Todos os filmes de Star Wars, do pior ao melhor.

É inevitável. Depois de todo lançamento de um filme da franquia Star Wars, acabamos comparando o novo com o velho. Os últimos Jedi é uma continuação digna da saga? É melhor que O despertar da força ? Será o novo O império contra-ataca?

Para ajudar a comparação, e possivelmente atrair a fúria de milhões de fãs, vamos relembrar então todos os 9 filmes de Star Wars. Ou seriam 13? Hoje apenas 9 filmes são lembrados como canônicos pelo público. Mas antes do lançamento de A ameaça fantasma a distinção do que era oficial não era tão clara. Vários livros, revistas em quadrinhos e vídeos eram lançados, alguns feitos por fãs, outros feitos por profissionais. Dentro deste Universo expandido temos três longas-metragem feitos para TV. Um especial de natal, e dois centrados nos ewoks. Além disto, a animação A guerra dos clones teve uma versão de 98 minutos editada para o cinema no ano de 2008. E é considerada parte do univeso canônico hoje.  Não vejo por que excluir estes 4 filmes da lista de filmes de Star Wars.

Então que tal analisarmos 40 anos de cinema de Star Wars? Segue a lista dos treze longas-metragem da franquia, classificados do pior até o melhor.

13- The Star Wars Holyday Special (1978)

O menos conhecido da lista. Mas todos os que sabem da existência deste filme, preferiam não saber. George Lucas já declarou que se ele pudesse, destruiria todas as cópias deste filme com uma marreta. Carrie Fischer comentou que exibia este filme na casa dela quando queria expulsar convidados.

Exibido uma única vez nas televisões dos Estados Unidos e Canadá em 1978, e nunca lançado em VHS ou qualquer outro formato, Holiday Special foi uma tentativa de manter o interesse do público em Star Wars antes do lançamento do segundo filme da franquia. Contando com boa parte do elenco do primeiro filme (que na época se chamava apenas Star Wars, e no Brasil Guerra nas Estrelas), o filme tem a “brilhante” ideia de mostrar a família de Chewbacca aguardando nosso wookiee favorito chegar em casa para comemorar o “Dia da Vida”, uma espécie de natal wookie.

Com isto temos várias longas cenas de wookies conversando. Isto mesmo, coisas como 5 minutos de “wrarrrrmmm” e “errrm”. Mas o constrangimento piora com coisas como o pai de Chewie ganhar de presente uma máquina de realidade virtual masturbatória, ou a Carrie Fischer cantar a capela para uma platéia de wookies, aparentemente bêbada (a atriz, não a personagem). Como curiosidade, é neste desastre que temos a primeira aparição de Boba Fett, em uma animação dentro do filme igualmente constrangedora. Existem coisas que são tão ruins que ficam ótimas. Este não é o caso. Nota: 1/5.

Se você ainda tem vontade de assistir algo natalino de Star Wars, sugiro esquecer o especial e ficar com o vídeo abaixo, muito melhor:

12 – Caravana da Coragem (1984)

 

O retorno de Jedi foi sem dúvida um grande sucesso, mas não recebeu os mesmo elogios de Uma nova esperança O império contra-ataca. O principal motivo? Ewoks. Colocar uma espécie de ursinhos carinhosos no meio de um filme de Star Wars pareceu um modo barato de vender brinquedos, e uma aquisição esquisita para o universo da franquia. Então que tal reforçar a idéia de vender brinquedos para crianças com um filme para televisão centrado nos ewoks? Má ideia? Com certeza.

Em Caravana da coragem temos o prazer de vermos muito mais daqueles atores enfiados em uma fantasia esquisita, com olhos de botão e lábios que não se mexem, tentando nos convencer a comprar bonecos ao sair da sala de cinema. Apesar de todo o esforço, não, eles não são fofos nem engraçados. Mas este spin-off de Star Wars é tão ruim que os ewoks são o menor de seus problemas.

