NETFLIXING: AMIZADES IMPROVÁVEIS (THE FUNDAMENTALS OF CARING, 2016) – CRÍTICA
  • 24
  • 06
Nome orginal: The
Fundamentals of Caring
País de origem: EUA
Ano:
2016
Gênero:
Drama
Duração:
93 min
Direção:
Rob Burnett
Roteiro: Rob Burnett, Jonathan Evison
Edição: Christopher Passig
Direção de fotografia:
Giles Nuttgens
Figurino:
Peggy Stamper
Música: Ryan Miller
Produção: Rob Burnett
Elenco: Selena Gomez, Paul RuddBobby Cannavale, Jennifer Ehle, Craig Roberts, Frederick Weller,
Megan Ferguson, Ashley White, Robert Walker Branchaud, Patti Schellhaas, Kristi
Von, Julia Denton, Walter Hendrix, Samantha Huskey, Blake Sewell, James
Donadio, Alex Huff, Alan Boell, Tarik Chernet, Oscar Beckett Walden Hand, Bill
Murphey, Kaden Ellis.
Sinopse: Baseada no romance de Jonathan Evison, a trama acompanha a amizade comovente de Ben e Trevor, um jovem com distrofia muscular de Duchenne. Os dois formam uma ligação única em um conto engraçado e inspirador.
Nota do Razão de Aspecto:
 
——————————————————————————————————————
No dia 24 de junho, estreia, na Netflix, o excelente drama The Fundamentals of Caring. Tive a sorte e o prazer de estar presente na  première do filme, quando foi aplaudido de pé pelo público no Festival de Sundance 2016 (no final do texto, publicarei o vídeo com os comentários sobre o filme, ainda durante o festival). Trata-se de um filme comovente, sensível e capaz de levar o público às lágrimas com sua perspectiva otimista sobre a vida.
Adaptado do best seller de Jonathan Evison, à primeira vista The Fundamentals of Caring, parece não acrescentar nada novo às produções cinematográficas recentes. A premissa não é exatamente original, já que, em anos recentes, forma lançados vários filmes que tratam da relação entre pessoas com deficiência e seus cuidadores, como Intocáveis e o recente Como Eu Era Antes de Você (leia a crítica aqui). O filme, entretanto, tem uma perspectiva menos cômica do que Intocáveis e mais otimista do  que Como Eu Era Antes de Você. Felizmente, a originalidade não é o único requisito para um bom filme. Realizar um bom filme é contar uma boa história, e a construção narrativa de The Fundamentals of Caring é precisa, ao fazer o público entender o passado e as motivações de cada um daqueles personagens. Conseguimos nos importar com o destino daquelas pessoas e da relação entre elas.
Se o roteiro tem um grande mérito, é o de utilizar uma road trip como dispositivo para levar os personagens à aproximação e à superação de seus grandes traumas, em uma jornada de autodescoberta. Ben (Paul Rudd), contratado para cuidar de Trevor (um adolescente tetraplégico), resolve levar seu paciente para conhecer o mundo e as coisas que ele via somente pela televisão, que lhe despertavam interesses incomuns – por exemplo, o garoto sonhava em conhecer Rufus, o maior bovino do mundo (o que nos rende uma das sequências mais hilárias do filme). Durante a viagem, Ben e Trevor oferecem carona para Dot (Selena Gomez), uma adolescente em busca de um novo destino. O encontro entre os três resulta na criação de fortes vínculos afetivos.
O filme funciona baseado na qualidade das atuações e na química do trio de protagonistas, que sabem como equilibrar os desejos, os medos, as esperanças e os conflitos de cada e entre os personagens, sempre na dose certa de drama e de bom humor. Craig Roberts, em especial, dá uma verdadeira aula de como interpretar uma pessoa com esse tipo de deficiência – aula que devia ter sido assistida por Sam Claflin, de Como Eu Era Antes de Você. Não há como comparar o nível das duas interpretações.

 

Com direção segura e competente de Rob Burnett, The Fundamentals of Caring nos mostra como o cinema independente por ter, ao mesmo tempo, qualidade e apelo comercial. O filme nos faz rir, chorar, sentir raiva, compaixão, amor, ódio, desprezo e orgulho, quando nos vemos envolvidos com a história daqueles personagens e tivéssemos nos projetado para dentro da tela. Basicamente, trata-se de uma narrativa que nos faz esquecer o mundo real durante a projeção.
Bônus:
Vídeo da cobertura do Festival de Sundance 2016 (entre 2:50 e 6:00)
Sessão de perguntas e respostas com equipe do filme na première mundial, Festival de Sundance 2016:
Texto originalmente escrito como parte da cobertura do Festival de Sundance 2016.
 


por Maurício Costa
Posts relacionados
  • 7 jan 2017
  • 0
Romance, sexo, trapaças, conflito entre classes sociais, perversão. Risos, tensão, desconforto, alegria, euforia, erotismo. A criada é um dos filmes mais polissêmicos dos últimos anos, que...
  • 12 nov 2016
  • 0
7 Años é produção original de Netflix. Um grupo de 4 sócios precisa decidir qual deles irá para a prisão para livrar a cara do...
  • 8 out 2017
  • 0
mãe! (com letra minúscula e ponto de exclamação), dirigido por Darren Aronofsky, abalou o mundo cinematográfico. Uns amaram e outros odiaram. Outros tantos sequer entenderam o...