MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR (MOONLIGHT, 2016) – CRÍTICA
Chegou aos cinemas brasileiros o filme que bateu La La Land na disputa pelo Oscar de Melhor Filme.
 
 
Gênero: Drama
Direção: Barry Jenkins
Roteiro: Barry Jenkins, Tarell McCraney
Elenco: Alex R. Hibbert, Ashton Sanders, Duan’Sandy’ Sanderson, Eddie Blanchard, Edson Jean, Fransley Hyppolite, Herman ‘Caheei McGloun, Herveline Moncion, Jaden Piner, Janelle Monáe, Jesus Mitchell, Jharrel Jerome, Kamal Ani-Bellow, Larry Anderson, Mahershala Ali, Naomie Harris, Patrick Decile, Rudi Goblen, Shariff Earp, Tanisha Cidel,Trevante Rhodes
Produção: Adele Romanski, Dede Gardner, Jeremy Kleiner
Fotografia: James Laxton
Montador: Joi McMillon, Nat Sanders
Trilha Sonora: Nicholas Britell
Duração: 111 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 23/02/2017 (Brasil)
Estúdio: A24 / Plan B Entertainment
Classificação: 16 anos
Sinopse: O garoto Chiron tenta escapar a todo custo do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas em Miami. Vítima de bullying na escola e passando por dificuldades em casa, ele conhece um homem que o ajudará a trilhar uma jornada de autoconhecimento e descobrimento de sua sexualidade.
Nota do Razão de Aspecto:
 
 
—————————————-
Moonlight é um trabalho poético, sensível, comovente, melancólico, filosófico, nostálgico, envolvente e contemplativo. Direção, fotografia, atuações, roteiro e montagem convergem em uma narrativa harmônica, como se constituísse, metaforicamente, uma sinfonia visual. Baseado na peça de teatro Moonlight Black Boys Look BlueMoonlight dá uma verdadeira aula de linguagem cinematográfica, ao provar como a adaptação de uma peça de teatro não precisa resultar em um filme teatral – a comparação com seu concorrente Fences chega a ser uma covardia.
Moonlight divide-se em três capítulos, respectivamente a infância, a adolescência e a vida adulta de um jovem negro da periferia, filho de uma mãe solteira viciada em Crack. Na infância, Little encontra algum conforto em sua relação com o traficante Juan e sua esposa. Na adolescência, Chiron  está descobrindo sua homossexualidade em um ambiente homofóbico, enquanto a mãe se degrada ainda mais. Na vida adulta, Black vai em busca de seu passado para se realizar emocionalmente. Se fosse conduzido pelo diretor errado ou se tivesse qualquer erro na escolha do elenco, Moonlight poderia ter resultado em melodrama ou em um filme panfletário, mas Barry Jenkins conseguiu construir uma narrativa universal em sua abordagem. E aqui começa o grande show deste clássico cult instantâneo.
Os três atores que interpretam Chiron, pela ordem Alex R. Hibbert (Little, na infância), Ashton Sanders (Chiron, na Adolescência) e Trevante Rhodes (Black, na vida adulta) constroem um personagem coerente, em que percebemos a evolução, o amadurecimento e as consequências do passado e das experiências. Ao longo da narrativa, por um segundo sequer paramos para pensar que não se trata da mesma pessoa. Para além do talento dos atores, Barry Jenkins escreveu um roteiro consistente e realizou um trabalho de direção muito mais que competente.
A competência do elenco não acaba nos protagonistas. Mahershala Ali, que interpreta Juan, traficante e figura paterna de Little, tem presença tão marcante em Moonlight que sua interpretação ecoa por toda a narrativa, em uma atuação tão poderosa quando a de Michelle Williams, em Manchester à Beira-Mar. Naomi Harris, por sua vez, realiza uma de suas melhores atuações na carreira como a mãe viciada em crack. Duas indicações mais que merecidas ao Oscar, e Mahershala Ali é o favorito para o prêmio de melhor ator coadjuvante.
Se roteiro, interpretação e direção de atores se destacam em Moonlight, fotografia, trilha sonora e montagem fazem um trabalho digno de premiação. A construção visual e narrativa de Moonlight resulta em um tom onírico, sempre poético, alguma vezes triste, que dá significados profundos a acontecimentos simples da rotina do personagem. Algumas cenas podem-se tornar clássicos do cinema, como a de Juan e Little no mar – que se tornou a imagem de divulgação do filme -, a do encontro de Chiron e Kevin na praia, na adolescência, e a cena final, um dos planos mais simples e comoventes do cinema moderno.
Moonlight mereceu as oito indicações ao Oscar e superou o hype de La La Land. Como filme, é muito superior. Como direção, é mais contido, por isso mais complexo. Felizmente, Moonlight também venceu Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e o de Melhor Ator Coadjuvante. Se havia um filme capaz de fazer frente a La La Land, este filme era Moonlight.
Posts relacionados
  • 12 out 2017
  • 18
Tem filmes que são claramente difíceis de interpretar. mãe!, por exemplo, é tão repleto de alegorias que cada detalhe pode ter dois ou mais significados....
  • 16 out 2016
  • 2
Gênero: Terror, zumbis. Título original: Busanhaeng Direção:  Sang-ho Yeon Roteiro: Lee Dong-Ha Elenco: Gong Yoo, Ma Dong-Seok, Jung Yu-mi, Kim Su-an, Kim Eui-sung, Choi Woo-shik, Ahn So-hee Produção: Lee...
  • 16 jan 2017
  • 0
Quer saber a importância dos festivais para a indústria do cinema? Quer saber como é a experiência de um festival internacional? O Conacine entrevistou Maurício Costa...