Meus melhores filmes
Meus melhores filmes
Com
o devido atraso provocado por alguns contratempos pessoais e pela Copa do
Mundo, volto ao Razão de Aspecto. Só mesmo o cinema (e a literatura) para nos
possibilitar um escape momentâneo dos dez-a-um… digo, da realidade, para mundos
mais interessantes (alias, coisa que não fiz durante esta Copa foi assistir um
jogo no cinema… deve ser uma experiência particularmente deliciosa;  quem sabe daqui a quatro anos, em um torneio
mais distante geograficamente, o rito fique ainda mais mágico…).
Falava
eu das identificações secundárias, e, como prometido, apresento uma lista dos
filmes que mais me marcaram. Não se tratam, nem de longe, dos filmes
que considero melhores, e sim
daqueles com quem estabeleci, por diferentes razões em diferentes níveis, uma
conexão
íntima.
Assim,
por exemplo, o fato de ser um escritor – amador ou potencial, que seja – faz
com que filmes que tenham escritores (ou a relação do criador com a escrita
criada) como protagonistas, tenham grandes chances de me atrair, mesmo que não
sejam tão
geniais em algumas camadas estéticas. O mesmo vale para filmes passados no
Reino Unido:  tendo lá morado, e
consumido maciçamente a arte britânica e irlandesa ao longo da vida, é mais
fácil Neil Jordan me seduzir do que, por exemplo, o norte-americanismo íntimo
dos irmãos
Cohen. Por ser diplomata e ter morado no exterior, filmes de espionagem tem
trânsito fácil: um homem, com uma missão, em uma terra diferente da sua:  a conexão é imediata (ainda que eu fique
feliz em utilizar a HUMINT apenas dentro da lei, e não ter de sobreviver a perseguições
de carro e vilões megalômanos – se bem que…)
Repare
que essas qualidades estão na relação pessoal que temos com as obras, e não em
alguma característica intrínseca da criação. É pelo respeito a essas conexões
subjetivas que costumamos dizer que “gosto não se discute”. Gosto não, mas
estética sim.
A
elaboração
de listas é sempre difícil – claro: como diria Umberto Eco, uma lista é uma
tentativa de controle do mundo – e acaba resultando em um produto final
injusto. Haverá várias películas que ficarão de fora por esquecimento, e
outras que foram excluídas para a relação final não ficasse tão
extensa.
Dito
isso, e para deixar transparecer alguns viezes de análises futuras, meus filmes
favoritos (sem ordem relevante) são…
Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets
Society, 1989):
ao encerrar-se a
sessão
de cinema, eu chorava copiosamente, sem entender exatamente o porquê. Aos 15
anos, creio que eu já intuia o embate entre um mundo que conspira para matar a
poesia, e a ânsia pela arte, pela vida, por “ir à floresta porque se quer viver
intensamente”. Robin Williams antes de virar uma caricatura de si próprio. Uma das
grandes injustiças da Academia, que preferiu premiar o apenas bom “Conduzindo
Miss Daisy”. Menos de um ano depois eu já havia coorganizado um grupo de
poetas, e já sabia subir na mesa para ter um olhar diferente do óbvio. O
problema de abrir os olhos é não saber fechá-los depois.
Excalibur (1981): vale a menção
mais do que honrosa de “A espada era a lei” (The sword in the stone, 1963), que
me apresentou, mais jovem do que deveria, à lenda do Rei Arthur e seus
cavaleiros. John Boorman conseguiu, em pouco mais de duas horas, fazer o filme
definitive (até o momento, ao menos) sobre o ciclo de nascimento, vida,
decadencia e morte (não apenas do protagonista, mas da própria ideia da Távola
Redonda, um projeto de mundo com menos caos e mais prosperidade, de honra
condenada pela imperfeição humana). Mais de três décadas depois e lançado, o filme
guarda, a cada audiência, a descoberta de novos simbolismos. Um filme para quem
gosta de mitologia e de semiótica. Como curiosidade, vale conferir Gabriel
Byrne, Patrick Stewart, Liam Neeson e Helen Mirren anos antes de se tornarem
celebridades. No ciclo arthuriano, o único filme que chega perto da genialidade
de Excalibur é “Monty Python em busca do Cálice Sagrado” (Monty Python and the
Holy Grail, 1975).
Moulin Rouge: o amor em vermelho (Moulin
Rouge!, 2001):
musicais são filmes que costumam despertar reações
extremadas. Quem não gosta, tende a não gostar mesmo.
Como eu não tenho esse problema, não tive como não me apaixonar – a ponto de
assistir 12(!!!) vezes no cinema – a essa aula de pós-modernismo, na releitura
A dama das camellias/La traviatta.
Vejamos: no fim do século XIX, jovem escritor se apaixona por ruiva-musa, em um
amor clandestino, impossível, que desafia as regras e é fadado a acabar em
tragédia. Difícil aproximar-se mais da minha paisagem mental. Isso tudo ao som
de pop e rock do fim do século XX. Um filme que abre com uma canção de David Bowie,
e passa por Madonna e Queen. Um filme que transforma Roxanne em tango. No
primeiro terço do filme, quando estão tocando, ao mesmo tempo, em um arranjo genial, soul da década de 1970, can can e Nirvana(!!!!), eu só não levantei
e bati palma do cinema porque minha fleugma me impediu.
Fim de Caso (The end of the affair, 1999):  se “Moulin Rouge” começa com “this story is about love”, “Fim de Caso” tem como primeira frase
“this is a diary of hate”. E ambos foram parar entre os meus favoritos, go figure.  Embora de estilos e resultados bem
diferentes, também temos um escritor, uma musa ruiva e uma paixão
proibida. Desde “O Paciente Inglês”, Ralph Fiennes é alguém que eu quero ser
quando crescer. O fato de ser baseado – e extremamente fiel – em um livro de
Graham Greene, e, de ter, como de costume, um forte subtexto de discussão
sobre religiosidade e destino, só ajuda. Eu já pensei em ter uma banda chamada
Bendrix…
Highlander, o guerreiro imortal
(Highlander, 1986):
é claro que “Highlander” tem qualidades que o
diferenciam um pouco da média dos filmes de ação da década de 1980: pra ficar
apenas em duas, a trilha sonora do Queen é uma obra prima – e se você não
se emociona até hoje ao ouvir ”Who wants to live forever”, você é um robô -, e
Sean Connery em toda sua carismática canastrice interpretando um – lembrem-se!
– espanhol imortal. Mas nada disso, ou as estonteantes paisagens escocesas às
quais fui apresentado pela primeira vez – garantiu sua vaga nos meus filmes
mais queridos. A identificação com a mitologia dos imortais vem da nostalgia… Séculos vivendo histórias,
amores, conquistas e perdas, que assombram e assombrarão o presente e o futuro. O
doloroso embate entre querer isolar-se, evitar sentir e interagir, para escapar
da dor da perenidade, e a necessidade de seguir vivendo.  Imortal eu não sou… já as dores…

Posts relacionados
  • 20 nov 2016
  • 0
Maurício Costa conferiu a pré-estréia de A Chegada, novo filme de Denis Villeneuve. Se não for indicado ao Oscar, não vai dar pra entender o...
  • 13 fev 2017
  • 0
John Wick: um novo dia para matar supera, de longe, o filme anterior…   Gênero: Ação Direção: Chad Stahelski Roteiro: Derek Kolstad Elenco: Keanu Reeves,...
  • 1 dez 2016
  • 0
E por fim chegamos a última e mais divertida parte da Terceira Mesa Quadrada. Nela, cada um dos nossos críticos comenta alguns dos filmes em...