) do que por qualquer outro elemento.

O design de produção é outro que garante mais elogios ao 10 Segundos para Vencer. A academia de Kid Jofre (Osmar Prado) é um exemplar perfeito da decadência e da importância do sucesso de Eder (muito mais que um apelo à doença). No entanto, o trabalho nas passagens de tempo – e aí entra a crítica também à maquiagem – não é tão satisfatório. Em Eder até vemos um cuidado maior, nos demais nem tanto.

As atuações eu comento com especial pesar. Daniel de Oliveira e Osmar Prado, dois ótimos atores, aqui estão apenas caricatos e são os dois melhores (atores e atuações) do elenco. As atrizes femininas principais (Keli Freitas e Sandra Corveloni) são atrapalhadas pelo texto que coloca só frases dolorosamente ruins para a dupla. Já o elenco infanto juvenil é só sofrível mesmo.

Com uma história tão boa e com valor técnico é triste ver um longa tão recheado de senões. O filme sai grogue da batalha contra ele mesmo e 10 segundos não são suficientes para se reerguer desse auto-boicote.

Not rated yet!

10 Segundos Para Vencer

Overview

Conhecido como "Galinho de Ouro", por ter sido eleito o maior peso galo da história do boxe, Eder Jofre é considerado um dos maiores boxeadores de todos os tempos. Nem a infância difícil no bairro do Peruche, em São Paulo, conseguiu deter Eder, que se consagrou campeão mundial em 1961, nos Estados Unidos.

Metadata
Writer
Author
Runtime
Country  Brazil
Release Date 24 agosto 2018

Nota do Razão de Aspecto

 

O que você achou?

 
[Total: 2    Média: 3.5/5]