Quase todo o filme se passa com os ewoks tentando ser fofos e guerreiros atravessando uma floresta, com crianças sendo irritantes e não heróicas, para entregá-las a seus pais. No meio do caminho temos um esforço imenso de fazer coisas comuns parecerem mágicas, e coisas mágicas parecerem comuns. Em que momento da história de Star Wars este filme se passa? Tanto faz entre os episódios V e VI, mas não dá para ver nenhuma relação.

Assisti o filme algumas vezes na Sessão da Tarde, em torno dos meus 12-14 anos. Deu sono na época. Hoje é irritante. O único filme da franquia que consegue ter atuações infantis pior que A ameaça fantasma. Nota: 1,5/5

Voce ainda acha ewoks fofos? Repense:

11- Star Wars II – Ataque dos clones (2002)

A disputa pelo pior filme oficial da franquia é acirrada. Difícil de decidir entre A ameaça fantasma O ataque dos clones. Mas o episódio II é um pouco pior que seu predecessor, em parte pelas lições não aprendidas, e em parte por que os méritos presentes na trilogia prequel tem muito mais impacto no primeiro filme.

Depois de anos afastado do cinema, George Lucas volta a franquia que o levou ao status de semideus em 1999. E em todos os 3 filmes de sua trilogia prequel podemos ver um padrão: um excelente uso da computação gráfica, em níveis nunca antes usados no cinema, e um descaso com roteiro, e com qualquer coerência com a série clássica. Apesar dos três primeiros episódios sofrerem duras críticas, uma coisa deve ser lembrada: A ameaça fantasma, e em menor grau, O ataque dos clones A vingança dos Sith mudaram a forma como Hollywood usa os efeitos de computação gráfica.

Apesar do pioneirismo técnico, quase todo o resto fracassa nos episódios I e II. O centro dramático de O Ataque dos clones  é o romance entre Anakin Skywalker e Padmé Amidala. Infelizmente é um romance de um adolescente irritante, imaturo e irrascível que quase coage uma adulta a ficar com ele. Uma adulta rainha e senadora. As cenas do romance tomam quase metade do filme, com diálogos banais e sofríveis, cenários de CGI de videogame, e as piores interpretações da carreira de Hayden Christensen e Natalie Portman. Mas não são só estes dois atores que sofrem nos seus papeis. Temos ainda Samuel L. Jackson, Ewan McGregor e Christopher Lee lutando para parecerem críveis. Com tanto ator de talento atuando mal, percebemos que algo esta muito errado. A direção de atores, os diálogos, ou ambos.

O arco de Obi-Wan Kenobi e as cenas de ação distraem e tornam menos tortuosas as insuportáveis cenas de romance e reclamação de Anakin. Mas estão longe de fazerem de O ataque dos clones uma experiência agradável. Faltou Flash Gordon, faltou space opera, sobrou chilique adolescente. Nota: 2,1/5.

 

10- Star Wars I – A ameaça fantasma (1999)

Pessoalmente esta foi minha maior decepção em uma sala de cinema. Nunca minha expectativa para um filme foi tão frustrada. E não estou sozinho. Este é um dos filmes mais odiados da história do cinema, e até certo ponto injustiçado. Não que seja um bom filme, mas está longe de ser a pior coisa feita na história da humanidade. O problema é que, depois de 16 anos de espera, os fãs mereciam algo melhor.

Mas que o mérito seja dado a George Lucas. A ameaça fantasma definiu o novo padrão para o uso de efeitos especiais em Hollywwod. Foi o primeiro filme a apostar quase inteiramente em cenários digitais. E funcionou, em termos de fotografia, muito bem. Além disto temos coreografias de lutas e duelos de sabre em um nível nunca antes visto em Star Wars, e uma excelente trilha sonora.

Por outro lado, temos o vilão  mais desperdiçado da franquia (Darth Maul), uma das piores atuações infantis de todos os tempos como protagonista (Jake Lloyd), um roteiro que mal serve como desculpa para cenas feitas para vender brinquedos, e o pior de tudo: um desrespeito com o espírito mitológico da trilogia original. Não temos mais uma mistura de cavaleiros medievais budistas, misticismo cósmico e Flash Gordon. Agora temos midi-chlorians e Jar Jar Binks. Nota 2,2/5.

