Netflixing: Clinical (2017) – Cinema em um Parágrafo

A Netflix não começou bem o ano nas produções originais. Um amontoado de clichês e opções ruins da direção marcam Clinical. O suspense/terror traz uma psiquiatra que tem que seguir a carreira, após ter tido uma experiência traumática com uma das pacientes. A premissa não é original, mas poderia render um filme interessante. O diretor Alistair Legrand falha em vários aspectos: abusa do recurso de subir o som de forma brusca para impressionar e/ou criar um clima – o tiro, claro, sai pela culatra. A montagem picota algumas cenas na tentativa de dar intensidade aos fatos, outra vez o resultado é o oposto. E coisas como câmera na mão e colocar a tela toda preta também compõe os recursos limitados de Legrand. O terceiro arco consegue superar os fracos momentos anteriores do filme e entregar uma resolução quase tão patética, quanto óbvia. Até mesmo o sangue, comum nesse tipo de gênero, é mal utilizado – soando gratuito. Nota: 1,5/5

Ficha técnica de Clinical

Quer mais filmes presentes no catálogo da Netflix? Leia nossos textos sobre:

O Começo da Vida

Sing Street

Um Cadáver para Sobreviver

Posts relacionados
  • 14 nov 2016
  • 1
O oitavo dia de festival era um dos mais aguardados por mim, por causa da pré-estreia de Jovens, loucos e mais rebeldes (Everybody wants some!!). Só...
  • 5 out 2016
  • 0
Netflix mais uma vez acertando em suas produções, desta vez com um excelente suspense de ficção científica. Gênero: Ficção Científica, Suspense. Direção: Tony Elliot Produção:...
  • 17 out 2016
  • 2
ESTA CRÍTICA CONTÉM SPOILERS  DO TERCEIRO EPISÓDIO  DE WESTWORLD Leia a fica técnica aqui Nota do Razão de Aspecto:  O episódio 3 (“The Stray”) de Westworld não...