Logan é uma despedida bastante digna
para Hugh Jackman, mas usa artifícios de roteiro
que enfraquecem o filme


 
Gênero: Ação
Direção: James Mangold
Roteiro: David James Kelly
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Dafne Keen, Boyd Holbrook, Richard E. Grant, Stephen Merchant, Dave Davis, Doris Morgado, Elise Neal, Elizabeth Rodriguez, Eriq La Salle, Jaden Francis, Juan Gaspard, Julia Holt, Lauren Gros, , Sienna Novikov.
Produção: Hutch Parker, Lauren Shuler Donner, Simon Kinberg
Fotografia: John Mathieson
Montador: Dirk Westervelt, Michael McCusker
Trilha Sonora: Marco Beltrami
Duração: 135 min.
Ano: 2017
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 02/03/2017 (Brasil)
Distribuidora: Fox Film do Brasil
Estúdio: Twentieth Century Fox Animation
Classificação: 16 anos
Sinopse: Em um futuro não muito distante, em que não existem mais mutantes, Logan se esforça para proteger o Professor Xavier. Sua vida muda completamente quando entra em sua vida uma jovem com poderes muito peculiares, perseguida por uma grande corporação.
Nota do Razão de Aspecto:
(sendo gente boa)
———- X ———-

Logan é um documentário sobre o famoso uísque escocês…   O personagem Wolverine, criado em 1974 por Len Wein e John Romita, foi, desde cedo, adorado pelos leitores. Destacou-se como espécie de anti-herói nos Novos X-men de Chris Claremont, e ganhou mini-séries, graphic novels e, inevitavelmente, um título próprio nos quadrinhos. Na transposição dos personagens, primeiro para os desenhos animados e posteriormente para o cinema, não foi diferente: o mutante canadense com garras de adamantium sempre esteve entre os favoritos dos fãs.