9 – Caravana da Coragem 2 – A guerra de Endor (1985)

Ok, você já sabe o que eu acho dos ewoks. Personagens pseudo-fofos, esteticamente mal feitos, que não se encaixam bem no universo de Star Wars, e criados mais para vender brinquedos que para fazer parte de filmes. Isto fazem deles os piores personagens de Star Wars depois de Jar Jar Binks.

Mesmo assim A guerra por Endor está milhas a frente de seu antecessor. E por incrível que pareça, é o filme mais sombrio de toda a franquia Star Wars. Isto mesmo: um filme infantil, de ewoks, feito para TV, é bem mais sombrio que todo o resto da franquia. Logo nos primeiros primeiros minutos de filme, toda a família que era protagonista de Caravana da Coragem é executada, exceto pela criançadas nova, Cindel. A história em si do filme é meio cretina, mas pelo menos há uma história, um conflito, e um certo senso de perigo.

Os cenários e efeitos especiais são interessantes, lembrando-se de que é um filme para TV da década de 80. Há diversos elementos que lembram muito mais fantasia medieval terrestre o que Star Wars. Temos castelos medievais, uma bruxa que vira um corvo, criaturas similares a goblins, etc.

Infelizmente as atuações são tão sofríveis quanto a de Caravana da Coragem, e o filme tem graves problemas de ritmo, se arrastando por melodramas incapazes de manter uma criança entretida. Nota: 2,6/5

8- Star Wars: A guerra dos clones (2008)

Não confunda a série animada A guerra dos clones com este filme. O filme funciona como episódio inicial da série. Na verdade uma mixagem dos primeiros episódios da série. Como era de se esperar para um filme com esta origem, a história é meio fragmentada, um tanto desconexa.

Matt Lander é um Anakin Skywalker muito mais expressivo que Hayden Christensen. Mas há uma certa desconexão entre os dois Anakins. O filme se passa entre os episódios II e III, ou seja, Anakin já é o adolescente chorão, mimado e assassino de crianças do segundo episódio. Mas é também um herói na animação, o que é um tanto estranho. O público alvo da animação é bem mais juvenil do que o público de Star Wars. Então espere um roteiro bem simples e ingênuo. Infelizmente ingênuo demais, em especial nos diálogos um tanto explicativos e artificiais.

Visualmente a animação é bem fraca. os movimentos são robotizados, a qualidade da imagem deixa a desejar. Mas graças as cenas de ação, pode passar como um entretenimento razoável para uma tarde tediosa.  Nota: 2,8/5

7- Star Wars III – A vingança dos Sith (2005)

Muita gente em 2005 devia estar se perguntando se George Lucas ainda era capaz de fazer um bom filme. O trauma com os episódios I e II era grande. Felizmente desta vez George Lucas entrega um filme digno. Não excelente, mas envolvente, e pela primeira vez desde 1999, um filme que parecia ser do mesmo criador da trilogia original.

A primeira metade do filme ainda padece da maioria dos problemas dos episódios anteriores. Diálogos esquisitos, interpretações sem vida e drama (Hayden Christensen em destaque negativo) e várias inconsistências com trilogia original. Mas a segunda metade compensa ao nos apresentar o duelo entre Yoda e Palpatine, entre Anakin e Obi Wan, e a queda final de Anakin. Momentos dramáticos de primeira. Além disto, a gradual transição entre o visual da trilogia prequel para a trilogia clássica foi muito bem feita.

A segunda metade seria o suficiente para colocar A vingança dos Sith no mesmo patamar de qualidade que a trilogia original se não fosse algumas soluções estranhas. O passo  final de Anakin em direção ao lado negro é destoante do que estava sendo construído. Ao invés de usar o romance frustrado, seria mais dramático usar o mesmo lado de Anakin que levou a execução do povo de areia e do Conde Doku. E o final dos dois grandes duelos é frustrante. Yoda tropeça e desiste, se impondo um exílio, e Anakin escolhe pular em direção ao sabre de Obi-Wan de modo suicida.

Ainda assim, o último filme de George Lucas nos fez relembrar por que ele foi o grande criador de tudo. Um canto de cisne levemente desafinado, mas belo. Nota 3,1/5.

