Charlote SP (2016) – Cinema em um Parágrafo

Charlote SP é o primeiro filme nacional filmado com câmeras de celular. Mas ele decepciona em vários aspectos – todos, para ser mais preciso. A história se foca no confronto de dois mundos: a modelo rica/pai magnata e o cineasta com pouca grana (apresentados de forma simplista e maniqueísta). A trama é clichê e mal trabalhada. O visual e o áudio têm problemas, dado o estilo de filmagem que o diretor Frank Mora não esconde. A trilha enche a tela e tenta cobrir o vazio narrativo, porém não consegue. E Charlote SP conta com erros muito feios de continuidade e uma montagem atrapalhada. As interpretações são artificiais, tal qual os diálogos. O tempo, duas horas, é longo demais para quase que só experimentar essa técnica de filmagem. O que vale um destaque positivo (além do pioneirismo) são as citações a filmes e séries clássicos, mas mesmo este elogio é feito com ressalvas. Nota: 1,5/5

Leia a ficha técnica aqui.

Por Lucas Albuquerque

Posts relacionados
  • 25 nov 2016
  • 0
Anjos da Noite: Guerras de Sangue mantêm a qualidade da franquia, garantindo seu lugar ao lado de outros clássicos do gênero, como Crepúsculo.  Gênero: Ação Direção: Anna...
  • 29 jul 2017
  • 1
Em Baltimore, 1893, a jovem Isabel (Allie Gallerani) se interna no renomado Instituto Rosewood para se recuperar da morte dos pais. Lá, ela se submete...
  • 3 abr 2018
  • 0
A produção de Creed II, da Metro Goldwyn Mayer Pictures (MGM) e Warner Bros. Pictures, começa em abril, na Filadélfia, com os astros Michael B. Jordan...