Hugh Jackman, ator australiano com formação em teatro musical, se consolidaria como a face do personagem no cinema. Embora não correspondesse à descrição física do personagem (baixinho, atarracado), Jackman ganhou o público com carisma, intensidade e uma grande dedicação ao papel. Após nove filmes, é quase impossível não associar o ator ao personagem. Curiosamente, a escolha original para o primeiro filme dos X-Men (2000) era Dougray Scott, que não pode filmar devido a uma contusão durante as filmagens de Missão Impossível 2. Se teríamos ou não um Wolverine tão bom quanto o de Jackman, não saberemos.
Se os dois primeiros filmes do grupo de mutantes foram bons e ajudaram a abrir mercado para as adaptações de quadrinhos para o cinema, os dois filmes solo anteriores de Wolverine padeceram de um mesmo mal: ambos começam bem, promissores, mas resultam em produtos irregulares, em grande parte pelo interesse em atingir um público maior (o que demanda uma classificação indicativa mais baixa) e pela aparente necessidade de encaixar na marra diversos personagens dos quadrinhos (alguém falou em Gambit ou Deadpool por aí?) – o que quase sempre cria calombos desnecessários no roteiro.
Desta vez, a trama se passa em 2029. Os mutantes não existem mais, e Logan tenta ganhar a vida como motorista de uber-limusine. Ele está velho e decadente: seu fator de cura não funciona mais tão bem, e sua saúde está lentamente se deteriorando. Ele mora isolado, do outro lado da fronteira entre Estados Unidos e México. Sob seus cuidados, um certo Charles Xavier (novamente interpretado por Patrick Stewart), aparentemente senil e constantemente sedado, para que seus poderes descontrolados não chamem atenção ou causem estragos. O mutante Caliban (com ator – Stephen Merchant – e abordagem completamente diferentes do que foi apresentado em X-Men: Apocalypse) completam o núcleo.
Esse estado de coisas será radicalmente alterado quando Gabriela, uma enfermeira latina, acompanhada de Laura (Dafne Keen), uma temperamental (por assim dizer) e calada menina, pede ajuda a Logan. Recusando-se a se envolver em um primeiro momento, ele acaba no meio de uma perseguição – não a ele, mas à misteriosa jovem que tem mais relações com o passado de Wolverine do que ele poderia imaginar. Liderando o grupo de perseguidores – Os Carniceiros – está Donald Pierce (Boyd Holbrook), um ciborgue a mando do Doutor Zander Rice (Richard E.Grant), responsável por estranhas experiências.
A partir daí, temos basicamente uma espécie de road movie de perseguição, que lembra em alguns momentos o primeiro Mad Max (1979). Aproveitando o inesperado sucesso de Deadpool, este Logan, dirigido pelo mesmo James Mangold de Wolverine: Imortal, abandona as amarras da censura e traz, pela primeira vez, um filme com as fartas doses de violência explícita e de sangue que um personagem como Wolverine demanda. Inclua-se na receita inúmeros palavrões (alguns até meio exagerados, da boca de quem sai) e até uma breve cena de nudez. Tendo sido anunciado como o último filme de Hugh Jackman como Logan, as condições estavam dadas para um filme bem diferente – e melhor – que os anteriores.
Entre os pontos altos do filme, temos a ambientação – um futuro próximo, um pouco mais tecnológico e mais duro – que dá uma sensação terrível de proximidade e verossimilhança. Temos mais uma vez uma corporação como vilã, e a idiotia humana permanece uma realidade. As cenas de ação são igualmente muito boas, e a montagem de Michael McCusker e Dirk Westervelt permite compreender sem problemas o espaço cênico e as ações que nele ocorrem.
Além disso, as interpretações do filme são de altíssima qualidade. Jackman e Stewart, já mais do que acostumados aos personagens, não interpretam apenas no automático: parecem ter investido no sentimento de que o filme marca o fim de um ciclo, e entregam atuações densas, de múltiplas camadas, que envolvem ao mesmo tempo companheirismo, ressentimento e ternura. Os dois são acompanhados pela estreante Dafne Keen, uma jovem atriz que interpreta Laura com fúria e selvageria totalmente convincentes. Por fim, há um nêmesis de Logan no filme que surpreenderá muitos espectadores – e, que, além de proporcionar boas cenas de luta, colabora para uma interessante metáfora.
Entretanto, o filme é prejudicado por artifícios de narrativa que oscilam entre preguiçosos e convenientes. Desde um vídeo de celular que explica, didaticamente, os antecedentes de alguns personagens, até poderes que aparecem e desaparecem, dependendo do que o roteiro precisa. Chega a ser constrangedor o final de determinado personagem, em meados do filme, que permanece vivo apenas até o momento exato em que ele não é mais necessário na trama. Outro exemplo é a utilização de cenas do filme Os brutos também amam em determinado ponto da narrativa. As referências escolhidas, tanto do filme em si quanto dos diálogos dos trechos exibidos, faz com que uma potencial boa analogia vire apenas uma obviedade.
Logan tem outros problemas, como certas incoerências – mas isso é característica da franquia X-Men no cinema. Por exemplo: o fator de cura de Logan ainda é capaz de expulsar balas de seu corpo, mas é incapaz de fazer o personagem parar de mancar o filme todo. Em filme anterior, o personagem perde a memória porque recebeu um tiro na cabeça com uma bala de adamantium. Nesta continuação, os efeitos desse tipo de bala são bastante diferentes. Esses e outros furos de continuidade não prejudicam, per se, a experiência do filme, mas colaboram com o pacote de quebra-galhos que o roteiro usa.
Logan provavelmente agradará bastante aos fãs, que se fascinarão com o carcaju violento que sempre quiseram ver, e não se importarão muito com os expedientes ex machina do roteiro. Para Jackman, o encerramento da trilogia (e, segundo ele, de sua relação com o personagem) foi marcado por um filme superior aos anteriores – sobretudo por ser menos irregular.  Resta ainda, talvez, vermos filmes com mais do Wolverine e menos do Logan nos cinemas.
Posts relacionados
  • 10 out 2016
  • 0
Um Suburbano Sortudo tinha tudo para ser uma tragédia, mas no fim é uma boa comédia. As comédias nacionais têm feito um grande sucesso de público,...
  • 23 nov 2016
  • 1
Elis é um filme razoável, com boas interpretações, visualmente bonito e com excelentes números musicais. Gênero: Biografia Direção: Hugo Prata Roteiro: Hugo Prata, Luiz Bolognesi, Vera Egito Elenco: Andréia Horta,...
  • 13 mar 2017
  • 1
Pegue a violência extrema como instrumento de sátira, a moda Tarantino. Misture com um estilo visual e escolha de cenários que lembram os irmãos Coen....