HOMENS, MULHERES E FILHOS
Gênero: Drama
Direção: Jason Reitman
Roteiro: Chad Kultgen, Erin Cressida Wilson, Jason Reitman
Elenco: Adam Sandler, Ansel Elgort, Candace Lantz, Christina Burdette, Cody Boling, Colby Arps, Craig Nigh, Dan Gozhansky, David Denman, David Jahn, Dean Norris, Dennis Haysbert, Elena Kampouris, Emma Thompson, Helen Estabrook, Irene White, J.K. Simmons, Jake McDermott, Jaren Lewison, Jason Douglas, Jeff Witzke, Jennifer Garner, Jillian Nicole Jackson, Jon Michael Davis, Judy Greer, Kaitlyn Dever, Kaleb King, Karen Smith, Katherine C. Hughes, Kathrine Herzer, Kelly O’Malley, Luci Christian, Olivia Crocicchia, Phil LaMarr, Richard Dillard, Rosemarie DeWitt, Shane Lynch, Timothée Chalamet, Tina Parker, Tori Black, Travis Tope, Will Peltz
Produção: Helen Estabrook, Jason Reitman
Fotografia: Eric Steelberg
Montador: Dana E. Glauberman
Duração: 119 min.
Ano: 2014
País: Estados Unidos
Cor: Colorido
Estreia: 04/12/2014 (Brasil)
Distribuidora: Paramount Pictures
Estúdio: Paramount Pictures / Right of Way Films
Classificação: 16 anos
Sinopse: O filme conta a história de um grupo de adolescentes e de seus pais, que tentam lidar com as mudanças causadas pelo avanço da internet.O  longa retrata questões sociais, como a cultura dos videogames, anorexia, infidelidade, busca da fama e proliferação de conteúdo ilícito na internet.
Nota do razão de Aspecto:


——————————————————————————————————————————————————–
Um casal em crise que busca a saída no adultério. Um adolescente viciado em pornografia na internet que não consegue ter ereção com mulheres reais. Uma adolescente anoréxica cujos pais ignoram o problema. Um quarterback que decide abandonar o esporte contra a vontade do pai, porque não vê sentido naquilo. Uma adolescente deslocada, totalmente vigiada pela mãe na vida real e na internet.  Um jovem estudante que sonha em se tornar celebridade, mas que vende fotos sensuais na internet, fotografadas pela própria mãe. Todos esses personagens  em busca de redenção.
Embora o excesso de personagens possa parecer, à primeira vista, um fator complicador no desenvolvimento da narrativa, trata-se apenas de uma possibilidade não concretizada. O roteiro de Homens, Mulheres e Filhos não deixa pontas soltas. Tanto os dramas individuais quando a relação entre os personagens são bem construídos, de forma a permitir que o público crie empatia e se importe com o destino daquelas pessoas – requisito fundamental para que qualquer história eficiente.
Homens, Mulheres e Filhos nos provoca questionamentos  sobre as relações humanas, do ponto de vista temático, e sobre a sua estrutura, do ponto de vista cinematográfico. Trata-se de um filme que permanece em nossas mentes muitos dias após o encerramento da sessão. Não se pode afirmar que essa força da obra seja surpreendente, considerando os trabalhos anteriores do diretor Jason Reitman – Obrigado por Fumar, Juno e Amor sem Escalas -, todos eles muito intrigantes e provocativos, em diferentes níveis.
Após algum tempo “digerindo” as sensações provocadas pelo filme, percebi que se pode estabelecer comparação bastante eficiente entre Homens, Mulheres e Filhos e Magnolia, (que, não por acaso, é um dos três filmes mais importantes da minha vida). Em Magnolia, há um narrador que introduz o debate sobre a coincidência e fatalidades da vida, em Homens, Mulheres e Filhos, há a narradora que nos introduz a discussão sobre a insignificância da humanidade no Universo. No primeiro, vemos diversos exemplos de coincidências bizarras; no segundo, aprendemos os conceitos de Carl Sagan, por meio do vídeo do Youtube O Pálido Ponto Azul. No longa de Paul Thomas Anderson, todos os personagens e todas as suas histórias se cruzam em algum momento, vinculadas à Avenida que dá nome ao filme. No filme de Jason Reitman, os dramas dos personagens vinculam-se, em algum momento, por meio da escola frequentada pelos filhos. Em ambos os filmes, famílias destruídas e personagens perturbados buscam a redenção para os próprios problemas. 
Felizmente, nem tudo são semelhanças entre os dois filmes, e é nas diferenças que reside a superioridade de um sobre o outro. Magnolia é uma narrativa mais densa, com ênfase em dramas de pessoas já amadurecidas- com exceção do drama de infância- que, de alguma forma, querem compensar seus crimes e pecados, enquanto Homens, Mulheres de Filhos se concentra em dramas da juventude, com o suporte dos dilemas dos pais – colaterais, porém fundamentais para a sustentação da narrativa. Enquanto o filme de Paul Thomas Anderson precisa ser sentido e decifrado, em decorrência do conjunto de referências e pistas espalhadas ao longo da história (confira aqui a crítica de Pablo Villaça), Jason Reitman desenvolve a trama de forma a não dificultar a compreensão do espectador em relação àquilo que vê. Se, em Magnolia, os pontos altos são as atuações de Tom Cruise e Juliane Moore, em Homens Mulheres e Filhos, os personagens de maior peso são interpretados por Adam Samdler, como pai viciado em pornografia na internet, e Jennifer Garner, como a mãe superprotetora. Esta comparação por si só já demonstra a grande diferença entre os filmes. Muito embora Adam Samdler se tenha saído bem no papel dramático e Jenifer Garner não tenha comprometido, não se pode comparar com as atuações inesquecíveis de Tom Cruise e Juliane Moore em Magnolia.

Pode-se considerar que o grande mérito de Homens, Mulheres e Filhos é contemporaneidade dos questionamentos que se propõe a fazer. Quais são os efeitos da internet nas relações entre pais e filhos? Como a internet afeta a vida sexual de um adulto? Como a internet cria as oportunidades para o adultério? As pessoas conseguem se relacionar sem usar um smartphone? Quanto internet potencializa as possibilidades das relações  entre as pessoas? Nem todas essas perguntas são respondidas, mas este não é o objetivo do filme. Somos obrigados a refletir sobre essas questões, porque é impossível que não nos identifiquemos em algum nível com nenhum daqueles personagens – e este resultado é suficiente para transformar este filme em uma obra memorável, que, em alguns anos, poderá tornar-se referência de uma época de transformação acelerada das relações humanas.
Posts relacionados
  • 6 nov 2016
  • 0
Neste sábado, 5 de novembro, tivemos o segundo dia do 5º Brasília International Film Festival. Desta vez o Razão de Aspecto não foi ao Cine Brasília,...
  • 26 out 2016
  • 0
A Garota no Trem deve concorrer ao Oscar de melhor roteiro adaptado e outras premiações. Gênero: Suspense/Drama Direção: Tate Taylor Roteiro: Erin Cressida Wilson, Paula Hawkins...
janeiro
  • 30 jan 2018
  • 1
Quadro novo no Razão de Aspecto! Desde o ano passado a gente já elege os 3 melhores e os 3 piores filmes de cada mês,...