6- Star Wars VIII: Os últimos Jedi (2017)

Ok… Com certeza alguns de vocês já discordaram das minhas posições até agora, mas acho que esta é a minha primeira classificação realmente polêmica.

Mas antes de tudo, vamos deixar claro: esta é a colocação no ranking que separa as experiências desagradáveis das agradáveis. Dos filmes citados até agora, este foi o primeiro em que eu realmente me diverti assistindo. Cheguei até a aplaudir a cena final, literalmente. O final do filme é um dos pontos altos de toda a saga. E por mim o melhor e mais complexo retrato de Luke Skywalker.

Mesmo assim, o segundo ato é repleto de tramas desnecessárias, e há um excesso de personagens e missões irrelevantes. Se quiser uma analise mais detalhada, você pode encontrar duas críticas em nosso site. Uma sem spoilers e outra com spoilersNota: 3,4/5

5- Rogue One – Uma história de Star Wars (2016)

Aqui temos o primeiro spin-off realmente de qualidade da franquia, e o primeiro filme adulto de Star Wars. Temos uma história de guerra, onde bem e mal não são tão nítidos como no resto da franquia. As batalhas são mais áridas e violentas, e percebemos a crueldade envolvida em uma guerra, mesmo com a mais nobre das justificativas.

Por outro lado temos uma narrativa truncada, com problemas de ritmo, interpretações pouco inspiradas, e uma certa falta de carisma dos personagens, gerando pouco envolvimento emocional. Mas o mais marcante de tudo são as cenas finais, com ótimos fan services que levam os fãs ao delírio. Nota: 3,5/5.

Confira nossa crítica completa, escrita a oito mãos.

4- Star Wars VI – O retorno de Jedi (1983)

O pior filme da trilogia clássica, e o melhor filme já feito com ewoks na história da humanidade. No sexto episódio da franquia temos alguns dos melhores momentos de toda a série. O palácio de Jabba, a aparição de Luke como Jedi, a corrida de speeders, a batalha de Andor. Cenas épicas e empolgantes. Mas nada supera o confronto final entre Luke, Darth Vader e o Imperador. Um final espetacular para uma grande saga.

Por outro lado, os ewoks representam uma enorme distração para o desenrolar da história. São mal executados visualmente e dramaticamente. A incursão na segunda Estrela da Morte é um tanto anticlimática. Luke descobre que Leia é sua irmã e não dá importância. Lando é um personagem carismático, mas sem arco dramático para tanto tempo em tela.

Isto não significa que O retorno de Jedi não seja  um clássico, mas é definitivamente o menos polido e acabado entre os originais. Nota: 4.1/5

 

3 –  Star Wars VII – O despertar da força (2015)

Sim, eu sei. Estamos falando do filme que é quase uma refilmagem do episódio IV. Mas temos que reconhecer. É QUASE uma refilmagem, e ao mesmo tempo, um filme muito bom.

Antes de tudo temos que reconhecer que O despertar da Força tinha uma missão quase impossível a frente. Resgatar a magia da trilogia original, manchada com os erros dos filmes posteriores. E conseguiu cumprir isto. O episódio VII é uma continuação que mantém o espírito narrativo dos três filmes originais. Pela primeira vez desde 1983 vimos algo similar ao mito moderno que é a alma de Star Wars.

Além disto, tivemos a introdução de personagens a altura de Hans Solo, Luke Skywalker e Leia: Finn, Rey e Poe Daemeron. E o mais surpreendente, BB8 consegue superar o carisma de R2-D2. Kyle Ren já é um personagem bem mais polêmico, mas confesso que estou entre seus defensores.

Mesmo com a pouca originalidade, O despertar da força foi o primeiro filme que senti a altura da trilogia clássica, e ainda é o melhor Star Wars do século XXI. Nota: 4,5/5.

Confira nossa crítica completa.

2- Star Wars IV – Uma nova esperança (1977)

Esta lista não existiria se este filme, um azarão negado por muitos estúdios, não tivesse estourado como um enorme sucesso. Antes de Guerra nas estrelas o gênero ficção científica era um gênero menor, para filmes de baixo orçamento, e sem grande importância. Ou para gênios como Stanley Kubrick se arriscar.

