Netflixing: Clinical (2017) – Cinema em um Parágrafo

A Netflix não começou bem o ano nas produções originais. Um amontoado de clichês e opções ruins da direção marcam Clinical. O suspense/terror traz uma psiquiatra que tem que seguir a carreira, após ter tido uma experiência traumática com uma das pacientes. A premissa não é original, mas poderia render um filme interessante. O diretor Alistair Legrand falha em vários aspectos: abusa do recurso de subir o som de forma brusca para impressionar e/ou criar um clima – o tiro, claro, sai pela culatra. A montagem picota algumas cenas na tentativa de dar intensidade aos fatos, outra vez o resultado é o oposto. E coisas como câmera na mão e colocar a tela toda preta também compõe os recursos limitados de Legrand. O terceiro arco consegue superar os fracos momentos anteriores do filme e entregar uma resolução quase tão patética, quanto óbvia. Até mesmo o sangue, comum nesse tipo de gênero, é mal utilizado – soando gratuito. Nota: 1,5/5

Ficha técnica de Clinical

Quer mais filmes presentes no catálogo da Netflix? Leia nossos textos sobre:

O Começo da Vida

Sing Street

Um Cadáver para Sobreviver

Posts relacionados
  • 3 out 2016
  • 0
Tô Ryca! tem potencial… potencial para ser o pior filme nacional do ano. Se você gostava do Zorra Total de 5 anos atrás ou se...
  • 8 mar 2017
  • 1
No final de fevereiro estreou na Netflix um filme muito especial para quem é brasiliense com mais de 40 anos como eu: Faroeste Caboclo, o...
  • 12 jan 2017
  • 0
7 Minutos Depois Meia Noite é um drama de fantasia sensível e delicado sobre perda, luto, amadurecimento, culpa e relações familiares. O elenco principal revela...