Insisto aqui em chamar pelo nome original no Brasil:  Guerra nas Estrelas. Sem subtítulo, sem o nome em inglês, sem Episódio IV. Nem mesmo George Lucas sabia no que seu projeto pessoal ia virar. Guerra nas estrelas foi criado incialmente como um único filme. Mas graças sua estrutura narrativa única, de mitologia moderna, se tornou um dos maiores mais ricos universos ficcionais de nossa cultura.

E é disto que se trata, de uma história mitológica, da jornada do herói. Mas narrada de forma ao público dos séculos XX e XXI se identificarem. Por isto Guerra nas Estrelas é quase uma experiência religiosa. O filme não é perfeito, as interpretações são questionáveis, algumas soluções de roteiro são ingênuas. Mas a qualidade da trama, e o impacto que ela gera transcende qualquer defeito. Nota: 5/5

1- Star Wars V – O império contra-ataca (1980)

Sim, um raio cai no mesmo lugar mais de uma vez. Guerra nas estrelas seria um clássico mesmo sem suas continuações. Mas o filme seguinte conseguiu superar o primeiro. Quase todos os fãs e críticos concordam com as duas primeiras colocações desta lista. Mas se o primeiro filme conseguiu trazer o mito do herói para a modernidade, como O império contra-ataca conseguiu superar seu antecessor?

Desconstruindo o herói. Retratando o mal em toda sua dramaticidade. Mostrando que um verdadeiro herói só  se revela em toda sua natureza ao ter que confrontar um mal acima de suas próprias virtudes. O império contra-ataca apresenta alguns dos melhores momentos da saga, como o início do romance entre Leia e Solo, o treinamento de Luke com Yoda, e um plot-twist insuperável. Tudo isto seria ótimo, excelente. Mas o mais importante é como Vader vence, como os heróis fracassam, e mesmo assim a esperança continua ativa.

Se eu tivesse que escolher uma cena entre todos os filmes para resumir Star Wars eu escolheria o duelo entre Vader e Luke. Este é o melhor duelo de todos. Não tem as coreografias marciais da atualidade, mas supera em drama, emoção e consequência. Se eu tivesse que resumir Star Wars em uma frase, seria: Eu sou seu paiNada tem mais pathos que isto. Guerra nas estrelas é mitologia moderna. E O império contra-ataca consegue colocar tragédia na aventura e no mito. Nota: 6/5

 

 

  • Lucas Albuquerque

    O diferencial deste ranking é a sensacional inclusão dos filmes fora da saga convencional e do Rogue One. Acho que foi algo inédito, nunca vi outro fazendo.

    Dos que eu vi, a minha ordem é:
    II clones
    I ameaça
    III vingança
    Rogue
    VI retorno
    VII despertar
    VIII últimos jedi
    IV nova esperança
    V império

    • Aniello Greco

      Tirando o fato de você estar alucinando com o VIII, sua list está ótima.

      Quanto aos filmes que a maioria esquece de listar, acho estranho esquecerem o Clone Wars.

      Mas os para TV do antigo universo expandido (atual legends) são esquecíveis mesmo.

  • Pingback: Star Wars: VIII - Os Últimos Jedi - Mesa Quadrada — Razão : de : Aspecto()

Posts relacionados
  • 20 out 2016
  • 0
Um Namorado Para a Minha Mulher foi o último longa do ator Domingos Montagner que faleceu mês passado. Um pouco depois do lançamento de Um...
  • 18 set 2017
  • 1
No 3º dia do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (você lê sobre a abertura e o 2º dia aqui), o Razão de Aspecto acompanhou os...
  • 22 jun 2016
  • 0
  Gênero: Ficção Científica Direção: Roland Emmerich Roteiro: Carter Blanchard, James A. Woods, Nicolas Wright Elenco: Alice Rietveld, Angelababy, Ava Del Cielo, Bill Pullman, Brent Spiner, Charlotte Gainsbourg, Chin...